quinta-feira, 19 de abril de 2012

Recordando o Ritz

Na sequência ainda da notícia dada há pouco, a respeito da reabertura para breve do Ritz Club, lembrei-me de alguns episódios passados naquela sala, durante os anos 90:

Passagem de ano com os Irmãos Catita, já lá vão uns 20 anos. Absolutamente gloriosa, com tudo o que se quer de uma passagem de ano.

Gaiteiros de Lisboa, em 98 ou 99. Havia pouca gente, tão pouca que o Carlos Guerreiro lembrava ao público que era aquela vida que se arriscavam a ter se se metessem na música. Entre os inúmeros concertos dos Gaiteiros a que assisti, este foi provavelmente o mais íntimo, o mais cómico e, claro, um dos mais interessantes.

Tédio Boys, em 98 ou 99. Aquilo que diziam dos concertos dos Tédio Boys era verdade. A puta da loucura.

Will Oldham, em 97. Ainda não tinha adotado o nome Bonnie 'Prince' Billy e era ainda conhecido como o vocalista desafinado dos Palace Music ou Palace Brothers. Mas o Ritz estava cheio (pode ter ajudado o facto de a entrada ser gratuita...)

Pop Dell'Arte, em 14 de novembro de 1999. Fui com o Adolfo Luxúria Canibal, a quem o João Peste, ao vê-lo na assistência, desafiou para subir ao palco para cantar o "Juramento Sem Bandeira", tantos anos depois da última vez que o fizeram. Não me lembro se o Adolfo subiu, mas se o fez, foi contrariado (acho que subiu). Salvo erro, era também um dos primeiros concertos dos então novos elementos do grupo.

Final do concurso/festival 365, organizado pelo Alvim e ganho pelos Slamo. Fiz parte do júri e, caramba, Alvim, aquilo durou até quase de manhã...

Chokebore, em abril de 1998. O concerto dos americanos serivu à minha primeira reportagem para a Musicnet e o entusiasmo era tanto que foi também a primeira entrevista, ali feita à pressão, no papel e com perguntas da treta.

Na memória, mas num recanto mais difícil de recuperar, ainda pairam outras atuações: Sérgio Godinho, Hipnótica, Rollana Beat, etc.