quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

E o primeiro desejo para 2010...

É a recuperação rápida do Zé Pedro.

Os melhores discos do ano


ANIMAL COLLECTIVE "MERRIWEATHER POST PAVILLION"

(Todo o destaque, mais um, para o "MPP". De seguida, os outros discos que fizeram, para mim, o ano de 2009, por ordem alfabética:)








B Fachada "Um Fim-de-Semana no Pónei Dourado"


Bill Callahan "Sometimes I Wish We Were an Eagle"


David Sylvian "Manafon"


Dirty Projectors "Bitte Orca"


The Flaming Lips Stardeath and White Dwarfs with Henry Rollins and Peaches "Dark Side of the Moon"


Fool's Gold "Fool's Gold"


K'Naan "Troubadour"


Lemonade "Lemonade"


Norberto Lobo "Pata Lenta"


Oneida "Rated O"


Oquestrada "Tasca Beat - O Sonho Português"


Staff Benda Bilili "Trés Trés Fort"


Tinariwen "Imidiwan"


Tortoise "Beacons of Ancestership"


The Very Best "Warm Heart of Africa"

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #1

1. NEIL YOUNG @ ALIVE
12 de Julho de 2008



Vi o Neil Young ao vivo apenas já em 2008 (e no ano seguinte, em Barcelona), mas entre os amigos que tiveram a sorte de ir a Vilar de Mouros, em 2001, vou encontrando reacções não muito diferentes da minha. Recupero o que escrevi na altura (como nos godspeed, há também prenda no fim):

Singing words, words
Between the lines of age
Words, words
Between the lines of age

Neil Young, in "Words (Between the Lines of Age)"

A juventude é uma dádiva da natureza, mas a idade é uma obra de arte.
Stanislau Jerzy Lec (poeta polaco)

Há uma altura que nas telas laterais se agigantam duas mãos marcadas pela idade. Os dedos de Ben Keith, esculpidos com a rugosidade do tronco de um carvalho, dançam sobre a steel guitar durante "Words (Between the Lines of Age)", a canção que encerra "Harvest". Por sinal, é o primeiro álbum em que trabalhou, já lá vão 36 anos, com o homem que no centro do palco capta todas as atenções, Neil Young. De cabelo ralo e quase inteiramente branco, o homem transpira enquanto se lança a mais um acto de amor com uma das várias guitarras que trouxe consigo. Do lado de cá, novos e velhos cantam os temas de cor com um brilho nos olhos, com esgares de admiração ou apenas um sorriso largo que teima em ficar durante horas, como prova da experiência sónica e emocional que todos ali partilham. Não é uma banda nova que promete vir a revolucionar a música e que provavelmente estará esquecida daqui a poucos anos. E também não é (só) uma lenda que está ali em palco. É, genuinamente, um músico vivo e transbordante de energia que, à frente da sua banda, mostra, quase como se fosse a primeira vez que o fizesse, uma pequena parte de um reportório tão rico que devia ser património mundial da UNESCO. E, por falar em reportório, volte-se a "Harvest", o álbum mais vendido nos EUA durante o ano de 1972, para se dizer que foi daqui que saíram a maior parte das canções desta noite, como "Heart of Gold", "Old Man", "The Needle and the Damage Done" ou o já citado "Words". Houve pulos com a electricidade de "Keep On Rockin' in a Free World" imediatamente seguidos da introspecção acústica da versão belíssima de "Oh Lonesome Me", que Young gravou em 1970. Houve momentos a solo, ou perto disso, como em "Mother Earth (Natural Anthem)", com Young a tocar harmónica e um orgão de tubos ao fundo do palco nesta versão pró-ecologia da ancestral canção folk escocesa "The Water is Wide", ou como em "The Needle and the Damage Done". Houve temas especialmente alongados, como foi o caso de "No Hidden Path", o segundo dos dois temas do recente "Chrome Dreams II", com Young numa relação tremendamente sedutora e irresistível com a guitarra, a trazer à lembrança o convite que há 17 anos dirigiu aos seus eleitos Sonic Youth para com ele andarem em digressão. E houve, claro, a prometida versão de "A Day in the Life", a última do "Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band" e a última deste espectáculo. Até pareceu que Lennon e McCartney a escreveram de propósito para Neil Young.
Iria parecer estranho ler de alguém que já leva duas décadas de experiência enquanto espectador, mais de um milhar de concertos na memória (ou nos arredores desta) [na verdade, após a última pesquisa retrospectiva, são perto de dois milhares], que este foi o concerto da sua vida. Mas... acreditem que dá vontade de o dizer. Fica o alinhamento da noite, numa escolha que, surpreendemente, acabou por ter inúmeras diferenças face a espectáculos recentes da actual digressão:

Love and Only Love
Powder Finger
Spirit Road
Cortez the Killer
Keep on Rockin' in a Free World
Oh Lonesome Me
Mother Earth
Needle and the Damage Done
Unknown Legend
Heart of Gold
Old Man
Get Back to the Country
Words (Between the Lines of Age)
No Hidden Path
---
A Day in the Life


E aqui ficam alguns temas gravados neste espectáculo (não conheço o autor da gravação, mas, mais uma vez, a minha gratidão é imensa):

Cortez the Killer
Keep on Rockin' in a Free World
Mother Earth
Words (Between the Lines of Age)

Os 100 mais de uma década de concertos, #2

2. GODSPEED YOU BLACK EMPEROR! @ PARADISE GARAGE
29 de Janeiro de 2002
Julgo que qualquer um de nós, por maior ou menor interesse na arte da música, por mais ou menos amplos e diversos que sejam os gostos, conseguirá, como que ilustrações de uma autobiografia imaginária, citar duas ou três bandas ou artistas que marcaram as sucessivas "épocas" da vida. Estes godspeed you black emperor! estão nesse meu índice de gravuras. Cerca de dois anos antes, já nesta década em retrospectiva, fui vê-los a Londres. A primeira vez foi, obviamente, marcante, mas acabei por escolher este concerto no Garage. Menos atribulado (em Londres, os atrasos obrigaram a que o concerto acabasse mais cedo devid ao curfew time do Royal Festival Hall), sala bastante mais intimista (sempre o velho chavão que não nos conseguimos separar, talvez por constituir um truismo incontornável), lugar na primeira fila, uma hora e meia de cavalgadas sobre drones de cordas, por entre acidentes geogáfricos mais conhecidos, então, pela fórmula do vai-acima-vai-abaixo, e, claro, como também lhe chávamos na altura, várias... epifanias.

Para quem não esteve lá ou para quem queira recordar essa noite, tem aqui a gravação do concerto (não me recordo de quem a fez, mas a gratidão é-lhe imensa).

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #3

3. AKRON/FAMILY @ MUSICBOX
22 de Abril de 2007
Reacção a quente, de então, mas inteiramente subscrita nesta recuperação: "São três e vinte da manhã e só agora chego a casa, depois de ter ficado apeado por baixo de um viaduto, sem gasolina, (...), depois da primeira estação de serviço não aceitar o multibanco, e, acabo já esta frase pouco dada a respirações, como se estivesse armado em Saramago, desculpem lá, voltando ao que dizia, depois de um estupendo, um devastador, um inclassificável concerto dos Akron/Family. Ufa. A expectativa era muita, conforme terão reparado nas postagens anteriores, carregadas de vídeos que testemunham a passagem destes friques de Brooklyn por outros palcos. Mas nada do que se passou esta noite pelo Musicbox foi menos bom do que aquilo deixava perceber, e se já era difícil superar tantas expectativas, próprias já só de um puto que noutros tempos aguardaria impacientemente concertos de Jesus and Mary Chain ou Nick Cave, como explicar que esta noite foi ainda melhor do que aquilo que se esperava? Por outro lado, como não haveremos nós de reagir perante tipos simples e humildes que tocam bem e suam em palco (conseguido com que a plateia os acompanhe nessa missão), enquanto esticam os limites da imaginação melómana ao jogarem os Can e os Faust com a free folk marada norte-americana, as polifonias do gospel com as polifonias das guitarras? Foi uma noite inesquecível. Como o meu chapéu, assim que o comprar, se este não for um dos concertos do ano. Não fosse ter que trabalhar na terça-feira e eu vos diria quem estaria em Braga amanhã. Há bandas que merecem esse sacrifício e os Akron/Family, por voltarem a fazer-me sentir um puto a descobrir a alegria que é ver um concerto, preenchem inapelavelmente o requisito. Akron/Family ou Angels of Light, voltem, já."

Os 100 mais de uma década de concertos, #4

4. TOM ZÉ @ FMM SINES
30 de Julho de 2004
No mundo da música, há as estrelas, que estão lá em cima, intocáveis, com a graça do brilho que dão a uma noite. Mas depois há os meteoros que conseguem, entre outras coisas, mudar o curso dos planetas ou provocar outras reacções com que os cosmógrafos se entretêm a debater. Tom Zé é um destes meteoros que, pelas mais diferentes razões, nunca conseguiu chegar a tanta gente quanto outras estrelas provenientes do Brasil. Foi muito bom na Culturgest, terá sido muito bom em Loulé e na Aula Magna, mas o melhor só pode ter sido mesmo o espectáculo no Castelo de Sines. Escrevi, então: "As dezenas de pessoas que encheram a capela da Misericórdia para ouvir Tom Zé na sua 'conferência-de-não-conferencista' e os cinco ou seis milhares que assistiram ao seu concerto dificilmente terão abandonado Sines com opinião diferente. Por vezes rimos, por vezes chorámos, por vezes dançámos, por vezes saltámos e a toda a hora fomos levados por um moleque safado de 67 anos. Não há palavras suficientemente justas para Tom Zé, para as suas palavras, para as suas músicas, para a sua banda."

