sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Os melhores concertos de 2011

Antes que, por qualquer distração, o ano de 2011 chegue ao fim, e abrindo aqui uma brecha neste desconfortável silêncio imposto pela falta de tempo de aqui vir arejar o tasco amarelo, eis o alinhamento dos meus 50 concertos prediletos deste ano. Como sempre, muita coisa ficou por ver e ouvir. Bom 2012 para quem quiser, mesmo que não possa, continuar a frequentar as salas de concertos por esse país fora (e arredores).



1. Congotronics vs. Rockers @ FMM (23/7)
2. Swans @ Aula Magna (9/4)
3. Black Dice @ ATP Minehead (13/5)
4. Mário Lúcio @ FMM (30/7)
5. Mercedes Peón @ FMM (27/7)
6. Gang Gang Dance @ ATP Minehead (15/5)
7. The Brothers Unconnected @ ATP Minehead (14/5)
8. L'Enfance Rouge @ Musicbox (5/2)
9. Beach House @ ATP Minehead (14/5)
10. Vishwa Mohan Bhatt & The Divana Ensemble @ FMM (28/7)
11. Mercedes Peón @ Alcochete, Forum Cultural (8/10)
12. Oneida @ Barreiro, Ferroviários (8/10)
13. Ayarkhaan @ FMM (29/7)
14. Prince Rama @ ATP Minehead (15/5)
15. Le Trio Joubran @ FMM (22/7)
16. Chain and the Gang @ Musicbox (28/4)
17. Six Organs Of Admittance @ Maria Matos (10/9)
18. Eric Copeland @ ATP Minehead (14/5)
19. Om @ ZDB (30/1)
20. Tony Conrad @ ATP Minehead (15/5)
21. Prince Rama @ Lounge (8/6)
22. Pop Dell'Arte @ Musicbox (9/6)
23. Spectrum @ ATP Minehead (14/5)
24. Mão Morta @ T** Ao Vivo (1/10)
25. L'Enfance Rouge @ Lounge (29/10)
26. Akron/Family @ ZDB (19/11)
27. Orquestra Todos @ Intendente (11/9)
28. Max Richter @ Maria Matos (5/11)
29. Group Doueh @ ATP Minehead (15/5)
30. The Entrance Band @ ATP Minehead (15/5)
31. António Zambujo @ FMM (22/7)
32. Berrogüetto @ FMM (23/7)
33. Owiny Sigoma Band @ Musicbox (29/10)
34. Bombino @ Ccb (7/8)
35. Soldiers Of Fortune @ ATP Minehead (13/5)
36. Shangaan Electro @ Gulbenkian (3/7)
37. Secret Chiefs 3 @ FMM (22/7)
38. Nisennenmondai @ ZDB (7/12)
39. Damo Suzuki Network c/Sunflare @ Barreiro, Ferroviários (8/10)
40. De Tangos y Jaleos @ FMM (24/7)
41. Actress @ ATP Minehead (13/5)
42. Murcof & AntiVJ @ Maria Matos (21/12)
43. Meat Puppets @ ATP Minehead (14/5)
44. Graveola E O Lixo Polofônico @ FMM (28/7)
45. Khaira Arby and Band @ ATP Minehead (15/5)
46. Terry Riley & Gian Riley @ ATP Minehead (13/5)
47. Animal Collective @ ATP Minehead (15/5)
48. U.S.S. w/Steve Mackay & Mike Watt @ ZDB (6/7)
49. Lobster @ ZDB (7/12)
50. Gala Drop @ ZDB (4/7)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Quarta é dia de ZDB, lá isso é

Já não bastava o regresso dos Lobster (SIM, OS LOBSTER VOLTARAM!) e ainda temos, na mesma noite, no mesmo palco, as japonesas Nisennenmondai. Adoradas pelos Battles, que as convidaram para o ATP de Natal que o grupo cura neste próximo fim de semana em Minehead, Inglaterra, adoradas por quem teve já a sorte de as apanhar ao vivo, a baterista Sayaka Himeno, a guitarrista Masako Takada e a baixista Yuri Zaikawa aproveitam a viagem à Europa e trazem à ZDB a descarga dançável de kraut e rockalhame estrepitante (ora aí está um adjetivo à antiga) com que têm andando a surpreender o mundo desde 1999. Esta próxima quarta-feira, véspera de feriado, na ZDB.

ATUALIZAÇÃO: Na véspera, terça-feira, Lobster e Nisennenmondai vão também estar no Plano B, no Porto.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

IVA nos bilhetes a 13%?

Segundo a proposta de alteração à lei do Orçamento do Estado hoje entregue no parlamento, a maioria PSD-CDS recuou na intenção de elevar as actividades culturais à taxa máxima do IVA (23%), ficando estas na categoria intermédia (13%). Continhas rápidas: se a proposta for for aceite, como tudo indica, e os promotores de espectáculos fizerem incidir o aumento do IVA na íntegra sobre o público, a partir de 1 de Janeiro, um bilhete que até agora custasse 10€, passará a 10,66€ (ou 11€, com arredondamentos...) e não 11,60€ como estava anteriormente previsto.

Não há Primavera sem Shellac

Não importa onde se realize o Primavera Sound, que é seguro que os Shellac estarão por lá. Foi hoje anunciada pela Antena 3 a presença do trio demolidor de Steve Albini (e também dos Walkmen) na versão portuguesa do festival Primavera, que vai decorrer na cidade do Porto, entre 7 e 10 de Junho próximos. Shellac e Walkmen juntam-se assim aos nomes já anunciados de Björk, Yo La Tengo, Neon Indian, Other Lives, Jeff Mangum e Codeine. O Primavera vai ter lugar no Parque da Cidade e os bilhetes podem ser comprados por via online ao preço de 75€, mais custos administrativos. Este preço é válido até 31 de Dezembro, aumentando depois, não só porque vai ser revista a tabela do IVA, mas também porque é política do festival praticar uma política de preços diferenciados em função da data de aquisição.

domingo, 27 de novembro de 2011

Parabéns, Lisboa, parabéns, mundo

Longa se tornou a espera, mas eis que finalmente o Fado é classificado património imaterial da humanidade pela UNESCO. Parabéns a todos os que ao longo dos últimos anos moveram mundos para que este anúncio chegasse, parabéns aos que têm divulgado a canção, parabéns aos que hoje a cantam com o coração.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Recordando António Sérgio

Passaram, há poucos dias, dois anos do desaparecimento do António Sérgio. Se não podemos continuar a ouvir novidades na voz entusiasmada dele, temos pelo menos a possibilidade de o recordar em dezenas de gravações de programas como o Som da Frente ou até mesmo o Rolls Rock, que agora se encontram disponíveis no Mixcloud.

Oiçam, por exemplo, esta Lista Rebelde Especial para o Rolls Rock, em Outubro de... 1982:

Barreiro Rocks '11: os nomes

Aos poucos e poucos, tem vindo a ser revelado o cartaz do próximo Barreiro Rocks, que este ano decorre no fim de semana de 2 e 3 de Dezembro, no Clube dos Ferroviários:

Dia 2 (sexta-feira)
Tracy Lee Summer (PT)
Fabuloso Combo Espectro (ES)
Dex Romweber Duo (EUA)
Pierced Arrows (EUA)

Dia 3 (sábado)
Greasy & Grizzly (ES)
Sonic Reverends (PT)
Limes (EUA)
Harlan T Bobo (EUA)
Jack Oblivian (EUA)


quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Passe L&L para os concertos que aí vêm

A Lovers & Lollypops tem uma agenda cheia para este mês, no Porto (a maior parte passa também por Lisboa, pela ZDB -- apenas o norte-americano Com Truise surge como concerto único). O destaque, visto daqui, vai para os Pink Mountaintops do mui respeitável Stephen McBean (mais conhecido pelos Black Mountain) e, claro, os Akron/Family. Uma boa novidade da L&L, pouco habitual por cá, prende-se com a emissão de um passe, ao preço de 25€, que permitirá a entrada em todos os concertos. O passe e os bilhetes encontram-se em venda antecipada na CDGO, na Louie Louie, na Lost Underground e na Matéria Prima. Eis a programação completa:

Dia 5, 22h
Eternal Tapestry (Thrill Jockey / US) + Unzen Pilot + Surya Exp Duo
Plano B
6€/8€
(ZDB no dia anterior)

Dia 11, 22h
Pink Mountaintops (Jagjaguwar / CAN) + Cavalheiro
Maus Hábitos
10€
(ZDB no dia seguinte)

Dia 20, 18h (!)
Akron/Family (Dead Oceans / US) + The Partisan Seed
Hard Club
12€
(ZDB no dia anterior)

Dia 22, 21h30
Gary War (Sacred Bones / US) + Tren Go! Soundsystem
Passos Manuel
6€
(ZDB no dia seguinte)

Dia 27, 17h (!)
Com Truise (Ghostly International / US) + Dreams + The Festmen
Maus Hábitos
6€
(Concerto único em Portugal)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

E ainda faltavam estes

A acrescentar às propostas da postagem anterior: os Bardo Pond, que se estreiam por cá, com concerto na ZDB. Marcia Bassett & Margarida Garcia na primeira parte. Desdobrem-se como puderem.

Um sábado daqueles, em Lisboa

Para quem estiver por Lisboa e puder, a noite de amanhã oferece dois ou mais motivos para sair e curtir como se não houvesse domingo. Há concerto a não perder no Lounge, há concertos a não perder no Musicbox. Talvez as duas coisas não sejam inteiramente conciliáveis (quase de certeza que serão), mas aqui fica o conselho.

Vamos por partes. Primeiro, o Lounge recebe os franco-italianos L'Enfance Rouge. Quem por aqui passa com alguma regularidade, sabe que nunca poupei palavras a descrever os concertos deste "trio-poder", ora quando estiveram junto à praia de Sines, no FMM 2009, acompanhados dos músicos tunisinos que então ajudaram a fazer o magnífico "Tràpani - Halq Al Waady", penúltimo álbum, ora quando passaram pelo Musicbox, na última edição do Festival Terapêutico do Ruído. Nesta segunda vez, escrevi na altura palavras carregadas de um entusiasmo que até hoje mantenho:

“Os L'Enfance Rouge não são franceses, como dizem por aí. Não são italianos, como sugerem os nomes Locardi e Andreini, a secção rítmica. Não são europeus, como disse o Thurston Moore quando lhe chamou uma das melhores bandas do velho continente. Não são tunisinos, como podia indicar o álbum anterior e a formação com que chegaram há dois anos a Sines. Os L'Enfance Rouge são uma raça alienígena proveniente de um planeta longínquo. Planeta de cujo o mais insigne espécie até cá chegado dá pelo nome de Steve Albini, compreendem? São daquela sociedade em que as crianças aprendem Black Flag na creche, Swans na primária e Big Black no ciclo, enquanto em simultâneo resolvem de cabeça inequações de 967º grau. Na verdade, os L'Enfance Rouge não existem. Ontem, no encerramento do Festival Terapêutico do Ruído, o que houve foi uma magnífica alucinação colectiva que vai ser motivo de conversa para muitos anos.”



