sexta-feira, 29 de Outubro de 2004

Hoje, no Porto. Amanhã, em Lisboa.


ELYSIAN FIELDS
Hoje, no Meu Mercedes é Maior que o Teu.
Amanhã, no Santiago Alquimista.
Primeira parte dos portugueses Rose Blanket.

quinta-feira, 28 de Outubro de 2004

O tributo da Radio One

A BBC Radio One emitiu anteontem um programa de duas horas inteiramente dedicado à memória de John Peel. O alinhamento, inteiramente composto por faixas recuperadas das Peel Sessions, é o que se segue. Já está disponível no pássaro azul...

The Fall - 'Rebellious Jukebox'
Culture - 'Lion Rock'
Orbital - 'Chimes'
Laura Cantrell - 'I Lost You But I Found Country Music'
Jimi Hendrix - 'Little Miss Lover'
Delgadoes - 'Mr Blue Sky'
The Damned - 'I'm Bored'
Joy Division - 'Love Will Tear Us Apart'
Nirvana - 'Son Of A Gun'
Half Man Half Biscuit - 'Trumpton Riots'
Ronnie Ronalde - 'Mocking Kill Yolde'
Smashing Pumpkins - 'Girl Named Sandoz'
Sisters of Mercy - 'Alice'
Pulp - 'Birthday Special Peter Gun'
Faces - 'Had Me A Real Good Time'
PJ Harvey - 'Rid Of Me'
Super Furry Animals - 'Yte' Mlad'
The Smiths - 'What Difference Does It Make?'
T. Rex - 'Ride A White Swan'
The Cure - 'Boys Don't Cry'
Hefner - 'Gabriel In The Airport'
Syd Barrett - 'Gigolo Aunt'
Melys - 'Camino El Camino'
Billy Bragg - 'A New England'
Jesus and Mary Chain - 'Some Candy Talking'
Extreme Noise Terror - 'False Prophet'
Undertones - 'Here Comes The Summer'

Reacções à morte de John Peel

«If it wasn't for John Peel, there would be no Joy Division and no New Order.»
Bernard Sumner, ex-Joy Division, New Order

«I mean the guy really was somebody who looked after you - he had a love of music and helped people who made music. He was the only support we had in the beginning - they were very cold and lonely days, and I've got an awful feeling that there'll be a lot of very lonely, cold, days without him . It's a really sad moment - for music, for radio, for groups in general. I'd hate to be in a new group starting out without John Peel.»
Peter Hook, ex-Joy Division, New Order

«John Peel was a genuine one-off, whether on Radio 1 or Radio 4. He was a unique voice in British broadcasting and used that voice to unearth new talent and different subjects and make them accessible to a much wider audience. The prime minister knows he will be missed by everyone.»
Porta voz de Tony Blair, Primeiro-ministro britãnico

«He was a maverick and he got away with it.»
Steve Lamacq, BBC

«In the autumn of 1978, something happened that was to change my life forever - John Peel played Teenage Kicks on the radio for the very first time. Today, it just changed again, forever.»
Feargal Sharkey, ex-Undertones

«He really did trawl through mailbags of demo cassettes. That's why we had Pulp and T-Rex, because he'd been discovering bands like that since 1967.»
Laura Cantrell

«Who am I going to listen to now? He's been my inspiration since I was 14. I'm thinking about you. Thanks John Peel.»
Thom Yorke, Radiohead

«We would try out new songs on the sessions and these often were the definitive version. John Peel was always the best around.»
Johnny Marr, ex-The Smiths

«In a world that is becoming ever more homogenised and pre-programmed, John Peel stuck up for the 'sore thumbs' of the music scene and I really can't think of anyone who could have done it better or who's going to do it now he's gone.»
Jarvis Cocker, ex-Pulp

«The Holy Grail was the 'John Peel Session' - no doubt about it. Not only did you get airing on Radio 1, he paid musicians union rates, which was unusual.»
Peter Hooten, The Farm

«If it wasn't for John Peel, Black Sabbath wouldn't have got played on the radio.»
Ozzy Osbourne

«Every time you finished a good track you'd think, 'Oh, I can't wait to send that to John Peel' - let alone thinking about sending it to a record company or your fans hearing it!»
Paul Hartnoll, Orbital

«He's been such a champion of culturally diverse music - we were just saying nobody thought he was ever going to die - we thought he'd be around forever.»
Gruff, Super Furry Animals

«There really has not been much good music that has not been sorted through the filter of 'Top Gear' and 'The John Peel Show' over the years. That he was a champion, to so much talent, from Marc Bolan and Rod Stewart, to The Prefects and Siouxsie and The Banshees, to The White Stripes and Pink Floyd, is well known, his 'Peel Sessions' series world famous. (...) For your sense of humour, and your taste. And your absolute dedication to spreading the gospel of music. I shall miss you. We all shall all miss you.»
John Taylor, Duran Duran

«John was always the champion of the new and unheard. Countless artists owe him so much for his enthusiasm, including myself. He helped me in the formative stages of my career and I will never forget his kindness and humour. Needless to say I was shocked and upset to hear of his passing. I hope Liverpool F.C. holds a minute?s silence in his memory. That would mean an awful lot.»
Elton John

«It's very appropriate because it's all the sort of music that John would have chosen.»
Michael Eavis, da organização do Festival de Glastonbury, depois de anunciar que o palco dos novos talentos do evento passará a ter o nome John Peel Stage.