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #5

5. BLACK UHURU FEAT. SLY & ROBBIE @ FMM SINES
28 de Julho de 2001
Quem tenta reduzir a apreciação de um espectáculo somente à prestação dos artistas em palco pode estar a mirar a tromba do elefante à sombra da imensidão do bicho. Qualquer um sabe que para um bom espectáculo concorrem outros factores, inúmeros, uns mais frequentemente citados nas reportagens que outros, como o som, as características da sala, o público, etc. Para a posição cimeira que este espectáculo dos Black Uhuru com a secção rítmica mais importante da Jamaica, Sly & Robbie, ocupa nesta lista, toma peso um outro grande protagonista: o FMM. Foi o meu primeiro contacto com a magia de Sines e receio que isso só possa ser inteiramente compreendido por quem por lá passou ao longo destes anos, como os meus amigos que, a cada uma das vagas de estreia, irradiavam dos olhos um brilho verdadeiramente único (e não era da ganza). Foi neste espectáculo, no castelo de Sines, que assisti pela primeira vez ao famigerado fogo-de-artifício (mais uma daquelas coisas que soam mal, assim escritas, onde só quem já testemunhou um encerramento do FMM, como era o caso aqui, sabe verdadeiramente do que se está a falar). Cerca de dois anos depois, os artistas do palco voltaram ao nosso país, para um concerto na Voz do Operário (e talvez outros mais). Não foi mau, mas...

Os 100 mais de uma década de concertos, #6

6. TRANS AM @ ZDB
19 de Janeiro de 2000
Para o sexto lugar, a recordação mais longínqua desta lista de cem concertos da década. Estávamos em Janeiro de 2000. Parece ontem, mas estes eram tempos francamente diferentes. Tirando o Paradise Garage, poucas eram as salas com disponibilidade para ter um programa regular de música ao vivo. À própria ZDB, que já ia tendo os seus concertos, essencialmente de música improvisada, faltavam dois ou três anos para vir a proporcionar uma oferta como aquela que a génese da Filho Único viria a dar-lhe. Eram raras as oportunidades que tínhamos de ver as nossas bandas favoritas, como era o caso aqui destes Trans Am, então na sua melhor forma. O concerto esgotou num ápice. Eu próprio, que aguardava desde cedo pela abertura das portas fui traído à última da hora por um camião do lixo que me obrigou a perder o lugar (não fossem a solidariedade intra-Bailarico Sofisticado e ainda hoje estaria a chuchar no dedo). Deixo-vos algumas das minhas polaroids deste espectáculo estrondoso:







Os 100 mais de uma década de concertos, #7

7. DAMO SUZUKI NETWORK @ ZDB
19 de Junho de 2004
Muito escrevi sobre esta noite, na altura: " 'Provavelmente, só deixarei isto quando for para debaixo da terra.' Era assim que o Damo Suzuki respondia neste sábado a uma de muitas questões que lhe fiz: 'por quanto tempo mais vais continuar com a never ending tour?' Aos 54 anos, Damo, o mítico vocalista dos Can era 70-74, é um poço imenso de vitalidade. Quem o escuta inunda-se de fascínio. Nas coisas mais simples, como a comemoração da vitória da República Checa, depois da sua Alemanha ter empatado, ou o mal menor do molho de manteiga no robalo ('vocês, com peixe tão bom e tão fresco, deviam comê-lo o mais natural possível') a teses mais profundas, como o cancro que ultrapassou, o que lhe trouxe 'uma nova vida' e um regresso à música, 11 anos de ausência depois, ou aquilo que o leva, desde os dezasseis anos, a girar constantemente à volta do mundo, ou ainda todo um conjunto de noções simbólicas e filosóficas que sustentam o conceito do 'instant composing'. O que é o 'instant composing'? Numa palavra, improvisação. Damo raramente conhece os músicos com quem toca nos locais por onde passa a digressão -- a 'never ending tour' -- do Damo Suzuki Network. No sábado, por exemplo, só conhecia o baixista italiano Massimo Pupillo, dos Zu, porque com ele havia tocado nos dias anteriores, em Vigo e no Porto. Do resto da formação do concerto na ZDB, os portugueses Marco Franco (bateria) e Nuno Rebelo (guitarra) eram os únicos que estavam mais à vontade entre si. E o quinto elemento, um americano de origem francesa que tocou flauta transversal e clarinete baixo, é a ilustração perfeita do conceito de 'instant composing': a cerca de meia-hora do início do concerto, Damo, eu, o Scott Nydegger e o Pilot Rouge, dos Mécanosphère, entrámos na sala vazia da ZDB, onde este indivíduo, com ar de professor, tocava flauta sozinho, para ele próprio; pouco depois, Damo dizia-nos: 'vou falar com o técnico de som, gostava que este tipo tocasse connosco.' O músico americano seria mais um 'sound carrier' -- é assim que Damo chama a si próprio e aos músicos que o acompanham nestas aventuras. Damo coloca muito ênfase, para explicar a forma como entende aquilo que faz, no termo 'comunicação'. Uma comunicação que ocorre entre um grupo de pessoas 'que partilham as mesmas parcelas de espaço e de tempo'. Comunicação entre os 'sound carriers', entre estes e o público, entre as pessoas que compõem a plateia da ZDB. E é isso o que acontece ao longo das mais de duas horas (?) de improvisação. É, obviamente, sobre Damo que recaem os olhares do público. Dali saem frases melódicas e hipnóticas como aquelas fizeram de álbuns como 'Tago Mago' ou 'Future Days' obras primas eternas. Dali sai uma entrega que abala, logo desde o início, com qualquer postura mais indiferente que o espectador possa imaginar. Entre os outros 'sound carriers', é Marco que se destaca, comandando a improvisação rítmica, fornecendo pistas ao resto do grupo, com a preciosa ajuda de Massimo, que contanstemente maltrata o seu instrumento, tal como mostrara em Zu, meses antes. Também o Nuno compreende de forma soberba os caminhos que a secção rítmica lhe abre e assume a autoridade suficiente para, frequentemente, lançar, ele próprio, deixas sublimes para todos os outros. O flautista americano compõe o cenário com altivez, principalmente na primeira do espectáculo, improvisando linhas livres que assentam e cristalizam sobre a torrente de lava sónica que do palco corre. Improv meets rock meets free jazz meets metal meets Damo. Perto do fim, o japonês mergulharia nos braços da assistência, enquanto os outros 'sound carriers' se entregavam ao último, porventura o mais agressivo, dos caos sonoros que naquela sala foram fabricados. A 'comunicação' tinha acontecido e, ao fim da noite, entendia-se melhor o que Damo antes explicava acerca da sua forma de ver a música. Afinal, não se tratava de meros símbolos, de meras teorias de 'proggie'. Era mesmo a música a assumir o seu mais ancestral desígnio, amplamente disseminado pelas civilizações desde a idade da pedra. Magnífica comunhão de espaço e tempo."

domingo, 27 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #8

8. KONONO Nº1 @ MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL
4 de Julho de 2009
Espécie de reportagem de então: "Totalmente poderosos. A 'orquestra folclórica toda poderosa Konono nº1 de Mingiedi' voltou a mostrar por cá por que é cada vez mais famosa, por que é que o Congo está de volta ao mapa da música reconhecida pelo Ocidente, depois do soukous e kwassa kwassa dos anos 80. Já o tinham deixado bem claro em Sines, há três anos, mas na noite de ontem conseguiram ir ainda mais longe, tocar mais fundo nos cérebros e corpos de centenas de pessoas que se entregaram ao baile 'congotrónico' por ocasião da festa de aniversário da ZDB nos arruamentos do Museu de História Natural. Não é fácil descrever este poder 'congotrónico', que para sempre ficará associado aos Konono, a quem nunca os viu ao vivo. Há temas que se prolongam e conduzem a estados de autêntico transe, no desenvolvimento dos ritmos minimais produzidos pelo veterano e fundador Mawangu Mingiedi. As mbiras (ou likembés) electrificadas e distorcidas, quando entram, criam momentos de euforia que não encontramos noutras músicas de dança. Dança-se -- mesmo o pé de chumbo mais empedernido -- como se não houvesse amanhã. (...)".

Agenda curta, não?

Eu bem sei que, nesta altura do ano, não há, por norma, muitas novidades. Enquanto está tudo para fora a gozar as férias natalícias e, depois, a entrar no novo ano, datas de concertos para esta época são coisa pouco frequente. Mas e depois? No regresso à normalidade? Tirando um par de semi-estreias por cá que se aguardam com expectativa (Jandek e Sunn O))), sendo que o "semi-" decorre do facto de já se terem apresentado no Porto), não parece haver mais nada digno de especial nota. Nem na quantidade esta actual agenda se parece safar...
(Vamos aguardar com calma.)