Depois, manda este vosso amigo que se ponham a andar para o Musicbox. Em mais uma noite do festival patrocinado por uma marca de uisge beatha de bom gosto (ei, a propósito, hoje há Tom Vek) vão lá estar, entre outros, a Owiny Sigoma Band, os portugueses Tigrala e um DJ set que muito promete, pelas mãos dos The Very Best e com a voz do MC Mo Laudi. A Owiny Sigoma Band é um dos casos mais felizes de interesse ocidental pela música africana, em particular pelo Quénia. Notem que não é música benga, como se escuta na colaboração dos Golden com músicos dos Quénia, que resultou nos Extra Golden, mas é igualmente viciante. Reza a história que, em 2009, um conjunto de músicos londrinos viajaram para Nairobi para colaborar com músicos locais. Houve gravações que chegaram às mãos de Gilles Peterson, que logo as editou através do seu selo Brownswood. Veio depois um álbum (aproveitem a ocasião para comprá-lo, que vale bem a pena) e remisturas de tipos como o Theo Parrish, o Quantic, etc. É um privilégio único poder tê-los aqui num palco próximo de nós. Privilégio também será o de poder dançar às batidas dos The Very Best. Não fiquem de pé atrás por ser DJ set. No ano passado, o Radioclit e TVB Johan Karlberg também passou por um Baile na Lx Factory que, além de desafiar o próprio conceito de DJ set, ajudou a produzir uma festarola inesquecível. Com eles vem Mo-Laudi, MC originário da África do Sul, que rebentou em Londres e agora vive em Paris (escutem-no aqui). E ainda há Tigrala, a superbanda de Norberto Lobo, e mais gente nos pratos (Granada e Medásosangue). Querem mais do que isto para saírem de casa?

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O dia dos Paus

Dá-se hoje o lançamento do álbum de estreia dos Paus (sem título), com concerto no Lux. No dia 3 de Novembro é a vez do Hard Club os receber.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Já se ouve Lulu

Talvez seja melhor sentarem-se antes de apontarem o vosso browser para a escuta da estranha colaboração entre Lou Reed e Metallica. "Lulu", o resultado deste encontro em estúdio, sai no final deste mês e já pode ser ouvido (e pré-encomendado) em www.loureedmetallica.com. O disco parte de uma ideia de Lou Reed inspirada em duas peças, "Erdgeist"/"O Espírito da Terra" (1895) e "Die Büchse der Pandora"/"A Caixa de Pandora" (1904), do dramaturgo alemão Frank Wedekind. Ambas as peças alimentaram a ópera "Lulu", daí o nome do disco, de 1937, além de inúmeras outras adaptações. Talvez "Lulu", o disco, não consiga ser tão polémico quanto estas adaptações, mas, acreditem, talvez seja mesmo boa ideia sentarem-se antes de começarem a ouvi-lo.

K'naan de volta

Esteve por duas vezes em Sines, constituindo-se como uma das maiores revelações que o FMM trouxe até nós. Entretanto, à boleia do Campeonato do Mundo de Futebol do ano passado e de uma marca de refrigerantes, chegou ao conhecimento do mundo em geral. O rapper somali K'naan vai voltar a Portugal, a convite do Lisbon & Estoril Film Festival. O concerto vai acontecer no Nimas, em Lisboa, a 7 de Novembro.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

O IVA nos espetáculos

As contas são simples, mas as consequências podem ser devastadoras. Até agora, os espetáculos, em geral, faziam parte da lista de bens e serviços sujeitos à taxa reduzida de IVA (6%). O Orçamento do Estado de 2012, levado agora ao parlamento para aprovação, determina que a "verba 2.15" daquela lista, ou seja, a alínea que ali enquadrava os "espetáculos, provas e manifestações desportivas e outros divertimentos públicos" seja revogada. Ou seja, os bilhetes de um concerto, de uma peça de teatro ou de cinema, por exemplo, passam a estar sujeitos à taxa normal de IVA (23%).

Se o promotor de um evento optar por fazer incidir sobre o espetador a totalidade deste aumento, tal significa que um bilhete de 10 euros, por exemplo, passa a custar, sem arredondamentos, 11,6. Se custar 30, passa para os 34,81. Se custar 90 (pensemos nos festivais), passa para 104,43. Até que ponto os promotores vão ou não deixar que sejam os seus clientes a suportar estes acréscimos, não sabemos. Alguns, aqueles que se queixam da diminuição de público, opinião ainda mais legitimada pelas perspetivas de quebra de audiências em função do apertar do cinto que uma boa parte das famílias vai ter de encarar a partir de 2012, vão ter que endogeneizar parte deste aumento, para evitarem ainda mais cadeiras vazias. Alguns chegam mesmo a acenar com a hipótese de fecho de estruturas importantes, como é o caso de Álvaro Covões, que admite fechar o Coliseu dos Recreios se a revogação da "verba 2.15" vier a ser confirmada no parlamento (ver notícia).

Já não deverá ser novidade para ninguém, tal tem sido a eficiência da comunicação viral, mas é precisamente no Coliseu dos Recreios que ao final desta tarde se vão reunir profissionais das atividades culturais, para debater esta questão e discutir formas de reação à proposta do OE. O encontro está agendado para as 17h30.

domingo, 9 de outubro de 2011

Datas para o Barreiro Rocks 2011

Para quem ainda não tomou conhecimento, o Barreiro Rocks deste ano acontece a 2 e 3 de Dezembro. Resolvam lá os impedimentos e as desculpas que tenham para esse fim de semana, que o BRR é de ir, sempre.

(erm, para quem lê isto num agregador, apareceu ali um "não" a seguir a "BRR" por mera disfunção de escrita de um domingo à tarde, pós-encerramento de Out.Fest com um cataclismo chamado Oneida.)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

10 anos da DFA no Lux

Está no ipsílon de hoje. Barcelona, Paris e Lisboa são as três cidades europeias escolhidas para receber as festas de aniversário da DFA. A 4 de Novembro, o Lux acolhe então James Murphy e outra gente da mui nobre casa nova-iorquina: Alexis Taylor (Hot Chip), Shit Robot, Juan MacLean e Nancy Whang (a teclista dos LCD Soundsystem).

Bert Jansch (1943-2011)

Desapareceu esta quarta-feira um dos ícones da vaga folk escocesa dos anos 60, Bert Jansch, guitarrista que, a solo ou com os Pentangle, influenciou a forma de tocar de imensa gente ao longo das últimas décadas, ora no Reino Unido, ora do outro lado do Atlântico (Neil Young, por exemplo, que com ele tinha uma ligação óbvia, e ainda há pouco andou em digressão com ele, chegou a compará-lo com Jimi Hendrix, em versão acústica).

Hoje à noite há...

...Bailarico Sofisticado na inauguração do Zona Franca. E o que é o Zona Franca? Resposta abaixo.

Só pode ser surpresa, só pode ser verdade: o improvável conjunto (Rui Duarte, Marta Lança e Adriano Jordão), com o seu vasto conhecimento do universo boémio, vai programar, atacar, brincar e gerir o Bartô, o bar do Chapitô, a partir de Outubro. Zona Franca inicia-se nesta experiência mas há-de seguir viagem para outras paragens, e o princípio é dinamizar espaços de encontro, onde as artes convivam com as noites, sem temer a manhã.

Concentração agora no Bartô. Todas as noites (à excepção de segunda-feira, dia em que não há peixe) acolhemos e propomos coisas boas. Da rubrica fado é bondage aos sons africanos e (in)continentes ao domingo, passando pelas tertuliantes conversas bravias, até aos sábados onde se giródisco e não se toca o mesmo, podem escolher o melhor momento para nos brindar com companhia animada. Pegámos em conceitos que já existem (não vamos inventar a roda, certo?) e lavrámos a terra para nova colheita. E então, as bandas fazem-se ao tanque-palco, académicos trocam a aula por uma conversa de copo na mão, o dj transpira para tocar, e o artista não dá mais tiros sem ricochete. Um programa vivo e extremamente atraente, a ver vamos.

Atent@s às gulas nocturnas, podem contar com tábuas de enchidos, queijos e outras surpresas gustativas.O improvável conjunto cá vos espera.

ZONAFRANCA|ZONALIBERTADA inauguração do Zona Franca | Bartô | 7 de Outubro | 22h

A festa da inauguração serve para nos conhecermos, mostrar ao que vimos e rebentar a pista ao som dos incansáveis Bailarico Sofisticado. A exposição de Alejandro Levacov projecta as nossas utopias na tela, uma performance vem desafiar-nos, e a alegria de celebrar não nos larga.

As charadas...

Voltam para a semana. (Falta de tempo obligé.)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Hoje é dia de...

...Dieter Moebius! O germano-suíço que no final dos anos 60 fundou os Kluster com Hans-Joachim Roedelius e Conrad Schnitzler (falecido há dois meses), depois Cluster quando o trio passou a duo após a saída do último, e ainda os Harmonia, com Michael Röther dos Neu! e, ocasionalmente, Brian Eno, vai estar hoje ao vivo no Barreiro, nesta impressionante edição do Out.Fest que ontem teve início.



O Out.Fest termina no sábado e vai contar nesse dia com outra lenda viva do kraut, o japonês Damo Suzuki, que regressa a Portugal para mais uma paragem da sua digressão sem fim, improvisando desta vez na companhia dos portugueses Sunflare, numa noite que vai contar ainda com Oneida (!), entre outros. Há muito a acontecer no Barreiro por estes dias. O melhor é mesmo consultar a programação em outfest.outra.pt/2011.
A noite de hoje tem lugar no Convento da Madre de Deus da Verderena, começa às 21h30, com Kwjaz, e a entrada custa cinco euros.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Tom Waits: o primeiro single do "Bad as me"



"Bad as me" está aí quase a aparecer. Dia 23 do mês que vem.

