terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Um sonho hippie, n.º 5

"(...) apareceu um tipo, pegou na minha guitarra e começou a tocar uma data de canções nela. Chamava-se Charlie. (...) As suas canções eram improvisações que ele ia fazendo e nenhuma era igual à anterior. Parecido com o Dylan, ainda que diferente porque era difícil encontrar uma mensagem nelas, mas as canções eram fascinantes. Era muito bom.
"Perguntei-lhe se tinha um contrato de gravação. Disse-me que não e que queria gravar discos. Falei dele ao Mo Ostin da Reprise. O Terry Melcher era um produtor da altura que fazia discos de sucesso influentes. Aparentemente, o Melcher já tinha andado a ver o Charlie e tinha optado por não o fazer.
"Pouco depois, os homicídios Sharon Tate-LaBianca aconteceram e, de súbito, o nome Charlie Manson dava a volta ao mundo."


Neil Young, in "Waging Heavy Peace: A Hippie Dream" (Viking, 2012)