Os 100 mais de uma década de concertos, #9

9. DIRTY THREE @ LUX
2 de Junho de 2007
Reacção naquela própria noite: "Uma pessoa vai com todas as expectativas do mundo. Uma pessoa anda à espera de vê-los há anos. Uma pessoa recebe mensagens dos amigos a dizer '[em Barcelona] foi do c. tens que ir'. Ou seja, como dizia antes, uma pessoa vai com todas as expectativas do mundo. Mas e se todas as expectativas do mundo com que uma pessoa vai são desde logo ultrapassadas, a uma velocidade seguramente interdita por lei, logo aos primeiros minutos do concerto? (Sim, é de um concerto que se fala. O concertaço dos Dirty Three, esta noite no Lux.) Jim White, o baterista, e Mick Turner, o guitarrista, são peças imprescindíveis neste jogo de cadências e explosões que os Dirty Three fazem colidir em palco, disso não se tenha qualquer dúvida, mas é sobre o violino de Warren Ellis que acaba por recair, na maior parte das vezes, a atenção. Ele não fez um pacto com o diabo. Ele é mesmo o diabo. Não que seja o mais virtuoso dos violinistas. Em rigor, ele até nem é o violinista clássico (como o Andrew Bird, para citar um exemplo com menos de 48 horas passadas, o é, mesmo apesar das referências folk dos Squirrel Nut Zippers). Ellis é o 'fiddler' que anima uma tasca barulhenta algures no meio do deserto australiano, acompanhado de bouzukis num numa aldeia grega, musicando lendas de lobos algures na Europa de Leste. E ainda tem a lata de tirar feedbacks do instrumento. O concerto desta noite conseguiu ser, por diversos momentos, e não se tenha pejo em usar a palavra quando ela deve ser efectivamente usada, epifânico. Foi a celebração plena daquilo que a música consegue por vezes produzir ao vivo: um rapto violento da consciência do ouvinte (e tão bem que sabe fechar os olhos e facilitar essa captura) para uma terra de ninguém, onde se experimentam sensações que só algumas drogas poderão produzir. O regresso do cativeiro é que pode não ser fácil. É que se sente saudades."

Os 100 mais de uma década de concertos, #10

10. CORDEL DO FOGO ENCANTADO @ TEATRO VIRIATO
15 de Junho de 2007
Escrevi, na altura: "Podia não haver muitos nomes em cartaz -- afinal de contas, este foi o número zero [de um festival em Viseu que não voltou a acontecer], como dizia a organização -- mas houve seguramente um alto concentrado de qualidade. A começar logo pelo concerto de sexta-feira do Cordel do Fogo Encantado. Depois da apresentação no castelo de Sines, no ano passado, o Cordel mostrava-se agora com novo álbum perante uma plateia de umas poucas centenas de pessoas (não dava para mais). Espectáculo íntimo, portanto. E avassalador. Durante pouco mais de hora e meia as (muitas) percussões do grupo estiveram em constante diálogo com a estrutura do renovado Teatro Viriato. E o público sentado ali, no meio, a assistir aos argumentos. Se os Mão Morta não tivessem nascido em Braga, mas sim em Pernambuco, na pequena cidade de Arco Verde, talvez tivessem sido como o Cordel. E se Adolfo Lúxuria Canibal não crescesse a ler Lautréamont ou outros autores malditos e tivesse os poemas de cordel do interior brasileiro na mesinha de cabeceira, talvez tivesse sido Lirinha, figura epicêntrica deste abalo de terras que dá pelo nome de Cordel do Fogo Encantado. Foi melhor que em Sines? Foi sim, embora não consiga sequer explicar como é que isso ainda pôde ser possível."

sábado, 26 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #11-15

11. LIARS @ LUX
25 de Novembro de 2003
Primeira vez em Portugal, primeira vez de várias ocasiões em que os apanhei. Escrevi, na altura: "Antes de mais, convém esclarecer que o título [Liars Death] não é nenhuma certidão de morte aos Liars. Bem pelo contrário. Quem viu o grupo nova-iorquino esta noite no Lux (ou, presumidamente, no Sá da Bandeira, um dia antes) poderá perceber o trocadilho se contextualizar esta(s) noite(s) com os primeiros discos dos Sonic Youth, nomeadamente com aquele registo ao vivo que o clube de fãs celebrizou com nome aproximado ao do título. É bom começar por dizer estas coisas, pois podemos logo libertar-nos de fantasmas que pairam sobre a narração ou interpretação de algo a que assistimos e que dificilmente se repetirá nas mesmas condições. Isto é, os Liars não fazem nada de particularmente novo. É ponto assente. Já os Sonic Youth e muitas outras bandas, quer americanas, quer europeias (e aquela segunda faixa não fez lembrar os ritmos tribalescos dos Test Department?), o tinham experimentado há cerca de vinte anos. O que fez então do concerto dos Liars desta noite algo de tão especial? Esqueçamos por momentos, passe a redundância, o tempo. Imaginemos -- aqueles que por razões óbvias, ou seja, pela idade, o possam fazer -- que estamos nos anos 80. Os outros que tentem imaginar a situação através dos relatos dos mais velhos. Imaginem que não há nada mais que três tipos a fazer algo em palco que nos é de tal forma compulsivo e arrasador (o zunido nos ouvidos parece querer confirmar a hipótese) que nos faz perder toda a noção de espaço-tempo (desculpem esta pequena intromissão, quase cameo, da variável tempo). Mas... não era isso que um bom concerto de rock conseguia fazer há anos? Muito passa pela bateria firme de Julian Gross (nova aquisição), tal como há vinte anos passava pelas de Richard Edson ou Jim Sclavunos, nos Sonic Youth. Por cima destas compulsivas sequências de bombo e tarola há uma guitarra e uma voz desalmada de Angus Andrew (a propósito, as notáveis semelhanças físicas do vocalista dos Liars com Nick Cave remetem para a estranha coincidência de ambos serem australianos). Às tantas, a descarga sonora é de tal forma assolapante que voltamos a pensar no tempo, como na frase 'e não é que em 2003 podemos voltar a sentir tais sensações?'. O espectáculo durou cerca de quarenta minutos. Talvez um pouco mais do que o espectáculo no Porto, pois de acordo com o que Angus Andrew referiu ao microfone, esta noite era 'especial', já que marcou o encerramento da digressão dos Liars pela Europa. Pouco tempo? Talvez, pois poucos se importariam de continuar a ser alvo da agressão sonora vinda de palco. Mas importa perceber que, como diz um aforismo certeiro, a música não se mede a metro. Quarenta minutos de Liars valeram seguramente por muitas horas de concertos de milhentas bandas. Para terminar, uma pequena provocação. Enquanto os Strokes (sim, tinha que ser) aproveitam a onda para fazer co-brandings com marcas de roupa e afins, os vizinhos Liars apresentaram-se esta noite com as marcas dos amplficadores tapadas com fita adesiva, à semelhança do que, por exemplo, fazem os Mão Morta por cá. Statements políticos como estes deixam perceber que o punk não é já só uma vã categoria nos meandros do marketing musical. Existe, e com postura digna. Ah, falta dizer: concerto do ano!"

12. HOWE GELB @ MUSICAIS
31 de Março de 2003
A primeira vez que o Codfish Cowboy -- assim o baptizámos depois do jantar -- tocou num palco português. Haverá nesta escolha, claro, algum enviesamento resultante do privilégio que tive de ser uma das várias pessoas envolvidas na produção deste espectáculo, daí que não consiga dissociar aquela actuação (magnífica) dos episódios vividos durante estes dois ou três dias com Howe Gelb. Em todo o caso, todas as reacções que tenho vindo a ter ao longo dos anos são concordantes. Foi uma óptima noite. E ainda há a história dos Dead Combo...

13. TRILOK GURTU & THE MISRA BROTHERS @ FMM SINES
28 de Julho de 2006
Foi a segunda de três vezes que já tive a sorte de ver Trilok Gurtu, indisputavelmente o homem que melhor consegue trabalhar o ritmo neste planeta. Para esta actuação no FMM, a minha preferida da edição desse ano, veio acompanhado pela sua Índia, com as vozes khylal dos Misra Brothers.

14. EINSTÜRZENDE NEUBAUTEN @ CCB
12 de Abril de 2005
De A a Z, como escrevi na altura, aqui.

15. CYRO BAPTISTA - PAU NA MULA @ FMM SINES
24 de Julho de 2009
Duas posições depois de Trilok Gurtu, eis outro titã da percussão, o brasileiro Cyro Baptista. Se se juntassem os dois, abrir-se-ia uma fenda na Terra, a qual se desviaria da sua rota orbital, e... Bom, escrevi isto há alguns meses: "No topo dos topos, o espectáculo 'Pau na Mula', de Cyro Baptista e da sua companhia de percussionistas, que conquistou facilmente o público com a irreverência, algures a meio caminho entre Tom Zé e Hermeto Pascoal (dois compatriotas igualmente chanfrados que pisaram aquele mesmo palco) e o virtuosismo dos músicos. As partes do sapateado, por Nicholas Young, por exemplo, devem ter sido a coisa mais fora de comum e mais eficiente que já se viu neste festival. (...)"

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #16-20

16. SHARON JONES AND THE DAP KINGS @ SANTIAGO ALQUIMISTA
11 de Julho de 2005
O que faz um tipo que não consegue compreender a maior parte do funk colocar nesta lista, e em posição tão cimeira, o espectáculo da senhora Sharon Jones com os seus Dap Kings? A resposta só a sabe quem lá esteve. Numa tirada muito breve, escrevi na altura: "Fui atingido pelo grande cometa funk que ontem caiu no Santiago Alquimista. A Sharon Jones e os seus Dap Kings funkam mesmo que se farta, como alguém dizia."