Acaba em grande o Japão na ZDB

Termina esta noite o ciclo de cinema "Japão Mais Fora Deixa o Mundo à Nora", que a ZDB tem estado a apresentar no seu terraço, às quartas-feiras. E para acabar em grande, hoje há uma série de propostas:os míticos Les Rallizes Dénudés, coletivo ligado à vanguarda extrema japonesa e a grupos políticos de esquerda, que durou entre os anos 60 e os 90 (leiam o que o Julian Cope diz sobre eles no seu Japrocksampler), num documentário captado pelo francês Ethan Mousiké. Mas há mais. Há também o filme de um concerto dos Fushitsusha, banda de Keiji Haino, em 1991; há outros filmes de concertos (Kaoru Abe e High Rise), entre outras projeções, as quais, a propósito, vão ter lugar em diferentes salas da ZDB. O início está marcado para as 22h e a entrada custa dois euros. Mais informação aqui.



«When French movie maker Ethan Mousike trekked across the globe to make a documentary about the Rallizes (and at his own expense I hasten to add), Mizutani refused to allow him to film the band close-up, insisting instead that Mousike set up his tripod in the dressing room, thereby allowing the camera lens to focus on less than one-third of the stage. When, after twenty minutes of this suffocatingly boring footage had elapsed, Mizutani contemptuously jumped off stage and kicked the door shut. our heroic French director chose not to remonstrate with the churlish Mizutani, preferring instead to allow the film stock to conclude naturally, thereby allowing Les Rallizes Denudés's errant metaphor its full reign.» (Julian Cope)

Charadas #539

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Primavera Sound no Porto?

Falou-se há dias que o Porto podia vir a receber, em 2012, uma edição do Primavera Sound, que todos os anos se realiza em Barcelona e Madrid (aqui apenas no complemento da versão mais ligeira, o "Primavera Club") e o site Festivais de Verão alega hoje ter tido confirmação...

Charadas #538

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Vem aí o álbum de Paus

Sai dia 24 de Outubro o álbum de estreia dos Paus, mais de um ano depois da edição do EP "É uma Água". Em comunicado da promoção e agenciamento do grupo, ficamos a saber não muito mais do que isto. Ah, e que tem oito temas. Mais novidades virão, certamente.

CORREÇÃO: A Artwork, neste caso é a editora do álbum, não a promoção ou agenciamento dos Paus.

Mais Japão no terraço da ZDB

A segunda etapa do ciclo "Japão mais fora deixa o mundo à nora" é feita esta noite com o filme "La Faute des Fleurs", um filme do Vincent Moon (o da Blogothèque, sim) sobre Kazuki Tomowaka, cantautor japonês que já pudemos ouvir, entre outros, no filme "Izo", de Takashi Miike. Começa às 22h e a entrada custa 2€-

Charadas #534

terça-feira, 20 de setembro de 2011

E o Cais do Sodré volta ao que era

Reabrem hoje os três bares -- Europa, Jamaica e Tokyo -- que fecharam há cerca de um punhado de meses em virtude dos problemas estruturais que afetaram o edifício onde se encontram instalados. Porque a ocasião é de festa -- e aproveitando ainda a Semana Europeia da Mobilidade, que traz como uma das iniciativas o encerramento definitivo ao trânsito da rua Nova do Carvalho -- os três bares acordaram num programa quase conjunto para estes dias. (E o Bailarico Sofisticado vai lá estar a tentar ajudar à festa, no Europa e na próxima sexta, depois dos Homens da Luta e até às seis da manhã.)

Charadas #533

Quase dois anos depois, eis o regresso de uma rubrica meramente lúdica, mas adorada aqui pelo tasco amarelo. Puxem pela cabeça e tentem apanhar o nome da banda, projeto ou artista individual para o qual as imagens apresentadas pretendem apontar. As regras são as mesmas de sempre: respostas nos comentários (e não no facebook ou noutro agregador), um ponto para quem adivinhar (ou mais, se a resposta certa tardar a chegar), ganha quem chegar aos 10.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Hoje há...


(Errata ao flyer: por dificuldades na obtenção de passagens aéreas, não haverá concerto da banda brasileira, indo o Lupano de Spinafro para os pratos até às 00h30, seguindo-se o BS depois.)

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O bater do coração

A nível pessoal, um dos aspetos particulares mais interessantes do documentário "We Don’t Care About Music Anyway…", que ontem passou na ZDB, prendeu-se com a descoberta do artista Fuyuki Yamakawa. Pode ser distração ou ignorância, mas nunca vi alguém tirar partido do mais básico e mais natural dos sons ao dispor de cada um de nós, pelo menos de uma forma, digamos, tão imediata quanto esta. O bater do coração. Fuyuki Yamakawa aplica um pickup ao peito, liga-o a um amplificador de guitarra (assim como a um interruptor de luzes) e, lá está, o ritmo do seu coração, alegadamente treinado por exercícios de respiração, a ecoar pela sala. Vai mais longe ainda: liga o mesmo microfone à cana do nariz e entoa um canto gutural circular, som que já só por si é sempre estranho, e, a dada altura, lembra-se de bater com a mão no crânio, o que resulta noutro ritmo. Humano e natural.
Cardiologistas de todo o mundo, encontraram o vosso artista preferido.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

De qualquer forma, nem queremos saber de música

Tem início hoje mais um ciclo de cinema no terraço da ZDB, sob a designação "Japão mais fora deixa o mundo à nora". Hoje passa o documentário dos franceses Cédric Dupire e Gaspard Kuentz, "We Don’t Care About Music Anyway…", uma visão de Tóquio rasgada pelas experiências sonoras de gente como Otomo Yoshihide, Numb ou Sakamoto Hiromichi. Para a semana, há "La Faute des Fleurs – A Portrait of Kazuki Tomowaka", do Vincent Moon (sim, o da Blogothèque) e, na última quarta-feira deste mês, um programa de luxo, com vários filmes a passarem em diferentes salas da ZDB, entre os quais a recuperação de um concerto dos Fushitsusha, a antiga banda de Keiji Haino, e outro dos míticos Les Rallizes Désnudés. Sempre às 22h, com os bilhetes a custarem 2€. Mais informação aqui.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Pára tudo

José Paes de Lira, dito Lirinha, ou agora dito tão só Lira, o arcabuz-poeta que dava voz ao já finado Cordel do Fogo Encantando (saudade eterna), está de volta à música. Depois de várias experiências no teatro, na escrita e no cinema, Lira apresenta-se agora a solo com álbum homónimo. E, como tanta boa banda brasileira atual, o disco está disponível não só para ser escutado na íntegra, como para ser "baixado" gratuitamente, no site oficial: www.josepaesdelira.net. É aproveitar, ó ressacados do Cordel. A verve continua lá toda.

Vai mesmo ser um Outono daqueles

Há mais concertos a serem anunciados para os meses que aí vem. E dos bons.

Primeiro, o Out.Fest do Barreiro já divulgou o programa. Já se sabia dos Oneida, mas agora ficamos a saber que há também Von Slippenbach, Bill Orcutt (finalmente, depois das atribulações anteriores) e o regresso do inenarrável Damo Suzuki (com os Sunflare a fazerem de "carriers"), entre várias outras coisas. Programa completo de 4 a 8 de Outubro:

Dia 4
Be Jazz Café, 21h30

SCHLIPPENBACH TRIO [ALEX VON SCHLIPPENBACH, EVAN PARKER, PAUL LOVENS]

Dia 5
Cea Mata da Machada, 16h
Apresentação do projeto SONS DO ARCO RIBEIRINHO SUL
Cinema: Soundtracker (Nick Sherman, 2010)
Convento da Madre de Deus da Verderena, 21h30
(Comemorações do 26º aniversário da Junta de Freguesia do Alto do Seixalinho)
DIETER MOEBIUS
KWJAZ

Dia 6
Teatro Municipal do Barreiro, 21h30
Cinema: Unien Savonnlina (Lauri Ainala, 2010)
BILL ORCUTT

Dia 7
Galeria Municipal de Arte do Barreiro, 21h30
SEI MIGUEL UNIT CORE, com NORBERTO LOBO
PART WILD HORSES MANE ON BOTH SIDES

Dia 8
Galeria Municipal de Arte do Barreiro, 10h/15h30
Workshop: Escuta Criativa
Pavilhão do GD "Os Ferroviários", 21h30
ONEIDA
DAMO SUZUKI'S NETWORK, com SUNFLARE
STEPHEN O'MALLEY
TROPA MACACA
EITR


Mas há mais. Chega entretanto a confirmação de que os Pink Mountaintops do Stephen McBean vão estar por cá, no Porto e em Lisboa. Será nos dias 11 e 12 de Novembro, respetivamente. Não se conhece ainda o local do concerto no Porto, sendo que em Lisboa será na ZDB.

E em Coimbra também há novidades: dia 8 de Outubro, a RUC, por ocasião da apresentação da grelha de inverno, traz ao Museu Nacional de Machado de Castro a a Eleanor Friedberger (Fiery Furnaces) e o inglês Euros Childs (Gorky’s Zygotic Mynci). É só gente boa.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Mixtape da casa #13



Contribuições:

Neu! - Crazy (Alemanha, 1986)
The 13th Floor Elevators - You're Gonna Miss Me (EUA, 1966)
Black Lips - Bone Marrow (EUA, 2011)
Sonny and the Sunsets - Acres of Lust (EUA, 2011)
Dr. Dog - Heart it Races (EUA, 2008 / versão de Architecture in Helsinki)
The Ruby Suns - Cranberry (Nova Zelândia, 2010)
Omar Souleyman - Leh Jani (Síria, ?)
Tiyiselani Vomaseve - Papa Vatauya (África do Sul, 2009)
Batida - Alegria (Angola/Portugal, 2009)
Meno Pecha - Nha Bilida D'Odju (Cabo Verde, 2009)
Ferro Gaita - Beijo Bafatada (Cabo Verde, 2001)
Kaiti Brothers - Ndungata (Quénia, ?)
Rigo Star - My Love (Congo-Kinshasa, ?)
Miriam Makeba - Pata Pata (África do Sul, 1957/67)
Serge Gainsbourg - Comme un Boomerang (França, ?)
Fred Buscaglione - Guarda Che Luna (Itália, ?)



Disponível para descarga aqui.

domingo, 11 de setembro de 2011

Todos

A ideia é, só por si, desafiante. A orquestra Todos, um coletivo de músicos excelentes, de diferentes origens, ilustra na perfeição o espírito de diversidade e harmonia do Festival Todos, que está a acontecer no bairro da Mouraria. A primeira apresentação é hoje, às 21h, no Largo do Intendente.

"L'orchestra di Piazza Vittorio", um sonho lisboeta:
A Orquestra TODOS

Mario Tronco, o director desta orquestra e Pino Pecorelli vice-director, estão prontos para realizar uma nova experiência, onde possam encontrar novos sons, outras culturas, novos músicos que vivam em Lisboa. Uma nova orquestra está a nascer a partir dos sons que a cultura portuguesa acolhe e contém na riqueza de relações que sempre desenvolveu com territórios próximos e também os mais longínquos do mundo: o norte, o centro e o sul de Portugal, Cabo Verde, Índia, Brasil, Moçambique, Angola, etc.