«It was because of him I got to hear some of the most obscure but influential music I ever heard.»
James Dean Bradfield, Manic Streat Preachers

«John Peel's patronage was for me, like countless other musicians, one of the most significant things that happened to us in our careers. The world is going to be a poorer place with his sudden departure. I will miss him deeply.»
Damon Albarn, Blur

«We've just heard the tragic news that John Peel the long serving radio 1 DJ has passed away aged 65. It seems right to pass our respects to one of the most important and down right nicest people we have known in music. John was unbelievably passionate about music as well as being incredibly humble, he was always slightly embarrased when people told him that he'd changed their lives even though it must have happened many times every day. As far as Mogwai are concerned his help over the years has been incalculable (all songs bar two on our upcoming BBC album were recorded for his show). He was a champion and an inspiration and he will be greatly missed. Bye John.»
Mogwai

«Although his passing leaves behind a disheartened and grieving music world, let us remember that John Peel, DJ, Football lover, pop icon, husband and rock pioneer lived a remarkable life by just being true to himself, his audience and most importantly the music he loved. He will be missed.»
Rob Levy, tinymixtapes.com

«Espero bem que Mark E.Smith e os Fall não percam tempo a lançar uma diatribe anti-peruana, tipo "Fuck The Andes". John Peel era a pessoa mais importante da música popular britânica. Ouvia-o quase todos os dias de semana desde 1975. A música nova e difícil, a partir de agora, já não tem embaixador na BBC. Fartei-me de chorar, foda-se.»
Miguel Esteves Cardoso

(Depoimentos retirados das mais diversas proveniências, com especial incidência em bbc.co.uk e nme.com)

Concurso no Hard Club

O Hard Club volta a ser palco para mais uma edição -- a terceira -- do Rock Music Challenge (RMC), um concurso com nome inglês mas para bandas portuguesas, que decorrerá entre os dias 12 de Novembro e 17 de Dezembro. O número das bandas a concurso foi reduzido de 24 para 12, um facto relacionado, segundo a organização, com "o aumento dos níveis de qualidade e dos critérios de selecção que serão mais rígidos".
As eliminatórias decorrem no palco principal do Hard Club, que no ano passado apenas acolheu a final, e terão a participação de várias bandas "madrinhas", como é o caso dos Loto ou dos Blasted Mechanism. Paralelamente ao RMC, decorrerão encontros de discussão de temas relacionados com a indústria da música (ver site).
As bandas a concurso não devem ter qualquer registo discográfico, exceptuando-se edições de autor e compilações. O regulamento, bem como outras informações, estará disponível em www.rockmusic.com.pt. Os trabalhos, acompanhados de fotografia e nota biográfica, devem ser enviados até ao dia 20 de Outubro para ROCKMUSIC CHALLENGE, Rua Formosa, nº 93, 4000-250 Porto. (Obviamente que o dia 20 de Outubro já passou há mais do que uma semana, obviamente que a minha distracção e a minha estupidez não tiveram limites hoje... vj)

quarta-feira, 27 de Outubro de 2004

E mais música portuguesa transmitida do Brasil

A minha boa amiga Katia continua a promover nomes interessantes no canal de música portuguesa da rádio online da Toshiba brasileira (ver posta mais abaixo). Eis a playlist mais recente:

1) mesa - divagadora
2) três tristes tigres - espécie
3) wordsong - les mots
4) coldfinger - ease m
5) the gift - nowadays
6) silence 4 - where are you?
7) raindogs - in the city
8) madredeus - vislumbrar
9) david fonseca - in love with yourself
10) pop dell'arte - mrs. tyler
11) atomic bees - how was your last dream?
12) belle chase hotel - paganini's fire
13) clã - sorriso de gioconda
14) cool hipnoise - ela era o meu estilo
15) da weasel - todagente
16) pedro abrunhosa - diabo no corpo
17) wraygunn - lava love
18) my porno star - in my closet
19) ornatos violeta - tanque
20) more república masónica - zip zap woman
21) austin - shine off
22) plastica - honey honey
23) x-wife - rockin' rio
24) zen - u.n.l.o.
25) blind zero - (...entertainment)
26) superego - dúvidas
27) pluto - só mais um começo
28) mão morta - cárcere
29) xutos & pontapés - chico fininho
30) the parkinsons - primitive

Finalmente...

