terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Sidi Touré

A boa gente da blogothéque não pára de surpreender. Desta vez viajaram até Bamaco, capital do Mali, para capturar as imagens e os sons de Sidi Touré nas ruas da cidade. Dividido em três partes, este trabalho representa um testemunho cru do ambiente em que vive um Touré que não pertence à família de Ali Farka (Sidi pertence à etnia songhaï, ligada ao antigo reio Gao, hoje localizado no Norte do Mali), mas que desenvolveu uma abordagem à guitarra e aos blues muito semelhante. São imagens de um país, como lhe chama a autora do trabalho, de canções. Canções que são pura poesia sonora. Não há blues mais blues que este.