A história da Orchestra di Piazza Vittorio começa no bairro Esquilino, em Roma. Um bairro que gira à volta de uma praça colorida no coração romano: a Praça Vittorio. Este lugar de passagem e de convivência de muitas culturas e raças, inspirou Mario Tronco a criar este projecto musical.
Muitos músicos de origens, com experiências e tocando instrumentos todos eles muito diferentes, juntam-se para formar uma orquestra com um som único. Reinventam a música do mundo, com uma energia nova que impressiona o público em cada concerto.
Esta experiência multicultural, musical visitou Lisboa e depois do concerto no Festival TODOS, Caminhada de Culturas*, em Setembro de 2009 no Largo do Intendente, junto ao Martim Moniz, nasceu uma nova ideia, um novo projecto musical a partir de Lisboa: a Orquestra TODOS.

O projecto TODOS, Caminhada de Culturas, é o motor e o contexto para fazer aparecer e crescer esta orquestra com a presença de Mario Tronco e alguns dos seus colaboradores em Lisboa em residências artísticas faseadas no tempo.

A primeira apresentação pública deste novo projecto, acontecerá no dia 11 de Setembro no Largo do Intendente durante 3ª edição do TODOS 2011.

A Orquestra TODOS é apoiada pela Fundação Calouste Gulbenkian e GLEM/ Câmara Municipal de Lisboa.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

A Asa Branca que migrou do Nordeste brasileiro para a Turquia

Já estamos habituados a ouvir versões de êxitos clássicos da pop e do garage rock dos anos 60 -- essencialmente os americanos e ingleses, mais difundidos por todo o mundo -- em várias outras línguas diferentes das originais. Em Espanha, França, Alemanha, Itália, Brasil e até em países asiáticos ou africanos, as barreiras da língua, por um lado, e a importância que as bandas de hoteis, bares e casinos, onde os ocidentais se juntavam, por outro, e até mesmo contigências de ordem política, que impediam as rádios nacionais de passar música estrangeira, fizeram florescer bandas cujo reportório era, na maior parte das vezes, constituído por versões daquels temas anglo-saxónicos. Mas esta história que aqui trago é um pouco mais caricata.

Enquanto ouvia pela primeira vez o recém-editado "Turkish Freakout 2", mais uma compilação ótima de psicadelia turca dos anos 70 (talvez um pouco aquém do primeiro volume, mas, lá está, esta ainda é a primeira audição), surge, já perto do final um tema que às primeiras notas remeteu logo para um velho clássico do choro brasileiro dos anos 40, "Asa Branca", criado por Luis Gonzaga e Humberto Teixeira e interpretado por tanta gente boa: Caetano, Elis, Bethânia, Gilberto Gil, Tom Zé, Hermeto Pascoal e Raul Seixas, entre muitos outros. Até o David Byrne a canta numa versão excelente em companhia dos Forró in the Dark. Oiçam aqui o Luís Gonzaga:



E agora, no leitor da Amazon, oiçam a versão turca, de uns tais de Sirin, com o título "Sevgili Golgem" (as liners notes dizem que se traduz para "sombra negra", enquanto o turco que vive dentro da máquina de tradução do google fala em, erm..., "querido a minha sombra é vividamente")

Como é que a Asa Branca -- que é uma ave migratória, por sinal -- chega à Turquia, nos anos 70? A versão do Raul Seixas é cantada em inglês. Até podia ser, mas continuava a não deixar de ser estranho. Uma pesquisa adicional na internet, contudo, permite descobrir aquela que aparenta ser a explicação mais verosímil: o inenarrável Demis Roussos também tem uma versão. E da Grécia à Turquia sempre foi um pulo, nem que fosse só para andar à pancada. É cantada em inglês (talvez haja versão em grego), chama-se "White Wings" e está aqui, para escuta, mas cuidado com os vossos ouvidos. Mas... continuam duas coisas por explicar. Primeiro, como é que a canção voou do Brasil para a Grécia, apesar de tudo uma viagem mais aceitável do que o voo direto Brasil-Turquia; e, segundo, como é que a versão turca tem arranjos muito mais próximos da versão original do que piroseira orquestrada da escala feita na Grécia?

Neste sábado, há festa de anos...

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Mercedes Peón de volta

O Crónicas da Terra está sempre atento aos cartazes dos festivais de músicas do mundo que vão tendo lugar um pouco por todo este país (ainda) e a última boa notícia é que a galega Mercedes Peón, que ainda há mês e meio passou pelo FMM Sines, para um concerto de arrepiar, vai cá voltar no dia 8 de Outubro, desta vez para uma atuação no Festival de Expressões Ibéricas de Alcochete, aqui mesmo ao lado de Lisboa. Diz o Luís Rei que o espetáculo será o mesmo, ou seja, com Peón a apresentar-se a solo com o seu último disco, "SOS". Mais informações sobre o festival no Crónicas da Terra.

A melhor mixtape do verão (*)

Os Mondo Boys, aquela boa gente do blogue Aquarium Drunkard, lançaram no mês passado mais uma mixtape inspirada para ouvir até cansar, o que só deve acontecer lá pela 817ª audição, a partir de um modelo de previsão com metodologia Box-Jenkins.

Ah, está disponível aqui.

(*) É do verão se pertencerem àquele grupo de pessoas, que nunca consegui entender, que acha que a música tem estações, cores, cheiros, etc.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

MPAGDP 225: Tucanas


Tucanas - "Abaguinha" from MPAGDP on Vimeo.

Akron/Family e Oneida por cá. Sim, leram bem, vamos ter Akron/Family e Oneida.

Primeiro, há mais uma data ZDB a acrescentar à última lista de concertos e esta é daquelas a que temos mesmo de ir. TODOS. Os Akron/Family regressam a Lisboa no dia 20 de Novembro. Os poucos que estiveram no concerto do Musicbox (concerto do ano de 2007 por aqui), bem sabem como não vão poder perder esta noite.

Mas há mais. A página dos agentes europeus dos Akron/Family, que anuncia a data, dá conta também de dois concertos dos Oneida por cá. O primeiro, no Out.Fest do Barreiro, dia 8 de Outubro. No dia seguinte, é a vez do Porto, no Passos Manuel.

Vai ser um daqueles Outonos.

domingo, 4 de setembro de 2011

Mixtape da casa #12

Contribuições:

The Witch - Introduction (Zâmbia, 1973)
Captain Beefheart - Sure 'Nuff 'n Yes I Do (EUA, 1967)
Andrew Bird vs. Konono n°1 & Sobanza Mimanisa - Ohnono/Kiwembo (EUA/Congo, 2010)
Gala Drop - Rauze (Portugal, 2010)
The Very Best & Yeasayer - Mulomo (EUA/Malawi/Suécia/França, 2010)
Tanlines - Three Trees (EUA, 2009)
Delicate Steve - Butterfly (EUA, 2011)
Aberlardo Carbono y su Conjunto - Palenque (Colômbia, ?)
Alan and Richard Bishop - Aristocrats of Impertinence (EUA, 2008)
The Fall - O.F.Y.C. Showcase (Inglaterra, 2010)
Faust - Tell The Bitch To Go Home (Alemanha, 2011)
Akron/Family - River (EUA, 2009)
Som Imaginário - Nepal (Brasil, 1970)



Também aqui.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O regresso às aulas na ZDB

Mais um ano letivo se avizinha, mais uma catrefada de concertos aparecem na agenda da ZDB (só isto já é de se ver e parece que o melhor ainda está para vir):

17 de Setembro
Old Jerusalem (PT), Alek Rein (PT)

23 de Setembro
Bridget Hayden (Inglaterra, ex-Vibracathedral Orchestra), Marisa Anderson (EUA)

29 de Setembro
Jefre Cantu-Ledesma & Paul Clipson (EUA), Manuel Carvalho (PT)

30 de Setembro
Rafael Toral Space Collective 5 (PT)

22 de Outubro
Morton Subotnick & Tony Martin (EUA)

24 de Outubro
Bonnie ‘Prince’ Billy
(Este era dos que já se sabia e é produzido pela ZDB em conjunto com o Teatro Maria Matos, onde aliás vai ter lugar o concerto.)

29 de Outubro
Bardo Pond, Marcia Bassett & Margarida Garcia (EUA/PT)

4 de Novembro
Eternal Tapestry (EUA), Pedro Gomes & Gabriel Ferrandini (PT)

23 de Novembro
John Maus (EUA), Gary War (EUA)

1 de Dezembro
Oneohtrix Point Never (EUA)

3 de Dezembro
Real Estate (EUA)

16 de Dezembro
High Places (EUA)

No terraço, e durante este mês de Setembro, continua o cinema às quartas-feiras, com um ciclo dedicado ao Japão "Japão mais fora, deixa o mundo à nora"). Vai haver quatro sessões onde surgirão nomes como Fushitsusha de Keiji Haino, Les Rallizes Desnudes, Kaoru Abe, Otomo Yoshihide, Masayuki Takayanagi ou Kazuki Tomowaka.


quarta-feira, 31 de agosto de 2011

As crianças têm que gostar do Major Tom. Este, pelo menos.

Um ilustrador canadiano, Andrew Kolb, pegou na letra do "Space Oddity", a canção que David Bowie lançou em 1969, e transformou-a num livro para crianças. Ainda não há versão física da obra, mas a mesma pode ser descarregada gratuitamente aqui. Vá, toca a levar o portátil quando forem deitar as vossas crianças. (Obrigado pela dica, Laura!)



(Bonito, bonito, seria se o Kolb se lembrasse de pegar na versão da história do Major Tom do "Ashes to Ashes"... aquela em que o Bowie canta "We know Major Tom's a junkie / Strung out in heaven's high / Hitting an all-time low...)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Oito

E pronto. Passaram oito anos desde que este fundo amarelo com algumas letras e imagens por cima apareceu. Com um percurso a diferentes velocidades (a atual fase é, franca e lamentavelmente, de pouco tempo para maior animação do espaço), com maior ou menor predisposição ou disponibilidade para diferentes tipos de artigos, cá se foi aguentando. Ide aparecendo, que as portas vão continuar abertas. Eu juro.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Bera como ele

O senhor Tom Waits prometeu para hoje notícias frescas. E elas apareceram aqui. No próximo mês de Outubro, a dia 23, o senhor Tom Waits vai ter álbum novo nas lojas, com "Bad as Me" como título. Reparem que há sete anos que não havia álbum novo de originais do senhor Tom Waits. Posta de parte a miscelânea tripla "Orphans: Brawlers, Bawlers & Bastards", já esperávamos por álbum novo desde "Real Gone", de 2004. É ocasião para celebrar, como o senhor Tom Waits aqui o faz (...ou não o faz):



Será desta que iremos ter oportunidade de ver o senhor Tom Waits ao vivo por perto?