17. MOGWAI @ PARADISE GARAGE
5 de Fevereiro de 2004
Fez-me fugir, de noite, a um daqueles retiros profissionais, em que se juntam todos os camaradas de trabalho para um fim-de-semana de "entrosamento". E em boa hora o fiz, porque a actuação dos escoceses numa sala tão íntima como era a do Garage, tudo justificava. Dias antes, tinha rebentado com uma coluna do carro enquanto ouvia o "My Father My King". No concerto, fui eu que rebentei com o tema. Escrevi, na altura: "Por vezes passamos por situações de tal forma fascinantes, de tal forma arrebatadoras, que não encontramos no vocabulário mais à mão um suporte à altura para as descrevermos. Por mais arte que empreguemos na escrita, achamos que ficaremos sempre aquém do testemunho real do que presenciámos. Por mais confiança que tenhamos na nossa palavra, sentimos uma aura de injustiça a pairar sobre o texto... O concerto de Mogwai, ontem no Paradise Garage, foi uma dessas situações. O culminar do espectáculo naqueles mais de vinte minutos do 'My Father My King' ficará para sempre gravado na minha memória. Obrigado Mogwai, ah'm friggin' overwhelmed, aye ah am."

18. ROKIA TRAORÉ @ FMM SINES
26 de Julho de 2008
Na segunda vez que a bela Rokia Traoré veio a Sines, teve honras de encerramento de noite no castelo. Trazia na bagagem o magnífico "Tchamanché" e o espectáculo foi, ao contrário do que a actuação de quatro anos antes e o próprio disco novo deixava antever, muito movimentado, ora por culpa dos músicos (recordo o excelente baixista), ora por culpa da postura avassaladora de Traoré em palco.

19. ANIMAL COLLECTIVE @ CACILHAS, ANTIGO CLUBE NAVAL
20 de Outubro de 2005
Ainda se pensou que o concerto viesse a ser no próprio cacilheiro, em pleno Tejo, a recordar aquela vez, meia dúzia de anos antes, em que Felix Kubin deu um concerto num daqueles barcos. Mas as pessoas viriam a ser encaminhadas para as antigas instalações do clube naval local. Só isto já fazia um "happening". Só que, além disso, estávamos ali para ver os Animal Collective pela primeira vez, na prática, se não contarmos com aquela outra presença de Avey Tare e Panda Bear numa das edições do Número Festival. Era, ou melhor, é a banda da década. Escrevi, então: "(...) Depois das avarias ocorridas em dois cacilheiros, a organização preferiu não fazer o concerto no terceiro navio colocado à disposição, um ferry com poucas condições, onde quase não cabiam as várias centenas de pessoas que ontem apareceram no terminal do Cais do Sodré. Havendo, como se sabe, males que vêm por bem, a mudança de planos proporcionou assim a utilização de um magnífico local, o antigo Clube Naval, pavilhão decrépito à beira-rio (será aquele o espaço que os responsáveis do Hard Club de Gaia andaram a sondar há tempos?), a poucos metros do Espaço Ginjal. A experiência já estava a deixar marcas indeléveis na nossa memória e ainda estavam para vir os Animal Collective, depois do aquecimento com a chinfrineira de Anla Curtis. E as expectativas viriam a ser ultrapassadas. Talvez se perceba isto de melhor forma num concerto do que em disco: os Animal Collective são um corpo único, uma unidade orgânica completamente solidária nas suas partes, onde tudo faz sentido quando interage. Por mais fútil que possam parecer quando examinados à parte, aquele grito sincopado, aquele eco do timbalão, aquela voz proibidamente carregada de delay, só para citar alguns dos milhares de ingredientes que esta receita usa, fundem-se em algo que singulariza em absoluto o som dos Animal Collective. É nestes termos que se desenvolve o concerto. Como uma criatura viva, o som que é criado no palco, desenvolve-se, ganha diversas formas ao longo do processo: pequenas, redondas e singelas estimulam o espírito; grandes, fortes e crispadas fazem o corpo dançar. E sem pausas, promovendo a evolução ininterrupta destas diversas formas e dos diferentes temas apresentados, vários deles novos. E quando o corpo assumiu a forma de 'Grass' (de 'Feels', o novo álbum)? Lamento, mas receio que seja impossível de descrever esse momento em poucas palavras..."

20. EXTRA GOLDEN @ ZDB
2 de Julho de 2008
Começaram por ser Golden. Meteram-se na música (e com músicos) do Quénia e passaram a Extra Golden. Apareceram na ZDB numa noite quente de Julho e fizeram toda a gente suar ao som daquele magnífico híbrido rock-benga, que se destaca entre outras recentes experiências de diálogo entre música dita ocidental e géneros africanos. Talvez voltem novamente em breve.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #21-25

21. LCD SOUNDSYSTEM @ SBSR
4 de Julho de 2007
Lá mais abaixo, na posição 36, e a respeito dos Death in Vegas, falava daquela história típica que se passa quando vamos ver o projecto (que imaginamos como sendo apenas) de estúdio e ficamos boquiabertos como a coisa rocka forte e feio ao vivo, com banda completa e tudo. Foi também o caso dos LCD Soundsystem, que só vi, infelizmente, nesta ocasião. Escrevi, de forma muito breve, na altura: "Com a secção rítmica a dar o toque da festa, James Murphy e amigos não precisaram de muito mais para produzirem o grande (e único) estrondo da noite. Tremendo."

22. PIXIES @ SBSR
11 de Junho de 2004
Faço parte do grupo dos que não conseguiram ver Pixies na primeira ocasião que visitaram Lisboa, em 1991. 13 anos depois, faria ainda sentido? Fez, claro. As composições, todas elas peças permanentes da galeria da pop independente, continuam lá. Frank Black, Joey Santiago, Kim Deal e David Lovering podiam estar a precisar de dinheiro, podiam não ter vergonha na cara ao exporem-se perante tanta gente na primeira queca pós-divórcio, mas continuam a ser as melhores pessoas para trazerem a palco tão rico espólio. Escrevi, então, com todo o entusiasmo de quem via uma das suas bandas preferidas da adolescência: "A loucura instalou-se rapidamente. Assim que começou a soar a linha de baixo de 'Bone Machine', foi furar, furar, furar, furar, furar, até, ufff., chegar à frente, onde toda a gente pulava, dançava, 'slamava', enfim... a maior das alegrias por ver e ouvir de perto o quarteto fantástico. Por duas ou três vezes, os ténis iam ficando pelo caminho, os óculos saltando, as forças faltando, mas... cada momento era celebrado como se nada mais fosse importante. Cada tema tocado servia de motivo a enormes explosões de alegria, de gozo pela experiência ali sentida. 'Where is My Mind', 'Hey', 'Caribou', 'In Heaven (Lady in the Radiator Song)' ou 'Monkey Gone to Heaven' foram momentos mágicos. 'I Bleed', 'Something Against You' (quase inaudível para quem estava lá mais à frente), 'Isla de Encanta' ou 'Vamos' foram absolutamente trepidantes. Mas houve muito mais. Nunca mais esquecerei o final, perfeitamente diabólico, com 'Tame'..."

23. JOHN ZORN'S ELECTRIC MASADA @ AULA MAGNA
25 de Abril de 2004
John Zorn, Marc Ribot, Cyro Baptista, Joey Baron, Ikue Mori, Kenny Wollesen, Trevor Dunn e Jamie Saft. Os dedos quase tremem ao escreverem estes nomes. Se, individualmente, são colossos, quando se juntam, então, fazem estragos imensuráveis e inimagináveis. O meu amigo João Gonçalves falou assim do espectáculo, na altura: "John Zorn funciona como um maestro da orquestra do caos sonoro, consegue arrancar sequências devastadoras, tudo com simples gestos que todos os músicos entendem. E depois faz, com só uma palavra, com que o público se indentifique com tudo aquilo: 'Revolution!', gritou Zorn para a plateia da Aula Magna, em pleno dia 25 de Abril. A Electric Masada mostra que está ali a fazer tudo menos maçar o público. Há uma alegria no palco que transborda para a plateia. A experiência, musicalmente falando, é inesquecível e a vontade que dá de ficar a ouvir aquelas composições sonoras a noite toda... Há alturas em que Zorn parece Mourinho a dar indicações para o relvado, ao mesmo tempo que a sua equipa interpreta as instruções na perfeição para obter o êxito. Neste quadro, Ribot toma o lugar de sábio adjunto.
Um concerto 10/10."

24. ZU @ ZDB
20 de Fevereiro de 2004
A primeira actuação dos italianos Zu na ZDB (a segunda foi este ano), foi inesquecível. Escrevi, na altura: "Ainda apenas vamos em Fevereiro e 2004 já conheceu uma série de óptimos concertos. A actuação de ontem dos Zu, um trio de free-hardcore-jazz italiano composto por Massimo Pupillo (baixo), Jacopo Battaglia (bateria) e Luca Tommaso Mai (saxofone alto e barítono), na Galeria Zé dos Bois, foi mais uma dessas ocasiões. Pense-se em Painkiller, pense-se em Shellac (não é estranho que os Zu estejam envolvidos com gente de Chicago, como o próprio Steve Albini), pense-se em Nomeansno, pense-se numa secção rítmica tremendamente forte e irrepreensivelmente sincronizada, pense-se numa postura sempre dirigida por uma excelente disposição (o descambanço no final em 'Beat on the Brat', dos Ramones, é apenas uma pequena ilustração disto), e talvez se consiga imaginar um pouco do que foi o concerto de ontem."

