sexta-feira, 3 de junho de 2011

E hoje há também aniversário da Groovie

Ao longo dos últimos seis anos, temos tido a sorte de ter edições de velhas pérolas do rock'n'roll, seja garage com fuzz a escorrer pelas estrias do disco, seja iê-iê para cantarolar, seja surf para dançar sem parar, pérolas perdidas nos anos 60 portugueses ou brasileiros -- e até de outros recantos africanos ou asiáticos onde não julgávamos que houvesse rock naquela época. Temos também tido edições de grupos atuais, como os "nossos" Act-Ups ou os brasileiros Haxixins e Autoramas, os mexicanos Los Explosivos ou os japoneses The Routes.

A culpa é da Groovie Records, o selo do Edgar Raposo e do Luís Futre, colecionadores incansáveis que têm trazido um pouco dos seus tesouros cá para fora. E a Groovie comemora, justamente, o seu sexto aniversário. Vai, claro, haver festa e é logo à noite, no Musicbox e no Muv.

No Musicbox, há concertos com Os Steamers (PT), Los Explosivos (México), The Act-Ups (PT) e The Del-Shapiros (Espanha). A festa começa às 23h e os bilhetes custam oito euros. Mais ou menos em simultâneo, mas acabando mais tarde, no Muv, o novo bar que abriu perto do Lounge, há DJs: Milkshake (o Futre), Leo (do The Beat Mod Club), Witchel (do Wonderland Club), Sir G (da Alemanha), Tiago Santos (Mecânico do Amor), Pedro Temporão (da Dance Craze Mod Society) e ainda Heitor Vasconcelos (aquele colecionador veterano de discos do qual se diz ter a maior coleção de Amália do mundo).