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Segurança à frente de um palco?

No início do mês passado, uma intervenção de última hora na na estrutura do palco principal do Alive, obrigou ao cancelamento e ao atraso de alguns dos espetáculos dessa noite de 8 de Julho. Segundo as reportagens de então, terá havido alguma contestação do público, mas nunca saberemos se a opção então tomada pela Everything is New não terá, afinal, evitado uma tragédia como as que se verificaram muito recentemente em outros dois festivais:

Há menos de uma semana, no dia 14, rajadas de vento a mais de 100 km/h fizeram cair o palco num festival de country realizado na cidade norte-americana de Indianápolis. Morreram cinco pessoas e mais de 40 ficaram feridas (vídeo amador).

Nesta quinta-feira, no famoso Pukkelpop, no norte da Bélgica, foram dois os palcos a caírem, na sequência da forte tempestade que se abateu sobre a zona. As últimas informações dão conta de três mortos e 40 feridos, 11 dos quais em estado grave (ver/ouvir notícia TSF).

Certamente que houve, em ambos os casos mais recentes, circunstâncias climatéricas que não existiram naquele dia do Alive e que são, diria um leigo em metereologia, raras em Portugal. Mas até que ponto são as estruturas dos grandes palcos ao ar livre realmente seguras e até que ponto estarão os organizadores, experientes ou não, dispostos a fazer o que lhes compete fazer, como aparentemente terá a Everything is New feito no Alive? Aquela velha história do palco dos Young Gods em Vilar de Mouros, já lá vão uns 15 anos, ter "andado" alguns metros para trás, é mito festivaleiro?

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Todos a Coura. Os que possam.

E lá começa hoje o único mega-festival português de rock, tout court, ainda organizado e programado por pessoas que não só gostam de música como sabem receber outras que, impressionantemente, também gostam, num espaço natural que causa inveja a todos que procuram fazer algo de semelhante por cá ou até mesmo por essa Europa fora. A programação deste ano é particularmente feliz, talvez mesmo uma das melhores da história do evento que já vai na 19ª edição (!). Para as duas ou três pessoas que ainda não sabem, temos, entre outras coisas, e já hoje, o cada vez mais popular Omar Souleyman, os Crystal Castles e os Wild Beasts (é todo um dia para os hipsters indies se babarem). Amanhã, há passadeira vermelha para os regressados Pulp. E há também Blonde Redhead! Sexta, há Deerhunter e Battles, numa noite encerrada pelos..., erm, Kings of Convenience. Sábado, o último dia, conta com os Mogwai, que irão apresentar em palco o recente (e excelente) "Hardcore Will Never Die, but You Will", e os Death from Above 1979. E ao longo destes dias, há ainda todos os outros palcos e o habitual "Jazz na Relva". Todas as informações em www.paredesdecoura.com.
Não há como não ser invejoso em relação a quem vai a Coura.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Nem os discos escapam à fúria londrina

Esta madrugada, pelas quatro da manhã, um armazém de discos em Londres foi destruído integralmente pelas chamas, em mais um episódio dos motins que tem assolado várias áreas da cidade. O edifício pertencia à Sony e albergava todo o catálogo da PIAS UK, a maior distribuidora do Reino Unido e representante de perto de 150 editoras independentes de todo o mundo. No meio do fogo, terão ficado destruídos discos do Beggars Group (4AD, Matador Records, Rough Trade Records e XL Recordings), da Domino, da Wall of Sound, da Warp, da Big Brother (o selo dos Oasis), entre muitas outras. Não há vítimas a registar.

Como irá isto afetar a distribuição de discos pelas ilhas britânicas e pela Europa em geral (e até a própria edição) é algo que ainda não é conhecido.

Notícia na pitchfork
Primeiro comunicado da PIAS

sábado, 6 de agosto de 2011

E neste domingo, quase passa despercebido, mas há...

GROUP BOMBINO!! Ou Bombino apenas, desde que o projeto foi editado pela Cumbancha. É no Jardim das Oliveiras do CCB, no programa habitual de verão "CCB fora de si", pelas 18h. A entrada é livre, claro.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Ben Chasny, Will Oldham, Max Richter, A Hawk and a Hacksaw, Murcof e outros no Maria Matos

O Maria Matos, em Lisboa, já conta há algum tempo com a (boa) programação do Pedro Santos (FLUR). Para este regresso às aulas que se avizinha e até ao fim do ano, há sete nomes que merecem uma espreitadela:

10 de Setembro: Six Organs of Admittance
30 de Setembro: Joana Sá "Through This Looking Glass"
24 de Outubro: Bonnie 'Prince' Billy
2 de Novembro: André Gonçalves "Displaced acts of (non)related causality #1"
5 de Novembro: Max Richter
6 de Dezembro: A Hawk and a Hacksaw
21 de Dezembro: Murcof & AntiVJ

Os bilhetes custam 12 euros, com desconto de 50% para os sub-30 e idosos. Entre 1 e 15 de Setembro, há hipótese ainda de adquirir uma assinatura para vários espetáculos, com descontos cumulativos. Mais informação em www.teatromariamatos.pt.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Err... errata (e mais algumas coisas)

Não fosse a Laura ter dado por isso no post mais abaixo e teria deixado passar um crime de lesa-consciência ao não ter incluído o trio de vocalistas da Iacútia Ayarkhaan na lista dos concertos preferidos da edição 2011 do FMM. Aqui vai uma tentativa de correção:

1. CONGOTRONICS vs. ROCKERS (Congo-Kinshasa/Ocidente)
2. MÁRIO LÚCIO (Cabo Verde)
3. MERCEDES PEÓN (Galiza)
4. VISHWA MOHAN BHATT & THE DIVANA ENSEMBLE "DESERT SLIDE" (Índia)
5. LE TRIO JOUBRAN (Palestina)

6. AYARKHAAN (Iacútia)



Já se sabia que o espetáculo das Ayarkhaan não iria deixar ninguém indiferente. As técnicas de canto usadas, em aliança com o estranho efeito que retiram do khomus, um berimbau de boca típico daquelas paragens orientais, penetram fundo nos sentidos que usamos durante um concerto. A perícia com que o grupo da veterana Albina Degtyareva o faz, expressa ora nos guinchos e relinchares que julgávamos estarem no campo das impossibilidades da voz humana, ora nos jogos rítmicos guturais feitos no berimbau, fazem elevar a consideração por este trio.

7. BERROGÜETTO (Galiza)
8. SECRET CHIEFS 3 (EUA)
9. ANTÓNIO ZAMBUJO (Portugal)
10. DE TANGOS Y JALEOS (Espanha)



Assim, sim. Outros motivos de interesse no festival, além do Ebo Taylor que saiu da lista com a publicação desta errata? Aqui vão algumas pontas soltas:

Mamer (China) - Pensávamos nós que íamos apanhar com o Mamer da balada folk e levámos com o grupo de Mamer do rock industrial.
Cheikh Lô (Senegal) - O grupo de Lô é bom, a sua voz ainda lá está, mas há ali qualquer coisa que deixou de funcionar e não é apenas por cortarem o som dos instrumentos do líder.
Manou Gallo & Women Band - A ex-Zap Mama toca que se farta e, com os anos de estrada que traz, sabe fazer bem a festa. E trouxe uma guitarrista linda!
Mama Rosin (Suíça) - São aborrecidos em disco, mas ao vivo fazem a p*** da festa.
Blitz the Ambassador (Gana/EUA) - Têm o espectáculo feito à americana, com muita coreografria, muita pompa. É bom para animar multidões. Estiveram perfeitos nas referências musicais, quando introduziam frases bem conhecidas de todos pelo meio das canções.
Shunsuke Kimura x Etsuro Ono (Japão) - Exímios na intepretação do shamisen, o instrumento de corda que traziam para dar a conhecer a Sines.
Graveola e o Lixo Polifônico (Brasil) - Os mineiros deram-se muito bem com o palco da praia, fazendo lembrar as melhores bandas de rock brasileiras, muito ecléticas, com muitos instrumentos e com vozes bem colocadas, especialmente nos coros. Há que conhecer mais do Graveola.
Nomfusi & The Lucky Charms (África do Sul) - Nomfusi, 20 anos, é herdeira, como ela própria diz, de Miriam Makeba e de Tina Turner, em partes quase iguais. É pequenina, mas enche o palco como poucos.
Sly & Robbie - Já foi o seu tempo. Arrastaram-se nos standards do reggae e tiveram uma das prestações mais aborrecidas do castelo.

A esquecer: Luísa Maita, Marchand vs. Burger, Dissidenten (não chegaram a ser azeiteiros, como receava, mas estiveram muito ferrugentos, muito aborrecidos), Aziz Sahmaoui & University of Gnawa (a maior seca deste festival - ainda por cima, tiveram direito ao fogo de artifício).

terça-feira, 2 de agosto de 2011

FMM Sinergia 2011

Prestes que está a terminar a ressaca de Sines e com o distanciamento adequado para recordar e resumir para palavras esta magnífica semana e meia de concertos e de férias com os amigos, eis um apanhado rápido dos meus momentos prediletos do FMM 2011:

1. CONGOTRONICS vs. ROCKERS (Congo-Kinshasa/Ocidente)



Se o "vs." que aparece tanto no título deste espetáculo como no do disco que lhe deu origem aponta para uma batalha entre forças aparentemente opostas, podemos começar por dizer que no disco, saíram vencedores os rockers ocidentais. Podem vir dizer que fizeram batota, porque pegaram no trabalho já feito pelos congoleses e adaptaram-no às suas intenções, aos seus pontos de vista. Mas é um grande disco. Continuando a olhar para o "vs.", os vencedores no palco já são claramente os congoleses. Juana Molina e os Deerhoof, principalmente a sua vocalista Satomi Matsuzaki, não se dão mal, ainda que na maior parte das vezes tenham os seus instrumentos com o som enfiado para baixo do tapete sónico construído pelas likembes eletrificadas (aquela espécie de pianos de mão ligados à distorção) e pela percussão dos africanos.
Todas estes considerandos sobre os vencedores da batalha interessam apenas para explicar uma diferença grande que opõe disco a espetáculo. Há outra ainda: no disco, são muitos mais os artistas envolvidos, principalmente entre os ocidentais. No palco, ainda que ali estejam 19 músicos (o 20º encontra-se hospitalizado), o som acaba por ser mais homogéneo, mais coerente, em duas horas de dança obrigatória. Fez recordar, em grande medida, o concerto dos Konono nº 1 no Jardim Botânico de Lisboa, mais até do que outro que há mais tempo deram junto à praia de Sines, também no FMM, ou, ainda no festival, aqueloutro dos seus atuais parceiros de estrada, os Kasaï All Stars. Intenso, esgotante. Talvez o melhor concerto que alguma vez o FMM acolheu.
Soube-se, em Sines, que anda a ser gravado um DVD com material resultante destes espetáculos. Vicent Kenis, o ex-Honeymoon Killers que descobriu para a Crammed e para o mundo estes músicos das ruas de Kinshassa e que com eles tem subido ao palco nesta espécie de união entre mundos diferentes, tão cara a um sítio como o Castelo de Sines, onde viveu Vasco da Gama, planeia ainda entrar com esta formação do espetáculo em estúdio, e daí produzir novo disco, mas talvez não venha a haver agenda para tal.