25. PJ HARVEY @ TEATRO RIVOLI
30 de Outubro de 2000
As obras na praça D. João I, onde fica o Rivoli, faziam com que o local parecesse um qualquer cenário de guerra trazido pelas televisões. A ajudar ao ambiente de caos, largas centenas de pessoas tentavam arranjar forma de entrar para uma sala que já se encontrava com lotação esgotada. O mau tempo tinha transferido para aquela sala, à última da hora, um concerto que estava prometido para a rua de Santa Catarina, na inauguração da segunda loja no Grande Porto de uma conhecida cadeia francesa de retalhistas de plasmas, portáteis, livros e discos. Mas a maior responsável por tanto desejo, ora satisfeito, ora frustrado, era Polly Jean Harvey, que ali aparecia pela primeira vez em Portugal num palco só para si. Já tinha havido a actuação no Sudoeste de 98, já tinha havido a hipótese frustrada, por doença, do Coliseu dos Recreios, com Howe Gelb. Saiu a sorte grande a quem conseguiu entrar no Rivoli.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #26-30

26. TORTOISE @ PARADISE GARAGE
31 de Março de 2001
Era a primeira vez que os Tortoise, um dos meus grupos favoritos na altura, cá vinham. Tendo acordado na manhã daquele dia em Chefchaouen, em Marrocos, fiz-me à estrada a toda a brida. Ainda furei um pneu em Sevilha e tive outros percalços pelo caminho, mas consegui ainda chegar a tempo do início do concerto no Garage (onde voltariam, um ano depois, para a festa da Thrill Jockey). Se já era imperdível a priori, nunca me perdoaria, sabendo o que sei do que vi e ouvi, por ter faltado à chamada.

27. KID606 @ CASTELO DE TRANCOSO
27 de Julho de 2002
Neste Verão de 2002, a cidade serrana de Trancoso albergou no seu castelo um festival de dois dias dedicado às electrónicas e afins. O evento, integrado na Bienal Internacional de Poesia de Vila Nova de Foz Côa, juntou nomes como os de Chicks on Speed, People Like Us, Ladytron (DJ set), Hipnótica, Rafael Toral, etc. Entre estes, encontrava-se ainda Miguel Trost De Pedro, o venezuelano que se abriga sob o nome Kid606, e que se apresentaria com um arsenal de batidas e ruído que deixaram marca. O terrorismo sónico de Kid606 voltaria depois, designadamente para uma actuação na ZDB, em Outubro de 2004, mas sem conseguir superar a prestação no castelo.

28. THE SKATALITES @ FMM SINES
26 de Julho de 2003
Por falar em castelo, mas agora no de Sines, eis um dos melhores momentos de encerramento do historial do FMM. O portugalreggae.com tem uma reportagem rigorosa do espectáculo.

29. POP DELL'ARTE @ FORUM LISBOA
27 de Julho de 2005
Salvo erro, estava-se há bastante tempo sem um concerto de Pop Dell'Arte e esta foi uma bela ocasião para apaziguar as saudades. Há reportagem do Rodrigo no Bodyspace.

30. STARS OF THE LID @ NIMAS
6 de Dezembro de 2007
Nunca por cá tivemos os Labradford (a não ser que a memória me esteja a pregar a mais habitual das partidas), mas há cerca de dois anos fomos abençoados pela vinda de outro nome maior do universo de adoradores de estrelas, estetas e dos drones, escultores do ruído e do silêncio, os Stars of the Lid. E com trio de cordas. E no antigo cinema Nimas, espaço ideal não só para ouvir e sentir as melopeias planantes do duo mas também para ver as imagens que as acompanhavam.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #31-35

31. TINARIWEN @ SÃO JORGE
5 de Julho de 2007
Escrevi, na altura: "O António Pires chama-lhe a 'maior banda rock do mundo'. Entende-se perfeitamente o exagero e quase se toma por verdade absoluta o epíteto. É que daquelas três guitarras nas mãos dos Tinariwen brota energia que rebentaria com dezenas e dezenas de festivais de rock. Embora a guitarra eléctrica não fosse um instrumento comum entre os povos tuaregues, até há bem pouco tempo, já há algumas décadas que se ouve com frequência na música do Mali, do Senegal, das Guinés, dos Camarões, enfim, de toda a África Ocidental. E os blues, afinal, nasceram ali, nas margens do Níger. Mas estes antigos guerrilheiros da libertação tuaregue, contaminados pelas distorções que ouviam nos discos de rock nos campos militares líbios, fazem das suas guitarras autênticas armas, enquanto na sua língua procuram chamar a atenção para a história de opressão vivida por este ancestral povo nómada. Tal é o chamamento dos riffs e das escalas pentatónicas dos Tinariwen que o corpo, na melhor e mais característica qualidade do rock, se deixa levar imediatamente aos primeiros ritmos. Foi o que aconteceu, por exemplo, na noite de ontem, com a plateia do São Jorge Sauna Club a levantar-se logo desde os primeiros instantes e a entregar-se à torrente sónica que subia desde o palco. Nem o calor que a sala ultra-lotada e a inexistência de ar condicionado patrocinavam foi impeditivo para a celebração do maior ritual já alguma vez inventado pelo homem (ah, o 'concerto de rock'). As guitarras -- mais uma vez, é impossível fugir ao protagonismo delas --, apesar de apoiadas apenas num pobre djambé e num resistente baixista, mas também elas compensadoras da parte rítmica, foram enredando-se em padrões repetitivos -- não é quase sempre assim a melhor música popular, dos monges budistas aos LCD Soundsystem? -- os quais, como ondas, iam provocando impacto nos corpos e almas em redor. No final, ninguém os queria deixar ir embora e teve que haver um segundo encore, mesmo depois das luzes da sala terem acendido. Inesquecível."

32. PATTI SMITH @ COLISEU DOS RECREIOS
28 de Outubro de 2007
Relato de então: "Eu vi a Patti Smith chorar de alegria. Foi perto do final de 'Rock'n'Roll Nigger', já nos derradeiros instantes do concerto de ontem no Coliseu dos Recreios. Como é que uma mulher que carrega com as marcas amargas que a vida se lembrou de lhe trazer, com mais de 30 anos de carreira (com uma pausa prolongada pelo meio), consegue ainda ficar assim tocada por uma plateia? É certo que é uma plateia que a adora desde o início, aliás, mesmo antes do início. É certo que a empatia é mútua, com Patti Smith a elogiar a Lisboa bonita e independente dos Starbucks. Ou quando lembra a Lisboa que havia nos seus estudos, numa fase final da vida do seu marido Fred 'Sonic' Smith. Ou quando a aluna de Rimbaud decide dedicar uma música a Pessoa e, mais tarde, pôr este nos versos improvisados de 'Perfect Day', de Lou Reed. Mas aquelas lágrimas impossíveis de conter diziam tudo. Era o final de uma noite magnífica para todos. Para o público, para a senhora Smith, para a sua banda, onde ainda reina o seu guitarrista de longa data, Lenny Kaye, que aproveitou da melhor forma o descanso da cantora para puxar pelos acordes de 'Pushin' Too Hard', dos Seeds. Foi uma noite com muitos tributos, não sendo estranho o facto do último álbum de Smith ser justamente um álbum de covers. Deste, ouviu-se uma versão longa e entremeada com poemas de Smith de 'Are You Experienced?', de Jimi Hendrix, e 'Smells Like Teen Spirit', extropiado do pessimista 'how low' tal como na versão gravada em 'Twelve'. Mas também houve 'Gloria', 'Dancing Barefoot', 'Because the Night', 'People Have the Power' e outros clássicos da carreira de Patti Smith. Duas horas de concerto que puseram novos e velhos aos saltos, aos berros e, claro, com um enorme sorriso na cara no final de uma noite de domingo. Esta semana vai ser mais produtiva."

33. ALI FARKA TOURÉ & TOUMANI DIABATÉ @ ANFITEATRO KEIL DO AMARAL
22 de Julho de 2005
A presença de Ali Farka Touré em Lisboa era o acontecimento do ano. E, para tal, o magnífico anfiteatro do parque de Monsanto encheu-se de público. E se bastaria a guitarra de Ali Farka para já valer a pena, o que dizer da presença, entre outros músicos, do "dieu de la kora" (assim lhe chamava Ali Farka) Toumani Diabaté? Cerca de oito meses depois, um tumor ósseo venceria a luta que Ali Farka travou pela vida e a música africana ficava imensuravelmente mais pobre.

34. AMADOU & MARIAM @ FMM SINES
28 de Julho de 2005
Depois de Ali Farka Touré e de Toumani Diabaté, mais um grupo de excelência vindo do Mali, encabeçado pelo casal Amadou & Mariam. Beleza, ritmo e simpatia a rodos. Já cá voltaram noutras ocasiões e são sempre bem-vindos.