Raios partam o blogger, que desde há uma semana, dia sim, dia não, decide ficar a dormir...

terça-feira, 26 de Outubro de 2004

Algumas das Peel Sessions editadas e escolhidas ao calhas











Legenda: the undertones, the cure, nico, the smiths, the stranglers, the go-betweens, marc bolan, siouxsie and the banshees, gang of four, new order, the soft machine, napalm death, the orb, the fall, the wedding present, autechre e the jesus and mary chain.

Para John Peel

When you walk through a storm,
hold your head up high,
and don't be afraid of the dark.
At the end of a storm,
there's a golden sky,
and the sweet silver song of a lark.
Walk on through the wind,
walk on through the rain,
though your dreams be tossed and blown.
Walk on, walk on, with hope in your heart,
and you'll never walk alone...
You'll never walk alone.
Walk on, walk on, with hope in your heart,
and you'll never walk alone...
You'll never walk alone.


Morreu John Peel

O mais amado dos radialistas britânicos morreu vítima de ataque cardíaco, enquanto passava férias com a sua mulher em Cuzco, no Peru. Aos 65 anos, desaparece uma lenda da rádio, com uma carreira de mais de quatro décadas, quase sempre ao serviço da BBC Radio One, onde semanalmente apresentava as suas famosas "Sessions", singulares actuações ao vivo dos artistas nos estúdios da rádio, ou mais recentemente, na casa de campo do próprio apresentador, em Maida Vale.

Sinto que é um dia triste. Desde miúdo que colecciono as suas Peel Sessions. Há uns quatro ou cinco anos, senti-me infantilmente agraciado quando Sir John Peel me respondeu a um mail onde o inquiria a propósito de uma lista o mais completa possível das Peel Sessions (não existia, a propósito). Há uns três anos, quase me senti forçado a tornar adepto do Liverpool quando a menos de dois metros dele, o vejo sacar de um vinilo com o relato de um golo que o clube pelo qual Peel era absolutamente fanático marcou numa final da Taça dos Campeões (creio que era o golo de Alan Kennedy ao Real Madrid, em 1981) para iniciar o seu set de deejaying no Sonar de Barcelona.

Depois do anúncio da sua morte, a BBC passou "Teenage Kicks", o hit dos Undertones, tido como o tema favorito de John Peel. Quero chegar a casa para pôr a aparelhagem aos berros.

Are teenage dreams so hard to beat
Everytime she walks down the street
Another girl in the neighbourhood
Wish she was mine, she looks so good

I wanna hold her wanna hold her tight
Get teenage kicks right through the night

I'm gonna call her on the telephone
Have her over cos i'm all alone
I need exitement oh i need it bad
And its the best, i've ever had

I wanna hold her wanna hold her tight
Get teenage kicks right through the night

I wanna hold her wanna hold her tight
Get teenage kicks right through the night

A batalha mais importante do nosso tempo (sic)

«(...) Alguém se lembra do que é uma surpresa? Alguém se lembra de ouvir uma estação de rádio e não fazer ideia da música que vão passar a seguir?
«Faz parte da essência do entretenimento sermos entretidos. Mesmo na mais primitiva história da carochinha, a narrativa é concebida para nos colocar numa situação deliciosa de impotência e de captura: 'O que irá acontecer a seguir?'.
«Na música, precisamos da mesma dependência: temos de ser assaltados; confrontados; sacudidos; perturbados; comovidos. Se ouvimos um bom programa de rádio, temos de sentir que 'isto, sim, é música!' ou 'não, isto não pode ser música!' ou, melhor do que tudo, 'será isto música?'.
«Hoje, quando ligamos o rádio, apenas bocejamos: vemo-nos ao espelho. Isto aqui é para as minhas filhas; isto é para a minha empregada; isto é para os meus pais e, mais desolador de todas as experiências, isto aqui é para mim. (...)
«Impõe-se a desobediêcia; o comportamento imprevisível e a recusa absoluta de ser segmentado, arrumado e classificado. E sempre que lhe pedirem para responder a uma sondagem, sacrifique uns minutos e responda tudo torto. (...)»


Miguel Esteves Cardoso, in Blitz (26 de Outubro de 2004)
Não me canso de citar as prodigiosas crónicas do MEC.

Fuck Bush 04 no Royal Music



A poucos dias das eleições mais mediáticas do ano, há um blogue de mp3 que merece ser visitado: royalmusic.blogspot.com. Até ao fim-de-semana, podem ser ali escutados temas de Mr. Lif, Arrest the President All Stars (um colectivo Anticon) e Inteligent Hoodlum. Mais virão durante estes dias, especialmente dedicados à campanha "Fuck Bush 04".
(Obrigado, Chêdas, pela dica).