2. MÁRIO LÚCIO (Cabo Verde)



É engraçado saber -- foi o próprio que o disse -- que Mário Lúcio, na véspera do concerto, vestiu a pele de ministro da cultura de Cabo Verde, para discutir o "Estado da Nação" no parlamento do seu país. Um dia, o estado da sua nação. No outro, o mundo todo (mais palavras saídas da sua boca) que se aglomerava em Sines a dançar à sua música. Tivemos em palco alguém que sabe muito bem o que faz. São muitos anos de estrada, de como saber encher um palco, de como saber pôr um público em delírio. E o que temos ali não é apenas o que se pode ouvir nos discos. Há um artista e um grupo que o acompanha que se transformam, que vão além de Cabo Verde, que celebram a África sub-sariana em todo o seu esplendor. A ele ficam-lhe bem estas palavras, ditas perto do final: "Sines devia mudar de nome, para... Sinergia."
Devia ter sido o Mário Lúcio a festejar o fim dos concertos no castelo com o tradicional fogo-de-artifício.

3. MERCEDES PEÓN (Galiza)



Mercedes é a mulher mais musical, mais bonita, mais corajosa, mais desconcertante, mais arrepiante e mais comovente que pisou o palco do castelo nos últimos anos. Arrepia-nos a pele dos braços quando leva a sua voz para planos a que não estamos habituados, mareja-nos os olhos quando fala como fala das tradições em que pega para "desarranxar" ou da política que abraça com coragem. Foi a única artista a solo nesta edição do FMM, mas é de uma dimensão mais do que suficiente para encher todo o palco.

4. VISHWA MOHAN BHATT & THE DIVANA ENSEMBLE "DESERT SLIDE" (Índia)



Qualquer que seja a origem, qualquer que seja o credo, qualquer que seja a raça, há todo um mundo unido pela música das sete notas... Disse-o, mais ou menos assim, o mestre Vishwa Mohan Bhatt algures a meio da interpretação irrepreensível da sua slide guitar modificada com cordas simpáticas, ao jeito de instrumentos indianos como a sitar. Como se não bastasse o virtuosismo do mestre, o grupo de músicos ciganos do Rajastão que o acompanhava deu mais uma lição sobre a diáspora da música, de como o canto do flamenco não é assim tão diferente destes antigos músicos dos rajás. Até uma espécie de prima das castanholas mediterrânicas estava lá para ajudar à festa. Fica para a memória de momentos singulares deste festival -- eu estou quase a chamar-lhe-ia epifanias -- aquele em que o mestre fazia ditados rítmicos cada vez mais rápidos para os seus companheiros de palco...

5. LE TRIO JOUBRAN (Palestina)



Como dizia antes do festival, ouvir um alaúde bem tocado já é inebriante. Ora, torna-se difícil dizer o que é ouvir três tipos a fazerem-no ao mesmo tempo e, ainda por cima, a manterem diálogos vertiginosos e frequentemente improvisados, talvez possíveis apenas a quem cresceu junto, como estes irmãos Joubran.

6. BERROGÜETTO (Galiza)



Festival de world music sem um grupo da Galiza não é um festival de world music. Ainda que este FMM não seja, e ainda bem, o típico festival de world music. Os Berrogüetto são, ainda hoje, e com as mudanças de formação ocorridas, uma das propostas mais interessantes. Conservadores em disco e em palco, é certo, mas com todos os ingredientes habituais que tornam a música tradicional da Galiza tão apaixonante.

7. SECRET CHIEFS 3 (EUA)



Quem pensar que Trey Spruance é um monstro intratável, bem pode tirar daí a ideia. Nos bastidores, abundava não só em simpatia e humildade, como em curiosidade pelo que havia sido estas 13 edições de festival. Sentiu-se até "estúpido" por tocar a seguir ao Trio Joubran, como se pode ouvir no vídeo, na "flash interview" dada ao Mário Dias. Em formato de quinteto, surpreendeu muita gente que não esperava a música pesada dos SC3 no festival. E poderia ter sido um espetáculo ainda melhor, não fosse o longo tempo que perdia entre cada tema, a afinar a guitarra, por exemplo, e que fazia arrefecer o público, já por si apanhado nas noites frias do primeiro fim de semana do FMM.

8. ANTÓNIO ZAMBUJO (Portugal)



Na abertura do festival, não se podia exigir mais. De repente, havia um sorriso estampado na cara de todos. E o António Zambujo é o culpado. Ali temos, sem tiques de copista e sem que aqui se leia uma colagem-excessiva-de-que-os-artistas-portugueses-nunca-gostam, o nosso Chico Buarque, título pronto a ser degladiado com o também legítimo proprietário do título, ainda que menos versátil que o Zambujo, JP Simões.

9. DE TANGOS Y JALEOS (Espanha)



Quando El Peregrino, o senhor que aparentava 70 ou mais anos de idade, se levantava para dançar, o público explodia de alegria.

10. EBO TAYLOR & AFROBEAT ACADEMY (Gana)



Por pouca paciência que haja já para tanto afrobeat, o estilo funciona quase sempre bem no palco do castelo. E com Ebo Taylor, um dos nomes grandes do highlife ganês, a festa foi enorme, a dança foi irresistível do princípio ao fim.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Dos palcos para o gabinete

Mais um músico, neste caso uma música, que se torna ministra de cultura do governo do seu país: Susana Baca foi indigitada na passada quinta-feira pelo novo presidente da república do Peru, Ollanta Humala.

domingo, 24 de julho de 2011

Ok

Podem fechar o FMM (*). Melhor concerto de sempre: Congotronics vs Rockers.

(*) Ei, é a brincar. Longa vida a noites como esta.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 1

1. CONGOTRONICS VS. ROCKERS (Congo-Kinshasa/EUA/Argentina/Suécia)
Castelo de Sines
Sábado, 23 de Julho, 00h45



Falemos então de laboratórios, uma das essências fundamentais que todos os anos esperamos do FMM. Sob a égide da Crammed, a editora belga que desde os anos 80 tem vindo a firmar com força o seu lugar no mercado das músicas do mundo, sem nunca deixar fechar-se na autarcia que outras editoras ou agentes deram ao termo, reuniram-se músicos do Congo dos Kasaï Allstars e dos Konono nº1, projetos ligados à "revolução" congotrónica, nome derivado dos títulos das compilações que os trouxeram para a ribalta do mundo ocidental, com outros da música popular independente dos EUA e de outros países (Deerhoof, Animal Collective, Micachu, Oneida e tantos outros). O resultado desta experiência laboratorial concretizou-se na compilação "Tradi-Mods vs Rockers: Alternative Takes On Congotronics" que a Crammed lançou no ano passado. Do disco ao concerto, foi um passo. Para os palcos, juntaram-se 10 músicos das bandas congolesas, com dez outros das restantes, a saber: os quatro Deerhoof, Juana Molina, elementos dos Skeleton, dos Wildbirds & Peacedrums e ainda Vincent Kenis, o produtor da série "Congotronics". A digressão do espetáculo parece estar a correr muito bem, a avaliar pelo que se vai vendo no blogue que a acompanha. É impossível perder isto.

(ADENDA: Por lapso e por distração -- ou por parvoíce -- desta lista dos 13 concertos aguardados com maior ansiedade ficou de fora o projeto Desert Slide, que reúne Vishwa Mohan Bhatt, mais um intérprete de sitar adaptada ao slide, com os Divana Ensemble, um grupo de ciganos descendentes dos músicos que antigamente tocavam para os rajás. Duas Índias em diálogo, na quinta-feira, 28 de Julho, às 23h15, no castelo.)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 2

2. SECRET CHIEFS 3 (EUA)
Castelo de Sines
Sexta-feira, 22 de Julho, 00h45



A banda que o ex-Mr. Bungle Trey Spruance formou nos meados dos anos 90 não é uma banda. São sete. Ou mais, sabe-se lá. Entre a confusão que é a discografia dos Secret Chiefs 3 podemos encontrar diferentes formações e incursões instrumentais por diferentes géneros. Lá, encontramos músicas da Índia, do Médio Oriente, o metal, a electrónica, o surf, a música para cinema, referências a Philip K. Dick ou a John Carpenter, numa espécie de viagem do Corto Maltese embarcado num navio fantasma que queremos ver de perto, para citar de uma assentada duas das imagens tão bem conseguidas pela malta da comunicação do FMM na apresentação do grupo no programa do festival. Nem quem os viu nas anteriores passagens por Portugal, saberá ao que vai se os voltar a ver agora. Mas a expectativa, essa, é imensa. Na ZDB, no mês passado, apresentaram-se como um trio. A Sines trazem mais dois elementos (Trey Spruance: saz, guitarra; Timb Harris: violino, guitarra, trompete; Adam Stacey: teclados; April Centrone: bateria; Toby Driver: bateria).
(Os Secret Chiefs 3 passam também pelo Milhões de Festa, em Barcelos, no dia seguinte.)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 3

3. DISSIDENTEN (Alemanha/Marrocos)
Castelo de Sines
Sexta-feira, 29 de Julho, 00h45



Os Dissidenten foram um dos primeiros grupos do mundo ocidental a cruzarem a fronteira cultural e a promover a fusão com músicas provenientes de outras paragens. Primeiro foi a Índia, no "Germanistan", álbum de 1982. Depois foi o Norte de África, mais concretamente Marrocos, com o histórico "Sahara Elektrik", de 1984. Dos anos 80 para cá, o percurso tem sido irregular, com algumas passagens muito duvidosas pela música de dança e alguns clichés azeiteiros do rock de fusão que eles próprios ajudaram a estabelecer. Mas esta é uma oportunidade que não se deve de perder para ver aqueles a quem a Rolling Stone um dia chamou "padrinhos do World Beat".
(História curiosa: um dos fundadores e principal mentor do projeto, Uve Müllrich, vive no Sul de Portugal, como tanto alemão hippy que se preze. Um dia, na tasca, reconheceu a música que vinha do televisor, que na altura passava uma telenovela. Era o "Fata Morgana", o maior êxito da carreira dos Dissidenten, na voz de... Roberto Leal, que alegadamente nunca os contactou para fazer a versão que todos os portugueses infelizmente conhecem...)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