35. MUDHONEY @ CULTO CLUB
11 de Julho de 2007
O que escrevi, então: "Há mais de quinze anos que aguardava este concerto dos Mudhoney. Na altura, as cassettes rodavam que se fartavam no walkman, mas faltava o concerto. As descrições que ia lendo nos jornais ingleses, particularmente aquela inesquecível reportagem no NME a propósito do lamaçal de Reading em 1992, contribuiam ainda mais para cavar esta lacuna ontem preenchida, finalmente. De perto, nota-se que Mark Arm tem os olhos mais sumidos. Os traços faciais estão mais vincados. Enfim, está mais velho, como todos nós, mas isso não transparece naquela voz rouca e aguda. Continua perfeita. A presença em palco, e isso também é válido para todos os Mudhoney, quase engana quem não conheça a história do grupo. Parece que se formaram ontem, que estão a dar os primeiros concertos. E não fazem frete a tocar para duas ou três dezenas de pessoas, como se o tempo não tivesse passado. Mesmo quando os parceiros de berço Pearl Jam tocam hoje para multidões de estádio (há coisas que custam a entender na vida). Houve temas de todos os discos, de 'Superfuzz Bigmuff', de 1988, a 'Under a Billion Suns', de 2006. Ao longo de cerca de duas horas, não se ouviu 'Here Comes Sickness', mas deu para recordar coisas como 'You Got It (Keep It Outta My Face)', 'Touch Me I'm Sick', 'Suck You Dry', 'Burn it Clean' (alguém que me confirme se não estou a sonhar com esta), 'When Tomorrow Hits', o mais recente 'Where is the Future', ou ainda as versões de 'Hate the Police', dos Dicks, e 'Fix Me', dos Black Flag, com que terminou a noite. Há mais de quinze anos que eu esperava por este concerto. E é incrível como tanto tempo de expectativa acumulada não saiu dali defraudada, bem pelo contrário. (...)"

Prédio do Hot Clube ardeu

Esta madrugada, as chamas consumiram o prédio onde se situava o Hot Clube de Portugal. O edifício da praça da Alegria, que já se encontrava em avançado estado de degradação, deixa definitivamente de ter condições para albergar o clube de jazz. Notícia no Público.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #36-40

36. DEATH IN VEGAS @ SONAR
15 de Junho de 2000
Com os Death in Vegas aconteceu aquela boa surpresa que temos quando vamos ver alguns projectos que achamos que são apenas (excelentes) projectos de estúdio, quase laboratoriais, com tudo para falhar na transposição para o palco. Aquela magnífica máquina de ritmo, com banda completa, provou exactamente o contrário e toda a gente, incluindo quem os viu num mítico festival de Arcos de Valdevez, no mesmo ano, falou do(s) espectáculo(s) durante bastante tempo.

37. CURRENT 93 & ANTONY @ TEATRO IBÉRICO
8 de Fevereiro de 2003
Antony Hegarty era ainda um virtual desconhecido para o público português. David Tibet apadrinhou-o, mais um numa interessante galeria de artistas fundamentais, e os Current 93 tiveram no Teatro Ibérico um cenário fantástico para uma actuação irrepreensível (tal como aconteceria no ano seguinte, no mesmo espaço).

38. EELS @ LUX
25 de Maio de 2000
Foi, salvo erro, a primeira vez que o senhor E veio a Portugal e muita gente aguardava com expectativa esta apresentação. Passavam dois anos da edição de "Electro-Shock Blues", talvez o melhor disco do projecto e o espectáculo roçou a perfeição. E a doce Lisa Germano esteve presente, ao violino, fazendo desta a sua primeira aparição num palco português. Os Eels voltaram ainda no ano seguinte, para outro bom espectáculo, dessa vez no Paradise Garage.

39. CALEXICO @ PARADISE GARAGE
4 de Março de 2001
Era a melhor altura para se ter visto os Calexico, pouco tempo depois da saída de "Hot Rail". A partir daí, tornar-se-iam banais, previsíveis, aborrecidos. O espectáculo no Paradise Garage teria sido ainda melhor se não fosse aquela participação do Paulo Bragança.

40. MÃO MORTA @ GAIA, HARD CLUB
13 de Dezembro de 2002
Há uma regra nesta lista que diz que os artistas não são repetidos, mesmo quando se justificaria aqui incluir dois ou mais concertos que ao longo da década tenham apresentado motivos suficientes para ser considerados entre os 100 melhores. Abro aqui uma semi-excepção. A outra citação aos Mão Morta (posição 74) referia-se ao espectáculo Maldoror, um registo bastante diferente do habitual. Entre as mais de duas dezenas de vezes que os vi ao vivo ao longo desta década, destaco esta passagem da "Carícias Malícias Tour" pela antiga sala de concertos ribeirinha, espaço magnífico para um concerto dos Mão Morta, com público fiel e o regresso, por momentos, à formação original da banda, através da participação especial do baixista Joaquim Pinto.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #41-45

41. LISA GERMANO @ SANTIAGO ALQUIMISTA
2 de Dezembro de 2006
Se alguma vez me apaixonasse por alguém em palco, teria que ser a Lisa Germano (OK, esqueçam, o condicional; até foram várias vezes que uma relação platónica entre plateia e palco ganhou forma, mas a Lisa Germano estaria sempre no primeiro lugar dos afectos...). "Tantos anos de espera para a ver ao vivo e não há uma ponta de desilusão que manche tanta expectativa. Bem pelo contrário, aliás.", escrevi na altura.

42. YO LA TENGO @ PARADISE GARAGE
6 de Abril de 2001
Vi os Yo La Tengo por diversas vezes e esta actuação no Garage, com muita ajuda da intimidade que o espaço proporcionava entre público e banda, foi a mais marcante. Sentíamos de perto a melancolia dos registos mais calmos, o frenesi dos desvarios sónicos, as brincadeiras em palco (tão cómica que foi a versão do "You Sexy Thing"...).

43. WARSAW VILLAGE BAND @ FMM SINES
29 de Julho de 2004
Esta foi a primeira vez que os polacos da Warsaw Village Band foram a Sines. Centrados na tradição folk do Norte da Europa, evocativos em parte dos Hedningarna e de outros projectos nórdicos, o grupo teve nesta edição uma actuação explosiva que não encontraria tanto eco assim no regresso ao local do crime, ocorrido neste ano de 2009.

44. DAT POLITICS @ ZDB
27 de Maio de 2004
Antes do concerto, à porta da ZDB, o Fernando Magalhães dizia a turistas estrangeiros, que lhe perguntavam o que se ia passar, que era uma banda pop francesa. Pop. Ficou para sempre estampado o rótulo naqueles que já tinham dado pelo nome de Tone Rec, que abrasivos eram e abrasivos continuaram. Mas, para nós, era a melhor banda pop francesa do mundo.

45. DIRTY PROJECTORS @ ZDB
6 de Junho de 2008
Discos estupendos, "Rise Above" e "Bitte Orca" (nunca pus os ouvidos nos anteriores), e uma postura em palco avassaladora. Produto de Brooklyn que não é apenas imagem para consumo de fashionista.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #46-50

46. MOR KARBASI @ FMM SINES
20 de Julho de 2009
Escrevi, na altura: "Ao meu lado, uma mulher batia com a mão no peito. Eu sentia os olhos a lacrimejarem. No palco, a israelita Mor Karbasi começava a cantar os primeiros versos de 'Rua do Capelão', de Amália Rodrigues, num português magnífico, com um arrojo vocal de fazer cair os queixos. Foi o momento da noite, será certamente um dos episódios mais notáveis desta edição do FMM, mas o espectáculo da israelita, acompanhada por piano, guitarra eléctrica, baixo e percussão, não se resumiu apenas a tal. Se há noites para a qual a palavra beleza existe é para descrever tanto Mor Karbasi como o seu espectáculo."

47. SONIC YOUTH @ SONAR
14 de Junho de 2001
Das vezes em que vi os Sonic Youth ao longo desta década, dou destaque à apresentação feita no Sonar (nesta lista dos "100 mais" não há repetições de nomes, salvo poucas excepções). O quarto disco da colecção SYR, "SYR4: Goodbye 20th Century", aquele em que a banda se pôs erudita, a interpretar compositores vanguardistas (John Cage, Steve Reich, Pauline Oliveros ou até Yoko Ono, entre outros), tinha saído há pouco menos de dois anos, mas havia o pretexto de uma mini-digressão europeia num formato muito especial. Nas palavras do Thurston Moore, "it was us sitting down on stage with music stands and people handing out programs. The most interesting one was at the Sonar festival in Barcelona, which is an experimental electronic music festival. These kids were there and they didn’t like it; I could really feel it. I realised afterward that what they were hearing would be like if we played some avant-jazz festival and came out playing King Oliver. We were playing these early pioneers of electronic music pieces, some Fluxus music, all this fuddy-duddy academic music at a cutting-edge electronic festival. In a way we were really squaresville."

48. MARC RIBOT & THE YOUNG PHILADELPHIANS @ FMM SINES
29 de Julho de 2005
Depois dos Sonic Youth, outro ícone nova-iorquino, nómada da música (das músicas), doutor da guitarra (das guitarras). Neste FMM, só os KTU de Kimmo Pohjonen o ultrapassaram na lista de preferências.

