segunda-feira, 6 de abril de 2015

100 de 1973, n.º 58, Mike Oldfield (rep.)



TUBULAR BELLS
MIKE OLDFIELD (Inglaterra)
Edição original: Virgin
Produtor(es): Tom Newman, Simon Heyworth, Mike Oldfield
discogs allmusic wikipedia YOUTUBE

Estreia em disco de Mike Oldfield, multi-instrumentista que ficou famoso por duas coisas, essencialmente: este "Tubular Bells" e aquele "otoverme", para usar o termo perfeito do Miguel Esteves Cardoso, que é "Moonlight Shadow", single lançado dez anos depois. Esqueçamos rapidamente o segundo, se possível, tanto para mais quando temos no prato este "Tubular Bells", uma obra única na galeria essencial do prog, ou, quanto mais não seja, um lado A que merece ficar bem guardado na história da música feita nos anos 70. É o prog no seu formato menos obscuro, menos virado para dentro, chegando até a ter elementos pedagógicos e, simultaneamente, lúdicos, como mostram os momentos finais da primeira parte, em que a voz de Vivian Stanshall apresenta os instrumentos que se seguem no processo de aplicação e/ou substituição de camadas sonoras de Oldfield. É um disco que carrega consigo um número infindável de trivialidades trazidas com o tempo. O seu número de catálogo original é "V2001", o que o define como o primeiro lançamento da Virgin, de Richard Branson, que apostou no que outras editoras tinham rejeitado com o receio de não o saberem vender ("Tubular Bells" acabou por permanecer na tabela de vendas britânica durante... 279 semanas e é o 34º disco mais vendido de sempre no Reino Unido). Branson usou até o nome do disco para batizar alguns dos seus aviões. A capa do álbum rapidamente se tornou um ícone e há dois anos foi escolhida para ser um dos dez selos da restrita coleção com capas famosas dos correios britânicos, lado a lado com "London Calling", "The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars", "Screamadelica", "Division Bell" ou "Parklife", entre outros. Muito do sucesso alcançado deveu-se, há que dizê-lo, à exposição mediática conseguida através do filme "Exorcista", do mesmo ano, onde se podia escutar o solo de piano que abre o disco.