A frase

Não fui, nem percebo porque se vai, mas ainda não vi um amigo a não se queixar do festival de rock do passado fim-de-semana. Em todo o caso, há que ler de todas as maneiras possíveis o significado de uma frase que se arrisca a ficar histórica nos anais da festivália nacional:

"Festival de verão sem pó, é comida sem sal, para mim. Isso não vai mudar." (O organizador do festival)

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 4

4. LE TRIO JOUBRAN (Palestina)
Castelo de Sines
Sexta-feira, 22 de Julho, 21h45



É uma daquelas verdades que só quem nunca experimentou é que desconhece: um bom intérprete de alaúde é, muitas das vezes, mais forte que um psicotrópico. Lembram-se do Rabih Abou-Khalil, no castelo, em 2006? Agora imaginem não um, mas três virtuosos do instrumento árabe... Vai haver OD no castelo, certamente. E os responsáveis serão estes três irmãos, Samir, Wissam e Adnan Joubran (acompanhados ainda por um percussionista), que tocam bem que se fartam e que tratam a sincronia com a maior das familiaridades.
(O trio participa também no Festim, tendo passado ontem por Albergaria-a-Velha e tocando ainda hoje no Cine-Teatro de Estarreja.)

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Logo há...

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 5

5. SLY & ROBBIE feat. JUNIOR REID (Jamaica)
Castelo de Sines
Sábado, 30 de Julho, 00h45 (encerramento do FMM no castelo)



Quem esteve no castelo de Sines na noite de 28 de Julho de 2001 lembra-se bem do encerramento. Lowell "Sly" Dunbar e Robert Shakespeare, então como secção rítmica dos míticos Black Uhuru, protagonizaram um dos melhores concertos destas 12 edições de festival. Passaram 10 anos e à dupla voltam a ser concedidas as honras do fogo de artifício, agora na companhia de Junior Reid, um dos vocalistas da história dos Black Uhuru, nos anos 80.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 6

6. ADUF (Portugal)
Castelo de Sines
Domingo, 24 de Julho, 18h45



Sempre senti um enorme respeito pelo Zé Salgueiro, enquanto percussionista, enquanto motivador de causas (leia-se projetos) pela música tradicional portuguesa, enquanto "reformista" dos instrumentos de percussão que estão na base dessa mesma música. E recordo com saudade os projetos "especiais" que ele criou ou ajudou a criar ao longo dos anos 90, como o Tim Tim por Tim Tum ou o Adufe. Passaram os anos e o Adufe, que chegou a ir ao FMM de 2000, perdeu o E final, mas a ideia com que o coletivo se apresenta não deve ser muito diferente da anterior. Vai ser impossível não reparar na versão especial do instrumento de percussão da Beira Baixa, uma versão gigantesca, com um som apropriado ao seu tamanho. Além do Zé Salgueiro, estarão em palco mais oito músicos, com destaque para o guitarrista enorme José Peixoto e a basca Maria Berasarte na voz.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 7

7. CHEIKH LÔ (Senegal)
Castelo de Sines
Sexta-feira, 22 de Julho, 23h15



Se não contarmos com os eternos Baaba Maal, Youssou N'Dour e ainda a Orchestra Baobab, Lô é provavelmente o músico mais importante da atual cena senegalesa. Já tem mais8 de vinte anos de carreira, teve o álbum de estreia (1995) produzido por N'Dour, mas só na última década é que o mundo para além de África e França (onde residiu nos anos 80 e trabalhou como músico de sessão) o começou a conhecer verdadeiramente. Por aqui encontramos o mbalax senegalês, mas também as habituais rumbas que aquela região africana tomou como suas.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 8

8. MERCEDES PEÓN (Galiza)
Castelo de Sines
Quarta-feira, 27 de Julho, 18h45



Mercedes Peón lembra, à primeira vista, Meira Asher. A culpa é, eu sei, da cabeça rapada, porque Mercedes não vai aos extremos da israelita na experimentação musical, mas talvez não lhe fique muito distante. A música de Mercedes é como um gigantesco caldo de culturas. Não deixa de ali haver ingredientes galegos, é certo, mas a fusão com muitos outros sabores, a eletrónica e os métodos pouco habituais para os nossos irmãos lá do Norte com que tudo isto é confecionado faz da música de Mercedes um caso de audacidade que merece ser ouvido e visto em palco, mesmo que seja ao fim da tarde, mesmo que esteja apenas ela em palco.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

O velho jornalismo de sempre? Não.

A cobertura mediática dos festivais de Verão tem vindo a crescer. É natural. Há cada vez mais festivais, há cada vez mais público (bilhetes e passes esgotam cada vez com maior frequência, mesmo em tempo de crise), parece haver cada vez mais investimento das marcas, etc. A exposição mediática é tal que, hoje em dia, e nas faixas etárias mais jovens, deverá ser motivo para alguma ostracização social não ir aos festivais mais badalados.

Na generalidade dos casos, essa tal cobertura mediática continua a restringir-se a dois ou três tipos de formatos. Primeiro, a tradicional cobertura em modo de crítica aos eventos, com reportagens aos concertos escritas ou relatadas por especialistas, por vezes muito boas, por vezes muito fracas, muito convencionais, muito conservadoras. Segundo, nas televisões e em publicações menos sérias, a cobertura de aspetos mais sociais do evento, ignorando ou deturpando até o que se passa em palco e sempre no mesmo tom, sempre com a mesma fórmula. Há ainda um terceiro formato, cada vez mais em voga, que é aquele que decorre, por ligação direta, das agendas das marcas envolvidas nos eventos. Mas desse nem vale a pena escrever mais uma palavra que seja.

Mais do que isto, convenhamos, é coisa rara. Não há tradição de jornalismo assente num pouco mais de investigação, de cobertura de aspetos nunca ou raramente tratados. Ainda há dias, aqui me referia ao facto de pouco se falar, por cá, do funcionamento da indústria discográfica, por exemplo.

As coisas raras merecem, por isso mesmo, serem destacadas. É o que acontece com esta peça assinada pela jornalista Nídia Faria, que hoje aparece na edição do Público:

Os jovens que arriscam entrar à borla nos festivais
Contudo, apesar da PSP no local, houve quem entrasse à borla no Alive. Paulo, Catarina e João enganaram a segurança. Têm vinte e poucos anos e acham que, em tempo de crise, é no poupar que está o ganho.

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 9

9. AYARKHAAN (Iacútia - Rússia)
Castelo de Sines
Sexta-feira, 29 de Julho, 21h45



Já lá vão quase uns 20 anos desde que, pela primeira vez, o incrível canto gutural de Sainkho Namtchylak encostou os meus ouvidos à parede. Comecei então a procurar outros exemplos do método do canto com harmónicos, ora da república de Tuva, ora da vizinha Mongólia, ora no Tibete, ora noutras paragens dispersas no globo e sem quaisquer relações aparentes entre si, como é o caso dos Inuits norte-americanos ou de alguns "joikers" da Lapónia (lembram-se do Wimme Saari no ano passado, em Sines?). São experiências auditivas já por si inclassificáveis quando as ouvimos em gravações e que arriscam, não exagero, uma certa transcendência quando as testemunhamos ao vivo.
As Ayarkhaan são três mulheres da república da Iacútia (lembram-se de quando jogavam ao Risco e atacavam Kamchaka?) que vêm munidas deste poderoso método vocal e de berimbau de boca típico da região. Pode ser um dos momentos de transcendência deste próximo FMM.

sábado, 9 de julho de 2011

Jorge Lima Barreto (1949-2011)

Jorge Lima Barreto, músico e musicólogo, morreu hoje, vítima de pneumonia. A todos os amigos e familiares, as minhas mais sentidas condolências.
(Notícia no Público.)

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Os Rainbow Arabia vêm cá!

Dia 17 (domingo), no Lounge, vamos ter por Lisboa os Rainbow Arabia! E dois dias antes passam por Guimarães, onde vão participar no festival Manta, do Centro Cultural Vila Flor.
O EP (ou, antes, mini-álbum) "Kabukimono" é um autêntico mimo. Já o mesmo não se pode dizer do álbum de estreia recentemente lançado, mas seguramente que vai ser uma bela festa.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 10

10. MÁRIO LÚCIO (Cabo Verde)
Castelo de Sines
Sábado, 30 de Julho, 21h45



Por alguma razão de ordem superior (ou da ordem da parvoíce) que agora não me recordo, não vi, na íntegra pelo menos, a atuação dos Simentera no FMM de há oito anos. Vai agora haver oportunidade para reparar, em parte, esta espécie de falta. Os Simentera ainda vão tendo umas aparições esporádicas (voltaram ao nosso país há cerca de dois anos, salvo erro), já que o seu líder, Mário Lúcio, tem estado mais ocupado com o seu projeto a solo, já com três álbuns gravados. E, desde há poucos meses, mais ocupado ainda com outros assuntos: é que no dia 30 vamos ver em palco não só o músico, o cantor, o escritor e o pintor, mas também o... atual Ministro da Cultura do seu país.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 11

11. BERROGÜETTO (Galiza)
Castelo de Sines
Sábado, 23 de Julho, 23h15



São uma das maiores e das mais celebradas instituições da canção tradicional galega. Nunca tive a oportunidade de os ver num palco, daí boa parte da expetativa com que os aguardo. Surgem agora com vocalista masculino, mas parece que a identidade do grupo não sofreu por isso abalo de maior.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 12

12. AZIZ SAHMAOUI & UNIVERSITY OF GNAWA (Marrocos/Senegal)
Castelo de Sines
Sábado, 30 de Julho, 18h45



Vivemos aqui tão perto de Marrocos e conhecemos tão pouco da música dos gnawa. Não será ainda aqui que a iremos conhecer num estado mínimo de pureza (perdoem-me o termo e, já agora, que aproveite a ocasião para lançar o convite aos amigos e não só para abalarmos em excursão, para o ano que vem, ao Festival Gnaoua, em Essaouira...).
O que propõe Aziz Sahmaoui, a antiga voz da Orchestre National de Barbès é o reencontro com pinta de moderno entre tradições gnawa de Marrocos, numa versão mais profana daquela que em tempos foi a música religiosa daquela cultura, e as músicas mais recentes do Senegal. O reencontro é simbólico, já que os gnawa, hoje fundamentais na cultura de Marrocos, tiveram origem na região subsariana, longe vão os séculos. Numa época em que o Ocidente cada vez mais olha para África, na indústria musical e não só, aparece-nos aqui uma fusão "dentro de portas" do grande continente. E estas experiências de laboratório não devem ser perdidas.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Quebra homóloga de 50% na venda de discos?