49. PANDA BEAR @ ZDB
3 de Fevereiro de 2005
Foram três as vezes que Panda Bear se apresentou na ZDB, para actuações curtas (nunca muito mais de meia hora), mas extremamente eficientes. Esta foi a terceira dessas ocasiões, numa noite que contou ainda com Ariel Pink e Signer. Escrevi: "Na primeira vez, foi loops de guitarras acústicas e outros sonsfolkish mais a voz. Na segunda vez, Panda Bear introduziu o beat de forma mais explícita. Prosseguindo o crescendo, este terceiro concerto teve uma abordagem claramente mais rítmica, com loops e beats para fazer quase dançar. Destaque para o último tema, que rematou de forma soberba e surpreendentemente coerente o espectáculo. Panda Bear chegou a África. Chegou ao transe do afro-beat. Houvesse ali daqueles riffs de guitarra eléctrica característicos de milhentas bandas pop do Zimbabué e nem se estranharia. Momento inesquecível."

50. SEPTETO ROBERTO JUAN RODRIGUEZ @ FMM SINES
31 de Julho de 2004
Escrevi: "A maior surpresa do festival, aqui para o tasco, foi Roberto Juan Rodriguez. Klezmer, muito klezmer, irrepreensivelmente tocado, com os timbalões de Rodriguez a evocar os ritmos da sua terra natal, Cuba. E Rodriguez é mesmo um colosso na bateria, algo que ficou por demais evidente no encore final. As muralhas do castelo de Sines não ruiram por pouco."

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

As respostas dos Velvet Underground na NYPL

Lou Reed, Moe Tucker e Doug Yule estiveram no passado dia 8 na New York Public Library a responder a perguntas de fãs. A transcrição áudio da sessão foi disponibilizada entretanto pela biblioteca, aqui.

Os 100 mais de uma década de concertos, #51-55

51. MY BLOODY VALENTINE @ PRIMAVERA SOUND
28 de Maio de 2009
Escrevi, na altura, a propósito do som ensurdecedor do espectáculo dos MBV: "À entrada, nos dois primeiros dias, respectivamente os dos concertos dos irlandeses no palco principal e no auditório, a organização distribuía aos participantes tampões para os ouvidos. É que -- e eu só vi o concerto do palco principal -- o volume e o ruído que ali se produziram desafiou tudo o que até hoje já se viu, perdão ouviu, à frente de um palco. Não espanta que haja quem fique com a audição reduzida depois destes concertos de regresso da banda de Kevin Shields (a começar pelo próprio). A demonstração de maior coragem, tanto por parte da banda como do público, veio com 'You Made Me Realise', com que os MBV têm encerrado estes concertos, onde no meio surgem quase vinte minutos de ruído intenso, só eventualmente comparável ao que se ouvirá no interior de um reactor de um avião ou pairando por entre nuvens em permanente colisão."

52. PAN SONIC @ LUX
5 de Novembro de 2004
Escrevi, na altura: "Devastador. Depois das armas não convencionais, depois das armas químicas, teremos, um dia destes, alguém do outro lado do Atlântico a exigir que a Finlândia (*) entregue o seu arsenal de armamento sonoro, onde a mais destruidora peça de artilharia são os Pan Sonic, que ontem fizeram parada militar no Lux, por ocasião do Número Festival 2005. (Continua...)"

53. THE YOUNG GODS @ AULA MAGNA
18 de Março de 2001
Por mais vezes que tivesse visto, até à altura (ou depois), o trio suíço, cada espectáculo, como foi o caso deste, continua a mexer não só nas memórias de adolescência, como a produzir emoções e frémitos bem presentes. E o estrondo na Aula Magna foi potente.

54. RADIOHEAD @ COLISEU DOS RECREIOS
22 de Julho de 2002
Esta era, arriscaria, a melhor fase dos Radiohead. Não estive no primeiro concerto deles por cá, porque nunca consegui perceber aqueles primeiros discos, mas pouco ou nada me faria perder a ocasião de os ver com esta nova atitude.

55. ESTILHAÇOS: ADOLFO LUXÚRIA CANIBAL + ANTÓNIO RAFAEL @ ZDB
21 de Janeiro de 2006
O line up é muito simples. O Rafael ocupa-se do piano e das programações enquanto o Adolfo lê excertos do seu livro "Estilhaços" (em apresentações posteriores, juntar-se-ia ao projecto o Henrique Fernandes no contrabaixo). Escrevi, então: "'Estilhaços', o espectáculo, é muito mais do que uma simples leitura de textos. O Adolfo, sentado, evita a declamação e entrega-se à performance dramática, a partir dos ambientes que já se liam nas entrelinhas dos seus textos. A escolha destes textos é variada, desde aqueles que foram escritos há quase trinta anos, como o frenético 'Braga, Meu Amor', durante a sua vida de estudante em Lisboa, como o diário de viagens entre o bairro dos Prazeres e a Graça patente em 'Orçamento Geral de Estado', ou outros, mais recentes, marcados por quotidianos parisienses, como no alegre 'O Tempo que Passa' ou no pungentemente triste 'A Filha Surda'. O Rafael, por sua vez, ajuda a sublinhar as dinâmicas do texto, com um piano que soa a neoclássico, como Wim Mertens a fazer música para Greenaway. Ficou muito acima de qualquer expectativa levada para esta minha primeira experiência com o 'Estilhaços' ao vivo."

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #56-60

56. SHELLAC @ PRIMAVERA SOUND
29 de Maio de 2009
Era um dos nomes que aguardava com maior antecipação nesta minha estreia primaveril. Escrevi: "Steve Albini é Deus. Pouco depois de Jarvis Cocker, a quem Albini produziu o mais recente álbum, acabar no palco principal, voltou com os seus parceiros Bob Weston e Todd Trainer ao palco ATP, para ali produzir um dos maiores estrondos do festival. Som perfeito, coisa pouco frequente neste palco (pior ainda era o RockDeluxe, já agora), experiência e técnica a rodos entre os três, permitindo um entrosamento magnífico como banda, coisa também nem sempre frequente em muitas das outras bandas, especialmente as deste palco, e um alinhamento magnífico (fez falta o 'Prayer to God'). Grande final com 'The End of Radio', uma de várias que foram buscar ao último álbum, numa performance apoteótica, onde nem sequer a bateria, que foi desmontada peça a peça por Albini e Weston, sobrou. Memorável. Só por isto já teria valido a pena este Primavera."

57. COMETS ON FIRE @ ZDB
13 de Outubro de 2006
Já os esperávamos desde a saída do magnífico "Blue Cathedral". Ao vivo, são tudo o que se dizia sobre eles. Um intenso combo sónico feito de arremetidas em parte stoner, em parte psicadélicas, em parte do rock mais clássico. E o Ben Chasny (Six Organs of Admittance) a tocar guitarra eléctrica com uma fúria descontrolada.

58. SIGUR RÓS @ CCB
9 de Abril de 2001
Já os tinha visto em Londres, no ano anterior, a aquecerem para os godspeed you black emperor!, mas foi aqui, com palco só para eles, que deu para apanhar, em pleno, os islandeses na sua melhor forma. Mais alguns anos e já não seriam mais do que uma caricatura de si mesmos.

59. GAITEIROS DE LISBOA @ FMM SINES
27 de Julho de 2006
Vi os Gaiteiros o mais que pude nos anos 90. Depois, o grupo deixou de ter uma presença habitual nos palcos, na mesma medida que se levantaram complicações às edições de novos trabalhos. O espectáculo no Castelo de Sines serviu de reencontro com o que continuo a achar ser o que melhor aconteceu à música portuguesa nos tempos recentes. E não falo apenas no ghetto das tradicionais, porque reduzir os Gaiteiros a tal é nunca ter compreendido aquilo que eles fazem.

60. LHASA @ FORUM LISBOA
7 de Julho de 2004
Tem um disco, "La Llorona", que é das coisas mais bonitas que se ouviu no final dos anos 90, e que em muito terá contribuído para que o Forum Lisboa enchesse para assistir a um belo espectáculo, melhor até do que o da Aula Magna. E cantou um fado de Amália, não só aqui mas também nas outras paragens desta digressão. Reportagem do concerto.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

No próximo sábado...

Os 100 mais de uma década de concertos, #61-65

61. SUPERSILENT @ GULBENKIAN
6 de Agosto de 2000
No ano 2000, Rui Neves regressava à programação do Jazz em Agosto e, com ele, o evento anual da Gulbenkian lançou-se a nomes das fronteiras do jazz, para lá daquele território até, nas opiniões mais conservadoras. Foi neste contexto que surgiram os noruegueses Supersilent, improvisadores de primeira, num registo electro-acústico que faria escola no selo Rune Grammofon. Um privilégio para quem esteve no anfiteatro.

62. KIMMO POHJONEN KLUSTER @ TAGV
1 de Dezembro de 2004
Se o diabo tocasse acordeão, ficaria roído de inveja com Kimmo Pohjonen. Na altura, escrevi, entre outras coisas, que "Pohjonen está para a tradição europeia do acordeão como Diamanda Galás está para os cabarets de Berlim. Está tão distante de Kepa Junkera, para nos situarmos em terrenos dos foles, como a israelita Meira Asher está, no terreno da voz, da inglesa June Tabor. É um autêntico diabo em palco. Ou melhor, é um Dr. Fausto perdido, com a alma já vendida a Méphistophélès, e que em palco tenta esconjurar o demónio."

63. SMOG @ CLUBE LUA
26 de Setembro de 2005
Ele sorriu. Ele não é tão mau assim! Foi a única vez -- com pena -- que vi o Bill Calahan ao vivo.

