quarta-feira, 11 de julho de 2012

Entrevista ao sr. FMM, parte 6

(Continuação da entrevista ao diretor artístico e de produção do FMM Sines, Carlos Seixas)
Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5

6. O FMM tem sido terreno fértil para encontros de artistas, de músicas, de culturas. Este ano, os Dead Combo vão estar em palco com o Marc Ribot. Como surgiu esta colaboração inédita? Que papel jogou o FMM (ou o seu programador) nesta e noutras ocasiões no passado?

A colaboração foi concretizada de uma forma pacífica no princípio do ano em conjunto com os agentes de ambos. Havia o "Lisboa Mulata" e eu tinha acabado de negociar a presença do Marc Ribot com os Cubanos Postizos. Andava desde há anos interessado em apresentar este projeto e, em 2005, na altura dos The Young Philadelphians, falei com o Marc sobre essa intenção. Felizmente que conseguimos este encontro que podemos nomear "em estreia mundial" :)

Sabes que o circuito da música ao vivo relacionado com músicos de outros continentes, sobretudo nos festivais de verão, depende muito das digressões europeias. Embora a oferta seja maioritariamente de "grupos formatados", há sempre a oportunidade de negociar alguns encontros. Com anos de contacto no meio e a confiança estabelecida com agentes, managers e músicos, estas situações começam a ser cada vez mais fáceis de concretizar.

No historial do FMM há exemplos de "encomendas", nem todas de caráter único e exclusivo, mas cozinhadas entre vários cúmplices, onde nós também tivemos a palavra. O caso do Trilok Gurtu com The Misra Brothers, a apresentação da Flat Earth Society com o Jimi Tenor, o David Murray com Pharoah Sanders, Jean-Paul Bourelly meets Melvin Gibbs & Will Calhoun, Cheick Tidiane Seck com Mamani Keita, Tuba Project com Bob Stewart e, para dar mais um exemplo onde entram músicos portugueses, Mandrágora & Special Guests (os Mandrágora estiveram durante um mês na Bretanha a trabalhar com músicos locais e a preparar esta apresentação). E para o ano há já pelo menos dois encontros em preparação! Afinal não é habitual um festival desta natureza, enquanto serviço público cultural, comemorar o 15º aniversário.