Entrevistas imaginárias #2: Punkada Central

Como surgiram os Punkada Central?
keh? komu aprassemus? u xxl kria fazeh 1 bnda d numetal dpx pox 1 msg nu solbarra aki exta-mux nohx.

Quais são as vossas influências?
influenssias? keh? u k o ppl ove? tudo. gusta-mux d td muxika. dux offspring aux evanescence ah tts koisax boax.

Então e projectos para o futuro?
keh? tu eskreves comu u m velhu fdx. nah percebu nada max prontux. bxxxx p tds. passa maix punkada central nu t blg.

(Entrevista realizada por sms.)

Charadas: fim da série II

E pronto. Chegou ao fim mais uma série de charadas. Eis a tabela classificativa final:

Reznor - 10 pts
sm - 7 pts
ctx - 7 pts

NiHil - 4 pts
paulo - 4 pts
bone_cactus - 3 pts
909 - 2 pts
r. - 2 pts
pedro - 1,5 pts
Mário Valente - 1 pt
riskos - 1 pt
ruie - 1 pt
T.V. - 1 pt
Lia - 1 pt

O Reznor, a sm e o ctx vão receber prémios (por falar nisso, shame on me, shame on me, pois ainda não distribuí os prémios da série anterior). E as charadas vão aproveitar para descansar por alguns dias.

Charadas #80

segunda-feira, 25 de Outubro de 2004

Atmosferas II

Há um novo espaço para concertos, workshops, encontros, etc., em Lisboa. Fica na rua da Boavista (entre o Cais do Sodré e Santos) e chama-se Atmosferas. Sim, é mais uma faceta do projecto originalmente desenvolvido a partir da ETIC (Escola Técnica de Imagem e Comunicação) com o mesmo nome (já aqui havia falado do programa de televisão da SIC-Radical).
E o Atmosferas -- o espaço -- já começa a ter programação definida. No início do próximo mês, decorrerá o "Ressonâncias 2004 - Encontros de Música Electrónica Contemporânea", que integra concertos (dia 5, às 21h30, Suguru Goto com Mié Coquempot; dia 6, às 19h, Meta Duo, de Daniel Kientzy e Reina Portuondo) com entrada livre e ainda um workshop com o tema "Virtual Musical Instruments and RoboticMusic (Automated Instruments)" e a master-class "L'intérpretation de la musique organo-acousmatique, une nouvelle musique de chambre".
Para mais informações acerca do Atmosferas e do Ressonâncias 2004, é favor consultar o site global do projecto.

O que faltava para podermos ser, finalmente, felizes

O inimigo musical.

Covers famosas #4: Surfin' Bird

Autores: Al Frazier, Carl White, John "Sonny" Harris, and Turner "Rocky" Wilson Jr. (The Rivingtons, nos temas "The Bird's the Word" e "Pa Pa Ooh Mow Mow", posteriormente agregados pelos Trashmen)
Ano: 1962
Versões-chave: The Trashmen, The Cramps e The Ramones

Não é seguramente, ao contrário do que acontecia com os temas abordados nas edições anteriores desta rubrica, uma canção reinterpretada por uma imensa panóplia de grupos e artistas. Se aqui se fala dela é pela forma como foi "transformada" pelos Trashmen e, depois, adoptada como uma das mais carismáticas covers de sempre para duas das formações mais carismáticas de sempre que o rock'n'roll deu a nascer, os Cramps e os Ramones.
"Surfin' Bird", habitualmente creditada aos Trashmen, era, na verdade, uma versão criada a partir de dois hits de 1962 dos Rivingtons, "The Bird's the Word" e "Pa Pa Ooh Mow Mow" (os Beach Boys tinham também uma versão desta última). Steve Wahrer, baterista dos Trashmen, grupo de rock'n'rollers adolescentes de Minneapolis, juntaria no ano seguinte os dois temas, reduzindo-os ao mínimo denominador comum e reescrevendo a letra, dando assim forma a um novo sucesso.
Anos depois, dois outros grupos norte-americanos, os Ramones e os Cramps, adoptaram o tema ao ponto de o tornarem quase sempre obrigatório nos seus concertos. Os Ramones fizeram-no em 1977, naquele que será um dos seus melhores álbuns, "Rocket to Russia", ao passo que os Cramps incluiram-na, dois anos mais tarde, num dos seus primeiros discos, o EP "The Gravest Hits". Mas, porventura mais importante que a versão gravada em estúdio, é a maneira como o tema se colou ao reportório ao vivo de ambos os grupos, principalmente no caso do grupo de Lux Interior e Poison Ivy, que passados todos estes anos, continua a encerrar os seus concertos com longuíssimas versões de "Surfin' Bird", que oferecem o pano sonoro de fundo ideal para as derradeiras performances dementes em palco do vocalista. Quem os viu no Campo Pequeno, há anos, sabe bem do que se está a falar.

