sábado, 26 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #11-15

11. LIARS @ LUX
25 de Novembro de 2003
Primeira vez em Portugal, primeira vez de várias ocasiões em que os apanhei. Escrevi, na altura: "Antes de mais, convém esclarecer que o título [Liars Death] não é nenhuma certidão de morte aos Liars. Bem pelo contrário. Quem viu o grupo nova-iorquino esta noite no Lux (ou, presumidamente, no Sá da Bandeira, um dia antes) poderá perceber o trocadilho se contextualizar esta(s) noite(s) com os primeiros discos dos Sonic Youth, nomeadamente com aquele registo ao vivo que o clube de fãs celebrizou com nome aproximado ao do título. É bom começar por dizer estas coisas, pois podemos logo libertar-nos de fantasmas que pairam sobre a narração ou interpretação de algo a que assistimos e que dificilmente se repetirá nas mesmas condições. Isto é, os Liars não fazem nada de particularmente novo. É ponto assente. Já os Sonic Youth e muitas outras bandas, quer americanas, quer europeias (e aquela segunda faixa não fez lembrar os ritmos tribalescos dos Test Department?), o tinham experimentado há cerca de vinte anos. O que fez então do concerto dos Liars desta noite algo de tão especial? Esqueçamos por momentos, passe a redundância, o tempo. Imaginemos -- aqueles que por razões óbvias, ou seja, pela idade, o possam fazer -- que estamos nos anos 80. Os outros que tentem imaginar a situação através dos relatos dos mais velhos. Imaginem que não há nada mais que três tipos a fazer algo em palco que nos é de tal forma compulsivo e arrasador (o zunido nos ouvidos parece querer confirmar a hipótese) que nos faz perder toda a noção de espaço-tempo (desculpem esta pequena intromissão, quase cameo, da variável tempo). Mas... não era isso que um bom concerto de rock conseguia fazer há anos? Muito passa pela bateria firme de Julian Gross (nova aquisição), tal como há vinte anos passava pelas de Richard Edson ou Jim Sclavunos, nos Sonic Youth. Por cima destas compulsivas sequências de bombo e tarola há uma guitarra e uma voz desalmada de Angus Andrew (a propósito, as notáveis semelhanças físicas do vocalista dos Liars com Nick Cave remetem para a estranha coincidência de ambos serem australianos). Às tantas, a descarga sonora é de tal forma assolapante que voltamos a pensar no tempo, como na frase 'e não é que em 2003 podemos voltar a sentir tais sensações?'. O espectáculo durou cerca de quarenta minutos. Talvez um pouco mais do que o espectáculo no Porto, pois de acordo com o que Angus Andrew referiu ao microfone, esta noite era 'especial', já que marcou o encerramento da digressão dos Liars pela Europa. Pouco tempo? Talvez, pois poucos se importariam de continuar a ser alvo da agressão sonora vinda de palco. Mas importa perceber que, como diz um aforismo certeiro, a música não se mede a metro. Quarenta minutos de Liars valeram seguramente por muitas horas de concertos de milhentas bandas. Para terminar, uma pequena provocação. Enquanto os Strokes (sim, tinha que ser) aproveitam a onda para fazer co-brandings com marcas de roupa e afins, os vizinhos Liars apresentaram-se esta noite com as marcas dos amplficadores tapadas com fita adesiva, à semelhança do que, por exemplo, fazem os Mão Morta por cá. Statements políticos como estes deixam perceber que o punk não é já só uma vã categoria nos meandros do marketing musical. Existe, e com postura digna. Ah, falta dizer: concerto do ano!"

12. HOWE GELB @ MUSICAIS
31 de Março de 2003
A primeira vez que o Codfish Cowboy -- assim o baptizámos depois do jantar -- tocou num palco português. Haverá nesta escolha, claro, algum enviesamento resultante do privilégio que tive de ser uma das várias pessoas envolvidas na produção deste espectáculo, daí que não consiga dissociar aquela actuação (magnífica) dos episódios vividos durante estes dois ou três dias com Howe Gelb. Em todo o caso, todas as reacções que tenho vindo a ter ao longo dos anos são concordantes. Foi uma óptima noite. E ainda há a história dos Dead Combo...

13. TRILOK GURTU & THE MISRA BROTHERS @ FMM SINES
28 de Julho de 2006
Foi a segunda de três vezes que já tive a sorte de ver Trilok Gurtu, indisputavelmente o homem que melhor consegue trabalhar o ritmo neste planeta. Para esta actuação no FMM, a minha preferida da edição desse ano, veio acompanhado pela sua Índia, com as vozes khylal dos Misra Brothers.

14. EINSTÜRZENDE NEUBAUTEN @ CCB
12 de Abril de 2005
De A a Z, como escrevi na altura, aqui.

15. CYRO BAPTISTA - PAU NA MULA @ FMM SINES
24 de Julho de 2009
Duas posições depois de Trilok Gurtu, eis outro titã da percussão, o brasileiro Cyro Baptista. Se se juntassem os dois, abrir-se-ia uma fenda na Terra, a qual se desviaria da sua rota orbital, e... Bom, escrevi isto há alguns meses: "No topo dos topos, o espectáculo 'Pau na Mula', de Cyro Baptista e da sua companhia de percussionistas, que conquistou facilmente o público com a irreverência, algures a meio caminho entre Tom Zé e Hermeto Pascoal (dois compatriotas igualmente chanfrados que pisaram aquele mesmo palco) e o virtuosismo dos músicos. As partes do sapateado, por Nicholas Young, por exemplo, devem ter sido a coisa mais fora de comum e mais eficiente que já se viu neste festival. (...)"