É raro vermos a nossa comunicação social atenta ao que se passa no negócio da indústria musical portuguesa. Sabemos com frequência o que se passa nos grandes (e até nos pequenos) mercados internacionais e, claro, desconfiamos que por cá o cenário não seja muito diferente do negro com que se pinta lá por fora. Vamos ouvindo os amigos que trabalham em departamentos de editoras ou que fazem do que cada vez menos vão vendendo nas lojas o seu ganha-pão e a ideia confirma-se. Mas as redações, ora na área da música, ora na área dos negócios, ora as mais generalistas, têm uma certa tendência para passar ao lado. Talvez seja algo tão insignificante que não mereça a pena ser falado. Nem para o que tem corrido mal (as vendas de discos), nem para o que tem corrido aparentemente bem (os festivais).

Mas nem sempre é assim. Hoje, por exemplo, a minha cara Ana Baptista deu conta de alguns números em artigo no Dinheiro Vivo. Para o Tozé Brito, atual presidente da SPA e antigo gestor da Universal e da BMG, o mercado discográfico nacional valia 120 milhões de euros em 2000, tendo caído para apenas cerca de 36 milhões, em 2010. Mas os dados mais atuais, aqueles que motivam a notícia, ainda são mais assustadores: Eduardo Simões, o presidente da AFP, espera uma quebra de 50% na venda de discos no segundo trimestre de 2011 face a idêntico período do ano passado. Já no primeiro trimestre, a quebra homóloga havia sido de 40%... No primeiro trimestre de 2011, faturaram-se apenas quatro milhões de euros... (Estes últimos dados referem-se exclusivamente à venda de discos em suporte físico, mas as vendas digitais, além de insignificantes neste contexto, estão também elas em quebra.)

Os 13 concertos que mais vou querer ver na 13ª edição do FMM - n.º 13

13. EBO TAYLOR & AFROBEAT ACADEMY (Gana)
Castelo de Sines
Domingo, 24 de Julho, 00h45



Devo confessar que nos últimos meses tenho voltado as costas ao afro beat, ao highlife e família. Já não posso com mais compilações de gravações recuperadas no inesgotável património da Nigéria e arredores ou com os tributos e requentamentos que por aí florescem todos os dias. Mas, em Sines, com uma qualidade de som à altura, no meio de uma multidão a dançar em peso, a coisa costuma funcionar (esqueçamos aquele espetáculo falhado do Tony Allen, há alguns anos, junto à praia). Dois dos filhos de Fela Kuti, Femi e Seun, deixaram o castelo em absoluto êxtase, por exemplo. E desta vez, há nova oportunidade para tal acontecer, com um das maiores guitarristas e compositores do highlife, do afro beat e do jazz ganeses, o sr. Ebo Taylor (antigo camarada de Kuti, a propósito). Respeito.

Sessões por essa net fora, n.º 4

One song, one take, one cab. É este o moto de um dos repositórios de sessões mais originais que podemos encontrar na web. Mete-se os artistas dentro de um táxi inglês, o taxista apresenta-os e toca a captar a sessão. O resultado pode ser visto em www.blackcabsessions.com, desde 2007. (Daqui não dá para incorporar o vimeo.)

É segunda-feira, mas há, pelo menos, dois fortes motivos para sair

A ZDB recebe os Gala Drop, que regressam de uma digressão pela Europa (no fim de semana estiveram por Porto e Braga).



No Cascais Cool Jazz Fest, a rainha da soul, solicitada por muitos para que cá voltasse depois de um concerto inesquecível no Santiago Alquimista, há uns bons anos, temos Sharon Jones com os seus Dap Kings.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Sessões por essa net fora, n.º 3

Ao terceiro número desta série, mais um exemplo português. E que exemplo este. Talvez o mais extraordinário e o mais esforçado de todos aqueles que nesta série foram ou vão ser mostrados. Chama-se "A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria" (MPAGDP) e é definido pelos seus próprios autores desta maneira:
"Canal/arquivo de vídeos para celebrar a agradável variedade da música feita em Portugal. Os vídeos são sempre filmados em espaços exteriores ou inóspitos aproveitando os sons ambientes e criando intimidade com os músicos. O microfone está sempre visível porque queremos trazer a música para a rua e vemos o mundo como um palco gigante."

O MPAGDP reúne diferentes realizadores, com Tiago Pereira, esse nosso Giacometti dos tempos modernos, à cabeça. Em pouco mais de cinco meses, o MPAGDP já reuniu mais de... três centenas de gravações e mais de 160 projetos (!), ora de grupos novos no rock, na pop, nas improvisadas, etc., ora nas expressões populares em vias de extinção e encontradas nos cantos mais recônditos deste país.
O MPAGDP está acessível via amusicaportuguesa.blogspot.com, via canal de vimeo ou via facebook.

A última gravação apresentada pelo MPAGDP apanha os You Can't Win, Charlie Brown nas Escadinhas do Duque, em Lisboa. A realização é de Márcia Sousa.

Hoy es día de Las Kellies!

De Buenos Aires para Lisboa, no Lounge, hoje:

perro rompebolas - KELLIES from Marcos Di­az Mathe on Vimeo.


(Da Fire Records, a casa atual de gente boa como os Bardo Pond, o Howe Gelb, a Josephine Foster ou os Rocket From the Tombs e, no passado, de Built to Spill, Jad Fair, Spacemen 3 ou Teenage Fanclub.)

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Ops

(Esta é para quem acompanha o tasco via agregadores:) A noite Soopa é dia 6 de Julho e não 3, como aparecia antes, por lapso.

Mike Watt e Steve McKay em noite Soopa na ZDB

Marquem aí nas agendas: no próximo dia 6 de Julho (ATUALIZAÇÃO: E NÃO 3, COMO ESTAVA ANTES, POR LAPSO), a boa gente da Soopa vai ocupar a ZDB com dois ou três espetáculos que vão valer bem a pena. No palco vão estar os United Scum Soundclash, que reúnem, entre outros, o Jonathan Saldanha da Soopa e o norte-americano Scott Nydegger - lembram-se dos Mécanosphère?), em conjunto com o Steve McKay (o saxofonista habitual de Iggy Pop, que também chegou a tocar nos Mécanosphère) e o... MIKE WATT. Sim, o Mike Watt dos Minutement e dos fIREHOSE, que agora também faz o baixo dos atuais Stooges (afinal, McKay e Watt tocam no dia seguinte com Iggy Pop, no concerto do Alive). Na primeira parte, haverá Cricket Totems, a dupla composta pelo italiano Gebbia (saxofone alto) e Marco Franco (bateria). Ainda sujeita a confirmação fica a participação de outro projeto da Soopa, os HHY & The Macumbas, com o dub infernal que tem andado por digressão pela Europa ao longo deste mês.
A ocasião servirá também para a apresentação das novas edições Soopa: o livro-filme que celebra mais de uma década de existência do coletivo portuense e dois álbuns, "Machine Gun", dos U.S.S., e "Sometimes Like This I Talk", do Steve McKay.


(United Scum Soundclash com Steve McKay)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Sessões por essa net fora, n.º 2

O número 2 desta série serve praticamente apenas para cumprir calendário, porque toda a gente saberá que quando se fala em sessões na internet, o primeiro nome que sai é o da Blogothèque ou, para sermos mais precisos, o do projeto Concerts à Emporter ("Take Away Shows", na tradução inglesa). Nas rédeas da série estão dois franceses ligados ao cinema, Chryde (o fundador do site La Blogothèque) e Vincent Moon (realizador de videoclips de gente como os R.E.M., os Arcade Fire ou o Tom Jones e do participante no documentário do ATP, entre outros projetos recentes). Em Abril de 2006, começaram a mostrar ao mundo bandas e artistas a tocarem pelas ruas de Paris, desprovidos de grandes artifícios técnicos e captados em pedaços de filmes gravados ao primeiro take. A lista de sessões foi crescendo, assim como a lista de realizadores e de músicos. O projeto ganhou asas e viajou pelo mundo, apanhando os artistas nas ruas de Nova Iorque, San Francisco, Los Angeles, Buenos Aires, Cidade do México, Montreal, Toronto, Bamako, Tóquio, Copenhaga, Varsóvia, Barcelona, entre muitas outras cidades. As sessões, que deixaram de ser numeradas, já ultrapassaram as... três centenas! A última coube aos Wavves:

Wavves | Post Acid | A Take Away Show from La Blogotheque on Vimeo.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Sessões por essa net fora, n.º1

É desde há imenso tempo um truísmo: a internet tem sido meio fértil para tudo e mais um par de botas. Para, por exemplo, meter bandas a fazerem sessões que tentam o mais possível fugir a outros terrenos de exposição mediática, como sejam os concertos ou os videoclips, numa exploração e aprimoração das velhinhas sessões de rádio que surgiram em Inglaterra por mero sortilégio administrativo -- o do sindicato dos músicos ter conseguido impôr uma quota de música tocada no estúdio, por músicos reais, por oposição aos discos gravados (para saberem mais, procurem por "needle time"). Mas voltemos às sessões que se encontram por essa net fora. Não faltam ideias interessantes e parece que todo o dia surgem novas formas de apresentar os músicos. Mas, para já, comece-se com produto nacional: a Videoteca do Bodyspace, que agora tem direito a site autónomo e tudo. A última sessão conta com os National, que foram apanhados pelos bodyspacianos em pleno soundcheck no Coliseu do Porto:



Esta é já a 32ª sessão da Videoteca desde que a série começou em Setembro de 2009. Para trás ficaram (e em netês já sabemos que o pretérito é quase sempre idêntico ao presente, pelo que continuam disponíveis): The Divine Comedy, Throes, The Unthanks, Larkin, Octa Push, Black Bombaim, Noiserv, Ariel Pink's Haunted Graffiti, Evols, Ora Cogan, Norberto Lobo, Dreams, Campfire OK, Cavalheiro, WOOM, AbztraQt Sir Q, Minta, Serafina Steer, Mighty Tiger, Scout Niblett, Long Way to Alaska, Tiny Vipers, My Brightest Diamond, peixe:avião, Youthless, Amanda Jo Williams, LittleFriend, The Super Vacations, The Weatherman, Tiago Sousa e Lulina.