segunda-feira, 23 de junho de 2008

O botox na música

Direct Note Access is a technology that makes the impossible possible: for the first time in audio recording history you can identify and edit individual notes within polyphonic audio material. The unique access that Melodyne affords to pitch, timing, note lengths and other parameters of melodic notes will now also be afforded to individual notes within chords.

É com este parágrafo que a Celemony Software apresenta a originalidade da nova tecnologia introduzida na aplicação por si desenvolvida, o Melodyne. Com o Direct Note Access, o Melodyne vai permitir, dizem eles, alterar uma única nota num acorde. Num acorde, senhores! Imaginem um acorde de guitarra. Um acorde de Sol maior que, afinal, se quer menor. O Melodyne, dizem eles, vai permitir passar o Si a La sustenido. Ou a qualquer outra coisa. Custa a acreditar que isto não seja mais do que uma vã promessa publicitária, mas também já não é de admirar que cada vez mais a tecnologia esteja ao serviço dos músicos para corrigir falhas ou para tornar a experiência da pós-produção progressiva e substancialmente mais importante que a da gravação. É caso para dizer, com a melhor expressão de um velho empedernido pela passagem do tempo, onde é que isto vai parar?
(Esta postagem teve o patrocínio do cavalheiro americano que deixou o Herald Tribune na mesa da esplanada do almoço.)