quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Em busca dos clubes recreativos - parte V

Os frequentadores mais habituais do tasco já estarão familiarizados com a lista que se segue. Trata-se de um rol de clubes recreativos lisboetas que tenho vindo a actualizar desde Agosto de 2003, praticamente desde os primeiros passos do blogue. Muitos não sabem, porventura, que é possível encontrar em cada recanto da capital uma casa, criada na maior parte das vezes por núcleos bairristas ou por grupos corporativistas, que traz até hoje muito da história da cidade dos últimos dois séculos. Trata-se de casas onde as pessoas se reuniam (e ainda reunem, em alguns casos) e sob o estatuto de associadas na maior parte das vezes, para desfrutarem de noitadas culturais, das peças de teatro aos bailaricos, da poesia aos concertos, para desenvolverem actividades desportivas e até políticas ou para viverem experiências possíveis através do associativismo outrora fértil e hoje quase desaparecido. Naturalmente, encontramos exemplos como os que se seguem em todas as grandes cidades do país ou até no meio rural. Pela proximidade, pela facilidade e pela preocupação de não dispersar a atenção, esta recolha recai apenas sobre a cidade de Lisboa, o que não impede que no futuro, havendo disponibibilidade, havendo tempo e havendo interesse, este roteiro venha a ser alargado a todo o país.
A lembrança para actualizar esta lista veio do mail que entretanto me chegou e que dá conta de mais uma associação recreativa, a Academia de Recreio Artístico, que fica na rua dos Fanqueiros e onde, amanhã, sexta-feira, há uma festa com discos de uma dupla com o nome Duopólio. A ocasião serviu para acrescentar ainda outras sugestões previamente deixadas pelos leitores e ainda para juntar a este rol os melhores exemplos actuais de clubes recreativos, se quisermos transpor o conceito para os dias de hoje, como é o caso do Bacalhoeiro ou da ZDB.
Outro motivo para a actualização da lista prende-se com a possibilidade que agora temos de marcar geograficamente todas estas casas no googlemaps. O mapa está disponível aqui:


View Larger Map

Como sempre, a caixa de comentários fica à vossa disposição para correcções ou para a sugestão de mais exemplos (faltam tantos...).

