quarta-feira, 4 de julho de 2007

Adolescência revisitada

Tem piada, que numa postagem ali mais atrás, falasse dos Mudhoney e dos Young Gods. Hoje deve ser o dia N, de nostalgia. Talvez porque logo à noite vão subir ao palco do Super Rock os Jesus and Mary Chain, aquela que foi uma das minhas maiores paixões de adolescência. Tal como os Young Gods e os Mudhoney, entre muitos outros. Mas os escoceses foram especiais no crescimento auditivo. Literalmente, porque a eles se deve grande parte dos estragos feitos nos meus ouvidos. A eles e aos Sonic Youth e aos Neubauten, claro, ou ainda, noutro departamento, aos Hafler Trio, por exemplo. Num tempo em que a mesada dava -- com algum jeito e se não gastasse dinheiro noutras coisas -- para apenas um disco a cada mês e meio, os Jesus and Mary Chain foram aquela primeira banda em cujos LPs investi mais. Não é por isso de estranhar que hoje seja um dia especial. E que não tenha ouvido outra coisa desde manhã que não seja as Peel Sessions deles. Primeiro, porque era o que estava mais à mão. Segundo, porque cobre, de forma mais ou menos interessante, boa parte da carreira do grupo. Terceiro, porque o despojamento de produção das Peel Sessions relega estas canções para o habitat primário dos Jesus and Mary Chain: muito feedback e melodias simples. E é isso que se quer logo à noite. Nostalgia ou nevralgia, vai ser bom voltar a vê-los quinze anos depois da chinfrineira no Carlos Lopes.