quinta-feira, 12 de maio de 2011

O melhor de vários mundos num... campo de férias inglês

ATP em Minehead, Inglaterra, este fim de semana. Em teoria, parece ser a ideia perfeita de festival. Convida-se um artista reconhecido, bem relacionado e bem inserido a programar o cartaz, leva-se toda a gente para um campo de férias à inglesa no litoral, com chalets e apartamentos onde pernoitar, cozinhar e fazer tudo o mais o que se queira fazer no recato da privacidade e conforto de algo a que possamos chamar casa durante três dias (adeus campismo), onde artistas e público convivem (adeus VIPs) e tudo o mais que há para descobrir nestes dias que se seguem.

Mais, sendo os padrinhos da festa deste ano os Animal Collective, é de esperar o cuidado em relação a três fatores fundamentais para a importância de um festival de música (pelo menos, na escala de apreciação deste vosso): pertinência, diversidade e risco nas escolhas. Na pertinência, alguns dos melhores grupos da atualidade vão passar por lá (os próprios AC, os Gang Gang Dance, os Prince Rama, os Beach House, os Spectrum, os irmãos Bishop, o Actress, só para citar alguns dos mais conhecidos. Na diversidade, não fica muito por dizer quando se olha para o cartaz e se vê a malta dos loops (os AC, o Highlife, o Teengirl Fantasy, por exemplo), a malta das músicas do mundo (a Sublime Frequencies está representada, não só no Group Doueh, mas em várias iniciativas, como o programa de cinema; há ainda Lee 'Scratch' Perry e a maliana Khaira Arby, entre outros nomes), a malta da pop etérea (a Grouper ou a Kria Brekkan, dos Múm), os compositores vanguardistas (Terry Riley e Tony Conrad), as bandas do rock alternativo americano dos anos 80 e 90 (os Meat Puppets e, especial atenção, os incríveis Thinking Fellers Union Local 282!), a malta do rock desconchavado (a Micachu, o Atlas Sound), a malta das eletrónicas (Vladislav Delay, Omar S, Actress, ...) e tantas outras coisas. E, finalmente, temos o risco - apesar de ser Inglaterra, um cartaz deste género, sem um daqueles nomes que arrastam milhares de pessoas, como costuma fazer o Primavera, por exemplo (os AC bem quiseram levar também os Daft Punk ou o Neil Young, mas o orçamento do ATP não chegava), não é propriamente a coisa mais óbvia do mundo.

Começa amanhã, sexta-feira e acaba pelas cinco da manhã de segunda-feira. Vai ser o último ATP de Primavera em Inglaterra, soube-se há poucas semanas, o que ainda vem fazer subir mais a cotação deste fim de semana. Se tudo correr bem, haverá reportagem aqui, com fotos de miúdas bonitas como a Taraka Larson dos Prince Rama.