A-well-a everybody's heard about the bird
B-b-b-bird, bird, bird, b-bird's the word

Charadas #79

domingo, 24 de Outubro de 2004

Ainda na ressaca de sexta-feira

Já deviam ser umas três da manhã. Terminava, musicalmente falando, uma das noites mais insólitas e inesquecíveis que a ZDB terá vivido nestes dez anos de existência que agora comemora. No átrio de entrada, os Loosers, de costas viradas para a porta principal, acabavam de tocar perante uma árvore e uma imensa plateia que obstruia todos os cantos que ofereciam ângulo de visão para o "palco". As escadas eram quase absolutamente impenetráveis, o ambiente intoxicadíssimo e o espírito que se vivia, principalmente na zona do átrio, absolutamente frenético (houve slam num espaço com menos de 10m²!). Principais culpados desta loucura, os Loosers seguiram uma lógica menos estruturada do que é habitual, carregando forte no ruído e no ritmo, tal como uns Liars. Antes, e noutros locais da galeria, tinham já tocado os Gang Gang Dance (irregulares), o Panda Bear (tirando algumas subtilezas, foi mais meia-hora semelhante à de há semanas atrás) e, num registo mais difícil e só compreensível por uma elite onde não faltava o Jorge Lima Barreto, o Sei Miguel Quinteto e os Osso Exótico.

sexta-feira, 22 de Outubro de 2004

Música portuguesa a partir... do Brasil

Pois é. A minha boa amiga paulista Katia Abreu está a trabalhar num projecto de webstreaming de música de diversos cantos do mundo que a Toshiba brasileira está a levar a cabo no seu site. A Katia é responsável, juntamente com um amigo, pela programação de rock português, que agora está no ar. Vejam só a playlist. Há quem por lá conheça muito bem o que se faz por cá...

1) wordsong - 14 de janeiro
2) três tristes tigres - falta (forma)
3) mão morta - tu disseste
4) rollana beat - ella#1
5) fat freddy - frenezim do canibalismo ritual
6) ornatos violeta - capitão romance
7) americans are dangerous - at smarkand, on acid
8) belle chase hotel - la toilette des étoiles
9) fingertrips - mr. freddy
10) gaiteiros de lisboa - era não era do tamanho de um pardal
11) pop dell'arte - little drama boy
12) the legendary tiger man - sometimes i miss you
13) repórter estrábico - lolita
14) stealing orchestra - bugsy is a punk rocker
15) white buffalo - better out of here
16) mécanosphère - engenhos
17) hipnótica - reptile
18) bypass - (i need) words
19) stowaways - rented body
20) blasted mechanism - karkov
21) saturnia - vimana
22) dr. frankenstein - road to tabasco
23) griffu's della morte - track six
24) stealing orchestra - o neurônio que explodiu

Os concertos do Número vão ser no Lux

Dia 5
JUANA MOLINA
BULLLET
MIRA CALIX
PAN SONIC
DANI SICILIANO
Dia 6
NICORETTE
ANN SHENTON
ULTIMATE ARCHITECTS
MICRO AUDIO WAVES
FUNKSTÖRUNG
SST
TREVOR JACKSON

Para consultar a programação alargada do Número, que decorre entre os dias 3 e 13 de Novembro, é favor consultar o site oficial. Isto é, se já foi actualizado.

Entrevistas imaginárias #1: Codechre

Como surgiu o projecto Codechre?
Eu e o Zé Francisco estivemos numa banda hardcore, os Codec Santos. Quando entrámos na Faculdade de Arquitectura, começámos a ver a música de outra forma. Queremos expandir as nossas possibilidades, integrar outros conceitos, fazer algo de novo. É isso que define Codechre.

Vocês quando estão em palco, estão a jogar CM4 nos laptops, não é?
Nem sempre. Às vezes temos trabalhos da faculdade para entregar no dia seguinte e aproveitamos a altura para os fazer.

Então e projectos para o futuro?
Queremos fazer uma instalação inovadora. Vai ser na aldeia dos macacos. Levaremos um microfone Sennheiser MKH 800 ligado a um laptop que retarda e reverberiza o som ambiente, projectando-o depois no PA que estará instalado à volta de todo o recinto. Isto vai criar, perante a comunidade dos macacos aí residente, uma certa noção de aumento exponencial do número de indivíduos. Queremos provar que as multidões fazem a força apenas pelo som que emitem. Os macacos vão pensar que são aos milhões e vão sublevar-se (felizmente, teremos um corpo de polícia de choque especialmente destacado para o efeito). Esta ideia foi já experimentada nos nossos concertos. Quase ninguém aparece, mas quando aplicamos isto, parece que estamos a tocar para um estádio. É magnífico.

2004, parte 3



(Malta do pássaro azul: mais logo, lá para o fim do dia, poderão encontrar isto.)

