quinta-feira, 28 de junho de 2007

O SecondFest

Nos anos 90, quando a world wide web dava, por assim dizer, os seus primeiros passos, era muito frequente ouvir-se os termos "virtual", "ciberespaço", "cibernautas" e outros que tais, na maior parte das vezes proferidos por pessoas que ainda não estavam, como também se dizia, "ligadas". Tão frequente era o uso deste vocabulário que até aborrecia. E a ideia de que havia um "mundo virtual" frequentado pelos que estavam "ligados" por oposição ao "mundo real" onde tanto esses como os outros viviam é também uma imagem dessa década, igualmente aborrecida depois de ser explorada até à exaustão.
Estamos em 2007 e um dos fenómenos de maior sucesso na internet, que leva ao extremo aquele conceito, chegando mesmo a cúmulos impensáveis naqueles tempos, é o projecto Second Life. Milhões de utilizadores em todo o mundo vivem, de facto, uma vida paralela. Compram terrenos... virtuais, assumem empregos... virtuais, socializam, enfim, replicam no processamento dos servidores do Second Life milhentas coisas que se fazem do outro lado, no mundo... real. Já todos conhecerão este fenómeno -- e outros de teor semelhante -- pelo que não vale a pena perder muitas palavras na descrição. O que interessa, porém, é dar conta de uma das mais recentes novidades do Second Life. Também já há festivais de música por lá. E o primeiro começa já amanhã. Ao vivo e em 3D, os habitantes do Second Life vão poder assistir, ao longo de três dias, a concertos e sessões de giradiscanço de gente como Pet Shop Boys, Coldcut, Groove Armada, Gilles Petterson, Cinematic Orchestra, Tiga, Hot Chip, Simian Mobile Disco, The Knife, Dub Pistols, entre muitos outros. E, tal como num festival do... mundo real, vão haver diferentes palcos, tendas, etc. Está tudo aqui, no minisite criado pelo Guardian, um dos patrocinadores do evento.
A loucura dos festivais chega também ao mundo... virtual.