domingo, 28 de setembro de 2008

Haja respeito pela memória da música

Há por aí um anúncio publicitário a uma cadeia bem conhecida de equipamentos domésticos que utiliza o "Bella Ciao" como banda sonora. Não só é absolutamente obsceno que a eterna canção da resistência anti-fascista sirva agora para vender móveis, como faltam adjectivos para qualificar esta esperteza saloia dos autores da campanha, que tiram partido do verso inicial da canção e descontextualizam-no, como se a história fosse massa de moldar para os publicitários, para acompanhar as imagens de... alguém que se levanta da cama. Ridículo seria um qualificativo simpático demais. Nem sequer é preciso falar no aproveitamento que estas campanhas tiram de canções tradicionais, sem direitos de autoria, algo que se tornou terreno fértil para as pilhagens dos publicitários e das grandes marcas.
(Será que um dia vamos ter o "Grândola, Vila Morena" a patrocinar uma gasolineira ou um banco português?)

Pela memória musical, pela memória dos partigiani:

Una mattina mi son svegliato,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
Una mattina mi son svegliato,
e ho trovato l'invasor.

O partigiano, portami via,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
O partigiano, portami via,
ché mi sento di morir.

E se io muoio da partigiano,
(E se io muoio su la montagna)
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E se io muoio da partigiano,
(E se io muoio su la montagna)
tu mi devi seppellir'.

E seppellire lassù in montagna,
(E tu mi devi sepellire)
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E seppellire lassù in montagna,
(E tu mi devi sepellire)
sotto l'ombra di un bel fior.

Tutte le genti che passeranno,
(E tutti quelli che passeranno)
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
Tutte le genti che passeranno,
(E tutti quelli che passeranno)
Mi diranno «Che bel fior!»
(E poi diranno «Che bel fior!»)

«È questo il fiore del partigiano»,
(E questo é il fiore del partigiano)
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
«È questo il fiore del partigiano,
(E questo é il fiore del partigiano)
morto per la libertà!»