terça-feira, 18 de agosto de 2009

Tempos difíceis nas promotoras?

Aqui há uns meses, deixei algumas reflexões a propósito dos receios de que a crise financeira e o consequente pessimismo no consumo trouxessem consequências negativas para o mercado da música ao vivo, em Portugal e no mundo. Os festivais deste Verão parecem ter tido, de uma forma geral, algum sucesso nas bilheteiras. Pelo menos, ninguém falou em quebra de público, nas crónicas que têm sido feitas. Já em relação a eventuais quebras de patrocínios, é matéria que não sabemos. O que sabemos é que o problema já vem de trás, mesmo antes do surgimento da crise financeira mundial. O Diário Económico dava, há dias, conta de que as "promotoras vivem dias difíceis". Afinal, as duas maiores promotoras, A Everything is New e a Música No Coração, e ainda a mais pequena In Music We Trust, já apresentavam prejuízos contabilísticos em 2007. Em 2008, o cenário foi ainda pior, com a Ritmos & Blues e a Smog, as duas outras promotoras que compõem o top-5 nacional, segundo o DE, a declararem igualmente mais custos que proveitos...