segunda-feira, 27 de setembro de 2010

El Guincho em Lisboa, finalmente, e outras coisas boas que aí vêm

O excesso de trabalho nos tempos recentes e as deslocações a sítios onde meia hora de acesso à internet custa mais que uma imperial no Lux têm-me impedido de aqui vir arejar o tasco, mas há algumas novidades (ou semi-novidades ou até mesmo notícias velhas para alguns) que não podem escapar:

Um.
Pablo Díaz-Reixa, mais conhecido por El Guincho, vem finalmente a Lisboa, depois de concertos já ocorridos no Porto e, já este ano, em Barcelos e Coimbra. A ocasião decorre no Urban Routes do Musicbox, um festival que o Musicbox alberga nos dois últimos fins-de-semana de Outubro. O cartaz é composto por You Can't Win Charlie Brown, Casiotone for the Painfully Alone e DJ Ride Showcase (dia 21); Louie Austen, The Correspondents, Me Dá Só Sangue (22); Toro Y Moi, El Guincho e Bigfoot Soul Club (23), Marina Gasolina, WhoMadeWho, Jimmy Edgar, Hang em High (29); Nicola Conte, Marc Hype & Jimmy Dunlop e The Groovy Kids (30).

Dois.
O Out.fest já tem cartaz (e um senhor cartaz), com Panda Bear a encabeçar a lista de espectáculos que decorrerão no Barreiro entre 5 e 16 de Outubro: Alexander Von Schlippenbach (dia 5, Be Jazz Cafe, 17h30), Norberto Lobo (dia 6, Teatro Municipal, 21h30), Noël Akchoté (dia, 8, Convento da Madre de Deus da Verderena, 22h), Panda Bear e Oneohtrix Point Never (dia 9, Casa da Cultura, 22h), Calhau! (dia 10, workshop, concerto, palestra na Coop. Cultural Popular Barreirense, 17h30), Stellar OM Source (dia 12, Clube Naval, 21h30), Tetutzi Akiyama e Rafael Toral (dia 14, Teatro Municipal, 21h30), Emeralds, Kosmicdream (dia 15, convento, 22h), Rodrigo Amado Motion Trio, Lol Coxhill e AJM Collective (AMAC, dia 16, 22h). O Out.Fest vai também projectar diversos filmes, com destaque para a série de películas do etnomusicólogo mais conceituado de sempre, Alan Lomax.

Três.
Os rockers adeptos do revivalismo do garage, surf e afins devem ser pessoas felizes nos dias que correm. Enquanto os brasileiros Haxixins ainda andam por cá, sabe-se que vai haver concertos dos conterrâneos Autoramas (dia 9 de Outubro, no Clube Ferroviário, em Lisboa, para o "Mega Festão de Rentrée" da Void Creations), dos argentinos Los Peyotes (dia 15, no Armazém do Chá; dia 16, no Santiago Alquimista) e dos Fuzztones (dia 15, no Alquimista). Junte-se a isto o Barreiro Rocks em Novembro e ficamos com um Outono sempre a partir.

Quatro.
Num campo ligeiramente oposto, esta é também a altura d'O Gesto Orelhudo, o festival que a d'Orfeu realiza em Águeda: Al Buen Tun Tun [ES] e Povo que Lavas no Rio Águeda [PT] (dia 1 de Outubro), Ri Bemol [PT] e Funky Junk [Austrália] (2), Barbieri [IT] (3), Tangos & Tragédias [BR] (4), Sensormen [ES] (6), Ovay [ES] (7), Rock Comedy Show [BE] e Farra Fanfarra [PT] (8). A d'Orfeu participa ainda na organização de mais um OuTonolidades, com quase 70 concertos a acontecerem no Norte do país e na Galiza. Há mais informação em sitio.dorfeu.pt.