Charadas #78

quarta-feira, 20 de Outubro de 2004

Número já não é no CCB

Os concertos agendados para o Número Festival, aqui anunciados na semana passada, já não vão decorrer na tenda do CCB, mas sim no Forum Lisboa.
ACTUALIZAÇÃO (21/OUT): NÃO SE CONFIRMAVA, AFINAL, A MUDANÇA PARA O FORUM LISBOA. O FORUM SERÁ UTILIZADO, CONFORME JÁ ESTAVA PREVISTO, PARA AS OUTRAS ACTIVIDADES, MAS OS CONCERTOS DOS DIAS 5 E 6 DECORRERÃO NOUTRO ESPAÇO QUE SERÁ AMANHÃ OU DEPOIS ANUNCIADO. FICA AQUI O PEDIDO DE DESCULPA AOS LEITORES DO BLOGUE E À ORGANIZAÇÃO DO NÚMERO.

Aum

Haverá coisa mais irritante do que querer fazer ao mesmo tempo as coisas A, B e C e depois vir a constatar que por força de A, B se está a atrasar e que C provavelmente nunca poderá vir a ocorrer, por manifesta falta de tempo?

Estes tipos rockam

A redacção do Tinymixtapes é das melhores coisas a seguir ao pão com chouriço e cebola:

Jandek has released 37 albums since 1978. In that span, he has done two interviews, played no live shows, never revealed his name, and probably never tuned his guitar. His music may be off-kilter, but there's something about his music, his mystique, and the myth of Corwood Industries that draw in those who crave good mystery. He has been called the most outsider outsider musician of all time, and on this platform of enigmatic ramblings and ridiculously amateur instrumentation, Jandek has built one of the most beautiful cult reputations in the history of underground music.
(continua)

Charadas #77

Depois do Kimmo...

...eis mais uma óptima notícia: também Lhasa vai regressar a Portugal, para dois concertos, no Forum Lisboa e na Casa das Artes de Famalicão, nos dias 6 e 7 de Dezembro, respectivamente. A notícia é avançada em primeira mão pelas Crónicas da Terra.
Parabéns à Sons em Trânsito.
CORRECÇÃO: o concerto de Lisboa realizar-se-á na Aula Magna e não no Forum Lx.

terça-feira, 19 de Outubro de 2004

DIG!

Estava agora mesmo a passar numa rubrica de cinema da BBC World. "Dig!", filme realizado por Ondi Timoner (autora de clips dos Dandy Warhols, dos Vines, de Paul Westerberg ou de Lucinda Williams), conta a rock'n'roll tale dos The Brian Jonestown Massacre e da relação destes com os Dandy Warhols. Abomino os últimos e não conheço os primeiros, mas as imagens que vi deixaram-me de olhos arregalados. "Dig!" retratará, segundo a peça, o lado perdedor e destruidor do rock'n'roll, visivelmente representado pelos The Brian Jonestown Massacre. A pergunta que se impõe, depois de vistas as imagens e ouvidos os comentários da realizadora é: terá o filme distribuição comercial por cá?
Deixo aqui parte do texto da BBC World, para abrir algum apetite:
Most music documentaries aren?t that engaging because they?re fawning and idealize their subjects. This year we?re witnessing some more truthful accounts of life behind the scenes in the music world, the latest example of which is 'Dig!'.

You've probably never heard of Anton Newcombe or his band The Brian Jonestown Massacre, but 'Dig!' is the story of his musical brilliance and self-destruction.
Ondi Timoner, Director: "I went up there to meet them and they were totally off the wall. I had never met personalities like this in my life. They were too rock for rock."
Director Ondi Timoner spent 7 years trailing The Brian Jonestown Massacre and another band, The Dandy Warhols. The groups were best friends, but while The Dandy Warhols signed onto a major music label and found commercial success, Anton Newcombe, the frontman of The Brian Jonestown Massacre, began using heroin and alienating his bandmates. (...)

Charadas #76

O Paiva finalmente em livro



E aqui o tasco recomenda!

segunda-feira, 18 de Outubro de 2004

Ele vai regressar!



Em Dezembro, teremos de novo o finlandês Kimmo Pohjonen em Portugal, desta vez para três concertos dispersos pelo país: Coimbra (dia 1, no TAGV), Lisboa (dia 2, no Forum Lisboa) e Famalicão (dia 3, na Casa das Artes). Pohjonen vem sob a forma de Kluster, projecto que partilha com Samuli Kosminen (Fat Beat Sound System, Pepe Deluxe e Múm). Os bilhetes vão ser postos muito em breve e oscilam entre os 12? (Famalicão) e os 15? (Lisboa e Coimbra, sendo que nesta última, os estudantes têm desconto).

