sábado, 19 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #46-50

46. MOR KARBASI @ FMM SINES
20 de Julho de 2009
Escrevi, na altura: "Ao meu lado, uma mulher batia com a mão no peito. Eu sentia os olhos a lacrimejarem. No palco, a israelita Mor Karbasi começava a cantar os primeiros versos de 'Rua do Capelão', de Amália Rodrigues, num português magnífico, com um arrojo vocal de fazer cair os queixos. Foi o momento da noite, será certamente um dos episódios mais notáveis desta edição do FMM, mas o espectáculo da israelita, acompanhada por piano, guitarra eléctrica, baixo e percussão, não se resumiu apenas a tal. Se há noites para a qual a palavra beleza existe é para descrever tanto Mor Karbasi como o seu espectáculo."

47. SONIC YOUTH @ SONAR
14 de Junho de 2001
Das vezes em que vi os Sonic Youth ao longo desta década, dou destaque à apresentação feita no Sonar (nesta lista dos "100 mais" não há repetições de nomes, salvo poucas excepções). O quarto disco da colecção SYR, "SYR4: Goodbye 20th Century", aquele em que a banda se pôs erudita, a interpretar compositores vanguardistas (John Cage, Steve Reich, Pauline Oliveros ou até Yoko Ono, entre outros), tinha saído há pouco menos de dois anos, mas havia o pretexto de uma mini-digressão europeia num formato muito especial. Nas palavras do Thurston Moore, "it was us sitting down on stage with music stands and people handing out programs. The most interesting one was at the Sonar festival in Barcelona, which is an experimental electronic music festival. These kids were there and they didn’t like it; I could really feel it. I realised afterward that what they were hearing would be like if we played some avant-jazz festival and came out playing King Oliver. We were playing these early pioneers of electronic music pieces, some Fluxus music, all this fuddy-duddy academic music at a cutting-edge electronic festival. In a way we were really squaresville."

48. MARC RIBOT & THE YOUNG PHILADELPHIANS @ FMM SINES
29 de Julho de 2005
Depois dos Sonic Youth, outro ícone nova-iorquino, nómada da música (das músicas), doutor da guitarra (das guitarras). Neste FMM, só os KTU de Kimmo Pohjonen o ultrapassaram na lista de preferências.

49. PANDA BEAR @ ZDB
3 de Fevereiro de 2005
Foram três as vezes que Panda Bear se apresentou na ZDB, para actuações curtas (nunca muito mais de meia hora), mas extremamente eficientes. Esta foi a terceira dessas ocasiões, numa noite que contou ainda com Ariel Pink e Signer. Escrevi: "Na primeira vez, foi loops de guitarras acústicas e outros sonsfolkish mais a voz. Na segunda vez, Panda Bear introduziu o beat de forma mais explícita. Prosseguindo o crescendo, este terceiro concerto teve uma abordagem claramente mais rítmica, com loops e beats para fazer quase dançar. Destaque para o último tema, que rematou de forma soberba e surpreendentemente coerente o espectáculo. Panda Bear chegou a África. Chegou ao transe do afro-beat. Houvesse ali daqueles riffs de guitarra eléctrica característicos de milhentas bandas pop do Zimbabué e nem se estranharia. Momento inesquecível."

50. SEPTETO ROBERTO JUAN RODRIGUEZ @ FMM SINES
31 de Julho de 2004
Escrevi: "A maior surpresa do festival, aqui para o tasco, foi Roberto Juan Rodriguez. Klezmer, muito klezmer, irrepreensivelmente tocado, com os timbalões de Rodriguez a evocar os ritmos da sua terra natal, Cuba. E Rodriguez é mesmo um colosso na bateria, algo que ficou por demais evidente no encore final. As muralhas do castelo de Sines não ruiram por pouco."