terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Um sonho hippie, n.º 6

"(...) Estava anunciado como "Rust Never Sleeps: A Concert Fantasy" e era ainda mais estranho para o público porque o meu novo álbum, Comes a Time, tinha justamente acabado de sair.
"O
Comes a Time tinha sido um tipo completamente diferente de música, gravada em Nashville com uma banda diferente! Nessa altura, eu tinha o hábito de tocar primeiro todas as minhas canções novas ao vivo, gravando-as assim e depois tirando o público das misturas. E depois lançava-as como álbuns de estúdio. Os Crazy Horse eram fantásticos ao vivo e esta era a maneira mais divertida de o fazer.
"Claro, isto foi antes da Internet e já não é mais possível trabalhar-se assim. Qualquer coisa que eu experimente no palco é logo atirada para o YouTube, onde pessoas que acham que sabem o que eu devo fazer começam logo a pôr defeitos, mesmo antes de ser o resultado final. Isto é o desafio mais intimidante que a Internet trouxe juntamente com todas as coisas boas. O palco costumava ser o meu laboratório.(...)
"As primeiras duas apresentações de
Rust Never Sleeps tiveram imensos desastres, de coisas que não funcionavam bem a coisas que não funcionavam de todo. Se fosse hoje, o chorrilho de críticas na Net teria sido tão mau que mataria o espetáculo mesmo antes de este nascer por completo.

Neil Young, in "Waging Heavy Peace: A Hippie Dream" (Viking, 2012)