Charadas #75

Marc Almond em estado grave

Lido há pouco na Cotonete: Marc Almond, o antigo vocalista dos Soft Cell, sofreu um acidente mota que o deixou num estado "muito grave".

quinta-feira, 14 de Outubro de 2004

Loja exclusiva de jazz abre hoje em Lisboa



A Trem Azul Jazz Store abre hoje em Lisboa. Exclusivamente dedicada ao jazz, a Trem Azul fica instalada na rua do Alecrim, nº21 A (perto do Cais do Sodré) e a abertura, que se dará às 17h de hoje, estendendo-se até por volta da meia-noite, será feita na companhia dos músicos Dennis González, Carlos Barretto e Zé Eduardo, entre outros.
Mais informações em www.tremazul.com/jazzstore.swf.

Charadas #73

Requiem pela indústria discográfica

É o título do trabalho que esta noite passará no programa Toda a Verdade, na SIC Notícias (2h da manhã).

O Número 2004

Pan Sonic (que já não irão a Coimbra), Juana Molina, Mira Calix, Dani Siciliano, Trevor Jackson, Ann Shenton, Submarine, Factor Activo, 1-Uik Project, Nicorette, Bulllet, Ultimate Architects, etc.
De 3 a 13 de Novembro no CCB e no Forum Lisboa. A programação de concertos, acima avançada, decorrerá numa tenda montada no CCB, nos dias 5 e 6 de Novembro.

quarta-feira, 13 de Outubro de 2004

Charadas #72

Slint de volta!

É verdade, é verdade. Os seminais e, de alguma forma, efémeros Slint, que de entre as várias formações contaram com Brian McMahan, David Pajo e Britt Walford, o núcleo que lançou os dois únicos álbuns gravados ("Tweez" e "Spiderland"), vão voltar à carga no próximo ano, por ocasião de mais uma edição do festival All Tomorrow's Parties, na versão original que todos anos decorre em Camber Sands, em Inglaterra. O acontecimento, que terá os Slint como "mordomos", conforme é característica do ATP, decorre no fim-de-semana de 25 a 27 de Fevereiro de 2005. (Ver notícia do pitchforkmedia.com.)

Atmosferas

A Sic Notícias tem um novo programa dedicado à música electrónica, o Atmosferas. A certa altura do programa emitido neste último fim-de-semana, quando Natxo Checa, da ZDB, era entrevistado, foram passadas imagens de dois eventos integrados no Festival Atlântico que se realizou em... 1999 (?). Mas pior do que estar a mostrar imagens com cinco anos (outras houve, bem mais recentes, apesar de tudo), foi legendá-las como se tivessem acontecido na ZDB. O primeiro passava-se num cacilheiro, naquele mítico concerto de Felix Kubin -- o primeiro dele em Portugal -- durante a travessia do rio prévia ao espectáculo dos Pan Sonic em Cacilhas. O segundo dizia respeito à orquestra das Dot Matrix Printers que ocorreu no Espaço A Capital, no Bairro Alto... Esperemos que sejam meros pormenores com direito a atenção redobrada no futuro, até porque pelo que foi dado a ver, esquecendo estes atropelos ao rigor, o programa rege-se por padrões de exigência não muito comuns na televisão portuguesa. Quem mais se deslocaria à Guarda para obter de Victor Afonso (aliás Kubik) uma tão interessante entrevista como aquela que foi transmitida?

segunda-feira, 11 de Outubro de 2004

Coisas-rock que irritam #16

MÚSICOS PORTUGUESES QUE DIZEM CHEQUESAUNDE.

Coisas-rock que irritam #15

A MIUDAGEM INDIE DOS CONCERTOS DE HARDCORE DE HOJE QUE SE MEXE TANTO COMO NUM CONCERTO DE SIGUR RÓS (bom, esta não irrita assim tanto por aí além, até porque cada um é livre de ser como quer, de responder às descargas sonoras da melhor maneira que entender, blábláiedádá, mas não deixa de ser estranho... nem sequer um pogozito? um headbanging calminho?)

Bela tarde de domingo

Meia dúzia de palavras apenas para dar testemunho da estrondosa matinée (que esteve quase a ser soirée, devido a uma falha de luz) ontem na ZDB. Tirando os espanhóis Zeidun, miúdos imberbes a fazer barulho que um dia, sabe-se lá quando, poderão vir a ser interessantes, os The Cheese -- uma dupla catalã de bateria e guitarra que em breve se mudará para Filadélfia -- e os "nossos" Vicious 5 partiram a loiça toda, passe a força de expressão (ver próximo "Coisas-rock que irritam").

Charadas #70

sexta-feira, 8 de Outubro de 2004

quinta-feira, 7 de Outubro de 2004

Tom Waits com a Blues Explosion

Tom Waits, que acabou de esgotar a lotação de mais um recinto em menos de cinco minutos (nos EUA, naquele que será o único concerto do músico por terras americanas neste ano), apresentou-se no Letterman Show com os dois músicos que acompanham Jon Spencer na agora sucintamente denominada Blues Explosion, Judah Bauer e Russel Simmins. Será que Waits os trará na visita à Europa? A especulação já comeceçou.
A actuação pode ser vista (obrigado Luís) aqui, ao passo que a conversa com Tom Waits pode também ser vista aqui.

