sexta-feira, 13 de abril de 2007

2007, o ano louco dos festivais

Está tudo louco. É verdade que dá vontade de dizer isto todos os anos, mais ou menos por esta altura, mas convenhamos que o panorama festivaleiro para este Verão parece assumir contornos cada vez mais próprios do cenário do "tudo ou nada", também habitualmente designado por "ou vai ou racha". Sublinho, parece. Mas pode não ser.

Incontornável na doutrina dos neo-liberais, a afirmação de que a concorrência produz efeitos positivos para o consumidor está a verificar-se no curto prazo. Pelo menos, a curto prazo. Zangam-se as comadres, não se descobrem as verdades, mas, de repente, começamos a ficar com cartazes cheios de nomes de peso, inéditos e/ou actuais, coisa que nunca se tinha visto por cá, à excepção de alguns alinhamentos de Paredes de Coura.

Será apenas contagem de espingardas numa guerra fraticida, estaremos a ser apanhados pela febre espanhola de festivais ou será ainda isto apenas (ou, talvez melhor, também) uma consequência natural da explosão do mercado do sponsoring?

Será que 2007 é o ano em que os festivais portugueses começam a encarreirar definitivamente com o "modelo anglo-espanhol" (com muitas aspas, sff)? Não percam os próximos capítulos da saga.