- ACADEMIA DE RECREIO ARTÍSTICO (rua dos Fanqueiros, 286 - 1º andar) - Fica mesmo ao lado da Pollux e tem site: academiaderecreio.ning.com.
- ACADEMIA MUSICAL JOAQUIM XAVIER PINHEIRO (alameda das Linhas de Torres, 45) - Apesar de ficar ao lado do Estádio de Alvalade, não conheço este espaço :). Quem mo sugeriu lembrou-se dos concertos de punk que por lá já aconteceram.
- ACADEMIA DE SANTO AMARO (rua da Academia de Santo Amaro, 9) - Fica em Alcântara, perto do Hotel Carlton. Segundo um leitor, "é um espaço óptimo. Teatro/sala à antiga, tipo Ritz Club (mas sem aquela entrada toda). Fui lá ver o concerto de lançamento do disco dos Room 74 em Junho, acho eu, e posso assegurar que o espaço é excelente. Fica perto de Alcântara, lá mais para cima, ao pé do Hotel Carlton."
- ATENEU COMERCIAL DE LISBOA (rua das Portas de Santo Antão, 110) - É comparável à Voz do Operário, em termos de dimensão, de propósitos e de actividades que actualmente desenvolve. É um grande espaço nas portas de Santo Antão, onde decorrem diversas actividades desportivas e culturais. Tem muitas salas onde se podem realizar concertos, por exemplo.
- BACALHOEIRO (rua dos Bacalhoeiros, 125) - Esta casa destaca-se de todas as outras por uma razão nobre. Não foi fundada há cento e tal anos. Foi criada há apenas dois anos por um grupo de estudantes de Erasmus, cidadãos estrangeiros que nos vieram mostrar, pela experiência do dia a dia que ali se vive, que o conceito de associativismo e de clube recreativo não é algo que tem de ficar necessariamente perdido na memória dos tempos da cidade. O Bacalhoeiro promove diversas actividades, com especial destaque para os concertos e para as festas com DJs (o Bailarico Sofisticado tem por lá uma residência mensal, a propósito), que envolvem cada vez mais público, que por natureza é associado da causa. É o exemplo vivo do clube recreativo dos nossos dias. Tem um blogue com informação actualizada da programação em bacalhoeiro.blog.com.
- CAIXA ECONÓMICA OPERÁRIA (rua Voz do Operário, 64) - Já por lá trabalhei, como elemento da Associação O Grito. O espaço tem uma sala com palco e um mezanino. Lotação: aí umas 500 pessoas. Tem bar e um pequeno PA de som e luz. Tem servido de palco a espectáculos e festas de uma forma (muito) irregular. Tem um site (desactualizado): www.caixaeconomicaoperaria.web.pt
- CASA DO ALENTEJO (rua das Portas de Santo Antão, 58) - A caber no conceito de clube recreativo, trata-se de um dos maiores de Lisboa. Funciona essencialmente como restaurante, existindo ainda a secção de bar, um espaço muito agradável, bastante amplo, com um palco que ameaça ruir a qualquer instante. Possui ainda uma área utilizada para reuniões ou eventos culturais. Apesar do estado avançado de decadência, a Casa do Alentejo está sempre cheia de pessoas, muitas delas turistas, e possui uma vida que nenhum dos outros espaços têm. Envolve-se ainda em diversas outras actividades, como a edição da Revista do Alentejo. Tem um site: www.casadoalentejo.pt
- COLECTIVIDADE DOS VENDEDORES DE JORNAIS (rua das Trinas, 55) - Tem um amplo salão com palco. O espaço está também servido de bar.
- CLUBE RECREATIVO DOS ANJOS (rua dos Anjos, 17) - Tem um pequeno palco que, volta e meia, serve para os bailaricos.
- CLUBE PRIMEIRO DE JANEIRO (Bairro Alto - Rua da Atalaia, 124?) - Fica em frente ao Portas Largas, na esquina oposta ao Frágil. Há mais de 15 anos assisti por lá a um concerto de Tina & The Top Ten e Ena Pá 2000, se não me falha a memória. É pena que não tenha sido aproveitado para muito mais coisas - aquele ringue de boxe dá-lhe um toque muito especial.
- COMUNA (Praça de Espanha) - Tal como o Ritz, o café-concerto da Comuna não entra a 100% na definição de clube recreativo, mas acaba por ter muitas semelhanças, entre as quais o facto de estar sub-aproveitado. Tem uma sala aí para umas 600 pessoas, com palco e bar. Creio que existe um PA mínimo de som e luz. Tem site: www.comunateatropesquisa.pt
- CREW HASSAN (rua das Portas de Santo Antão, 159) - Tal como o Bacalhoeiro, este é mais um exemplo vivo da movida verdadeiramente actual do que podemos continuar a chamar de clubes recreativos. Tem um site em www.crewhassan.org.
- GALERIA ZÉ DOS BOIS (rua da Barroca, 59) - Como o Bacalhoeiro, como a Crew Hassan, a ZDB, que já passou pelo 14º aniversário, não poderia ficar ausente desta lista. Embora se tenha perdido o fulgor associativista do início, a galeria continua a ter sócios, que obtém vantagens nas entradas para as diversas actividades. Possui, como meio mundo sabe, uma programação verdadeiramente invejável, com destaque para os concertos, para as exposições e para as peças de teatro mais ou menos regulares. Tem um site em www.zedosbois.org e um myspace em myspace.com/galeriazedosbois.
- GCD TRABALHADORES DO BES (rua D. Luís, 27) - Não conheço. Foi-me indicada por um leitor, que não conhecendo também o estado actual do espaço, se lembrava dele como "uma sala razoavelmente grande e bem equipada". Outro leitor lembrou que "tem regularmente peças de teatro de Gil Vicente com apresentações para os alunos das escolas secundárias".
- GRUPO DRAMÁTICO ESCOLAR OS COMBATENTES (Rua do Possolo, 7) - Fica ali entre a Estrela e os Prazeres. Tem uma sala, com palco, para umas 500 pessoas. Tem bar bem equipado ao lado. Está vedada a concertos, desde há algum tempo.
- KILOMBO (av. Gomes Pereira, nº11) - Armazém 13. Fica nas traseiras do Auditório Carlos Paredes, ou seja, mesmo ao pé da Junta de Freguesia de Benfica.
- PADARIA DO POVO (Campo de Ourique, rua Luís Derouet, 20) - A casa tem dois ou três andares. No piso térreo, existe um espaço agradável para festas e concertos, sem palco, onde no qual ainda estão instalados os antigos fornos de pão.
- RITZ CLUB (Rua da Glória, 57) - Um dos mais conhecidos, embora não se trate propriamente de uma colectivade como as restantes, dada a actividade que por lá existiu há anos. Há obras que teimam em ser acabadas e um desentendimento entre os sócios que exploravam o espaço que já chegou ao tribunal. Encontra-se fechado ao público. Vai servindo de sala de ensaios para algumas bandas.
- SOCIEDADE FILARMÓNICA JOÃO RODRIGUES CORDEIRO (Rua da Fé, 46A) - Fica na freguesia de São José, perto da avenida da Liberdade. É onde se instalou a mais recente (já com uns largos anos) versão da Jukebox. Do que me recordo, tem um palco e uma sala bem grande.
- SOCIEDADE GUILHERME COUSSOUL (avenida D. Carlos I, 61) - Tem um belo auditório e ainda uma sala de bar que pode servir para café concerto. Tem sido utilizado com alguma frequência nos últimos tempos.
- VOZ DO OPERÁRIO (rua Voz do Operário, 13) - Esta será provavelmente a maior associação recreativa de Lisboa, senão mesmo do país, tanto em termos de espaço como ao nível das actividades que continua a desenvolver nos dias de hoje e que lhe merecem o estatuto de Sociedade de Instrução de Utilidade Pública. Já serviu de palco para inúmeros concertos de grande envergadura. Tem um site: www.vozoperario.pt.
- ? (rua da Fraternidade Operária) - Fica na zona de Marvila/Braço de Prata/Poço do Bispo, perto da Universidade Internacional (?). Tem uma sala, com palco, para umas 500 pessoas. Não sei como aquilo está agora. Aqui há 20 anos, na altura em que eu ia lá frequentemente, pois duas bandas amigas lá ensaiavam, encontrava-se já num estado avançado de decadência.