Charadas #69

quarta-feira, 6 de Outubro de 2004

Covers famosas #3: The Ballad of Mack the Knife / Die Moritat von Mackie Messer

Autor: Kurt Weill / Berthold Brecht
Ano: 1928
Versões-chave: Louis Armstrong, Chico Buarque, Young Gods, ...

Um dos autores mais citados pelos músicos dos últimos cinquenta anos é o compositor alemão Kurt Weill. Diversas das suas obras, originalmente inseridas em óperas modernas como "Aufstieg und Fall der Stadt Mahagonny" ("Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny") ou "Die Dreigroschenoper" ("A Ópera dos Três Vinténs"), têm sido revistas frequentemente nas mais diversas áreas da música popular. É o caso dos temas "Alabama Song" (popularizado mais tarde pelos Doors), "Speak Low", "Surabaya-Johnny", "September Song" ou "The Ballad of Mack the Knife", que esta rubrica agora destaca.

"The Ballad of Mack the Knife" ou, melhor, "Die Moritat von Mackie Messer", foi composta para a obra mais famosa de Weill, "A Ópera dos Três Vinténs", estreada em Berlim, a 31 de Agosto de 1928. Com libretto de Berthold Brecht, a partir de "The Beggars Opera", de John Gay, "A Ópera dos Três Vinténs" vinha romper com a tradicional ópera wagneriana, recriando em palco histórias de pedintes, ladrões e prostitutas, que diziam mais ao povo comum do que as habituais peças para as elites burguesas. A canção dedicada ao protagonista, o infame bandido londrino Mackie Messer, iria transformar-se num ícone da peça.

A "Ópera dos Três Vinténs" chegaria, já depois da 2ª guerra, à Broadway. "Die Moritat von Mackie Messer" viria a ser adaptada, já na nova versão em inglês, para o jazz por Louis Armstrong e, para o rock, por Bobby Darin. Rapidamente se tornaria um "standard". Ella Fritzgerald apreentou-a uma vez ao vivo, esquecendo-se da letra que se seguia ao primeiro verso. Acabou por improvisar, numa prestação que lhe mereceu um Grammy. Chico Buarque, naquele que é o seu trabalho mais reconhecido, "A Ópera do Malandro" (clara inspiração na peça de Brecht e Weill), interpretou também uma curiosa versão do tema, aqui intitulado de "O Malandro". Os suíços Young Gods, que dedicaram um álbum inteiro, "...Play Kurt Weill", ao compositor alemão, deixaram também uma versão arrasadora. Muitos outros, ao longo dos anos, recuperaram a canção para os seus reportórios: Elvis Presley, Frank Sinatra, Nick Cave e até mesmo Robbie Williams, para citar apenas alguns.

Und die Haifisch, der hat Zähne,
Und die trägt er im Gesicht.
Und Macheath, der hat ein Messer,
Doch das Messer sieht man nicht.

Charadas #68

Coimbra com Ellas

Ellas são Raquel Ralha (Belle Chase Hotel e Wray Gunn) e Sofia Lisboa (Silence 4) e interpretam versões de Peggy Lee, Eartha Kitt, Brigitte Bardot, Nancy Sinatra, Edith Piaf, Jane Birkin ou Rita Lee. As duas vocalistas vão ser as madrinhas, hoje, no Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, da nova grelha da RUC e do novo formato do jornal académico A Cabra.

Ainda a respeito de Coimbra, fica aqui a nota de um espectáculo seguramente imperdível, daqui a um mês: Pan Sonic, dia 6 de Novembro, também no TAGV. (A data leva a especular que os lisboetas -- e não só -- poderão rever o duo num eventual regresso ao Número Festival.)

sexta-feira, 1 de Outubro de 2004

A Carbono muda-se


A loja de discos usados Carbono, de Lisboa, aquela que foi a primeira de várias que surgiram em diversas localidades do país, vai inaugurar amanhã, sábado, as suas novas instalações na rua do Telhal, perto da Avenida da Liberdade. Depois de vários anos passados no Centro Comercial Portugália, onde se estabeleceu como um dos primeiros pilares da movimentação de cultura alternativa que agitou aquele local, a Carbono muda-se agora para um novo espaço, mais amplo. Na inauguração vão estar presentes, para um showcase, os Dead Combo. Como o grupo de Tó Trips e Pedro Gonçalves vai tocar esta noite em Madrid, o showcase de amanhã só deverá acontecer no fim da tarde, por volta das 18h30.

Recorde

De acordo com o extremetracking, o tasco teve 6752 visitas únicas no mês de Setembro, número superior em mais de dois milhares ao anterior máximo, registado em Julho.

Charadas #67