64. GOGOL BORDELLO @ FMM SINES
28 de Julho de 2007
Escrevi o que se segue na altura e cada vez mais tenho a vontade de carregar em certas palavras: "Sábado à noite, a gogolândia instalou-se no Castelo. Não foi preciso muito para que aqueles milhares de pessoas começassem a suar abundamente aos pulos com que acompanhavam a música. Continuo a achar os Gogol Bordello demasiado azeiteiros, da voz a alguns padrões rítmicos muito semelhantes ao nosso 'pimba', continuo a achar que estão muito longe de serem uma versão balcânica dos Pogues ou dos Ukrainians (porque estes sabiam tocar a sério e sem puxar alarvemente pelo lado "cheesy" da coisa), mas, porra, incendiaram o castelo (calhou-lhes bem o tradicional fogo de artifício do FMM). Fizeram aquilo que era pedido para terminar os concertos no castelo: uma enorme festarola."

65. AAVIKKO @ CAFÉ LUSO
19 de Novembro de 2000
Belo bailarico o que se instalou no mítico Café Luso, ao Bairro Alto. Foi uma óptima oportunidade de celebrar, com estes finlandeses casiomaníacos, a fase boa da electrónica mais lúdica, onde cabia também o alemão Felix Kubin (esteve nesta mesma noite), o russo Olek Kostrow (dos Messer für Frau Müller, do qual derivaram os hoje mais famosos Messer Chups, com o outro Oleg), o polaco Nova Huta, entre outros.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Alèmu Aga em Lisboa e Porto


"But there is one instrument which is unique to Ethiopia it is the begena. The begena is a big lyre, something like one-and-a-half meters. This instrument used to be played by the nobility, by priests and learned people. It was high society. You could not say that a begena player was an azmari. This was an instrument related to religion and nobility. Nowadays the nobility has disappeared, but the begena continues to be played. It was almost destroyed during the revolutionary period because precisely it was related to the nobility which the revolution had abolished, and related to the church, which the Stalinest government did not encourage. So , it has come back slowly through brilliant exponents like Alèmu Aga for instance. And nowadays, for the most important religious period of the year, like Christmas, Easter, the radio plays extensively this type of music. But it is not the kind of music you can play during the mass at the church. It is not the type of music you can play in the church. It is played in religious contexts, but it is not an instrument of the church."
(Francis Falceto, o criador da série de discos "Ethiopiques", na editora Buda Musique)

O Maria Matos, em Lisboa, e a Culturgest, no Porto, vão receber nas próximas quinta e sexta-feira, respectivamente, Alèmu Aga, mestre na interpretação da begena, uma lira etíope que, no folclore local, se acredita ser a famosa harpa do Rei David. Vêm aí, pela mão da Filho Único, dois serões imperdíveis de música de celebração popular cristã, meditativa até mesmo para ateus. Ambos os espectáculos começam às 22h e a entrada custa 10€ no Maria Matos (5€ para os sub-30) e 5€ na Culturgest do Porto (NOTA: Foram repostos os valores originalmente publibicados aqui, desfazendo-se assim a correcção desnecessária. ESTES SÃO OS VALORES DEFINITIVOS).

(Para quem quiser saber mais da colecção "Ethiopiques" e da música e história da Etiópia, fica aqui o link para a magnífica entrevista a Francis Falceto, que também estará por cá nos próximos dias, da qual se cita as palavras no início desta postagem. Obrigado, Pedro!)

Os 100 mais de uma década de concertos, #66-70

66. THINK OF ONE @ TEATRO VARIEDADES
28 de Junho de 2006
Integrado, salvo erro, num conjunto de iniciativas que, de alguma forma, estiveram associadas à realização do Mundial da Alemanha e à transmissão da bola no Teatro Mayer, a mini-cidade lisboeta de teatros serviu de palco a um conjunto de iniciativas nas músicas do mundo, entre as quais este espectáculo dos Think of One. Escrevi na altura: "O que fazem os Think of One? Não há uma resposta única possível, porque esta trupe de flamengos já se meteu com a música do Brasil, de Marrocos, do Congo, das Balcãs, etc., dando-se ao luxo de pegar no jazz, no rock (e até mesmo no hardcore, como acontece no tema 'Tahina') e misturar tudo como se fosse a coisa mais normal do mundo. Ontem, trouxeram ao Parque Mayer (Teatro Variedades) o capítulo das viagens pelo nordeste brasileiro, presente em discos como 'Chuva em Pó' e o mais recente trabalho, 'Tráfico'. Nos seus mais de sessenta anos de idade, seria a Dona Cila do Côco a captar a maior atenção dos presentes, com a jovialidade e apego com que se entrega aos desvarios dos excelentes músicos flamengos e brasileiros que se espalhavam pelo palco. Cedo se instalou uma enorme festança, com as percussões a mandarem quase o teatro desta para melhor. Ao vivo, os Think of One excedem-se a um ponto quase inimaginável para quem os conhece dos discos. É um dos concertos do ano."

67. ORCHESTRA BAOBAB @ FMM SINES
24 de Julho de 2008
Antecipei muito, mas mesmo muito este espectáculo, ao ponto de recear que o excesso de expectativa contra-atacasse na altura. Mas acabei por não conseguir parar de dançar do início ao fim, de sorriso idiota estampado na cara.

68. BASSEKOU KOUYATÉ & NGONI BA @ FMM SINES
17 de Julho de 2008
Não foi preciso muito para que toda a gente presente no pequeno auditório de Sines ficasse rendida ao blues dançante proporcionado pelas ngoni (guitarra maliana) do grupo de Bassekou Kouyaté, que já tinha dado um excelente concerto no África Festival, em Belém, no ano anterior.

69. CARLOS BICA TRIO AZUL C/DJ ILL VIBE @ FMM SINES
26 de Julho de 2007
Chamei na altura à actuação do trio Azul com o convidado Ill Vibe "festival de fronteiras abertas". O conservadorismo é palavra que nunca fez parte do dicionário de Carlos Bica, Frank Möbus e Jim Black, músicos de outro mundo que se encaixaram de forma perfeita com um DJ para fazer coisas bonitas, como diria o Artur Jorge, em palco.

70. GIANT SAND @ SANTIAGO ALQUIMISTA
4 de Junho de 2005
Reencontro com um amigo, Howe Gelb, agora com a banda que representa desde há mais de vinte anos (e que terá cá estado apenas nesta ocasião, incluindo Braga, se não estou em erro... e até sou capaz de estar).

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #71-75

71. PERE UBU @ AULA MAGNA
26 de Setembro de 2000
Já lá vão quase dez anos e as memórias já não são muitas, tirando aquela que me diz que adorei o espectáculo e a do medo que cheguei a sentir pela figura imponente e autoritária de David Thomas no centro do palco. Espectáculo bom para se usar a expressão "foi medonho!".

72. RACHID TAHA @ FMM SINES
27 de Julho de 2007
Uma meia hora antes de subir ao palco, consegui evitar uma rota de choque com Monsieur Taha, no backstage. Logo a seguir, quando ele chegou ao catering, receei que se baldasse para cima do balcão a qualquer instante. "Não vai conseguir subir ao palco", imaginei, quando ainda me lembrava do vídeo que tinha chegado ao youtube semanas antes do espectáculo, com Taha inconsciente em pleno concerto. Enganei-me, porque a actuação do argelino e da sua banda foi uma das mais estrondosas desta edição do FMM. Houve "Barra", houve "Rock in El Casbah" e várias outras razões para não me esquecer desta prestação diabólica.

73. FAIZ ALI FAIZ @ FMM SINES
25 de Julho de 2008
No qawwali, música religiosa dos sufistas paquistaneses trazida ao resto do mundo pela voz de Nusrat Fateh Ali Khan, não é de todo necessário entender-se as palavras com que aqueles homens sentados no chão pretendem levar a comunidade de ouvintes ao wajd, ao estado de êxtase, ao contacto com Alá. Verborreia religiosa à parte, se Alá é aquilo a que a cerimónia de Faiz Ali Faiz desencantou, eu quero ser islamista (e, não vale a pena irem por esse caminho que estão a pensar: ao contrário de outras, aquela noite até foi serena nisso).

74. MÃO MORTA MALDOROR @ THEATRO CIRCO
12 de Maio de 2007
Estes eram os Mão Morta, mas não eram os Mão Morta. Não eram os Mão Morta do rock'n'roll vicioso, eram os Mão Morta de Maldoror, o livro que andava há anos e anos a pedir ao Adolfo e ao Miguel Pedro para ser trabalhado pelo grupo em palco. Destaco a estreia do projecto (ainda que esta tenha sido a segunda das duas noites no Theatro Circo), a primeira que vi Maldoror ao vivo. Escrevi na altura: "Maldoror, o espectáculo, é terrivelmente assombroso. A tarefa impossível de passar para o palco tudo o que é cantado por Maldoror, a personagem, na obra de Isidore Ducasse, encontra neste compromisso assumido pelos Mão Morta a solução ideal e, sem qualquer margem de dúvida, bem sucedida. A elegia do Mal, da repulsa, do nojo ('Estou sujo, roído pelos piolhos e os porcos quando olham para mim vomitam'), do humor mais negro (o comício de 'A Poesia') ilustrada no interminável mostruário (ou monstruário, se quiserem) de vícios e arrazoados de maledicência é capturada no essencial pela selecção de textos feita por Adolfo Luxúria Canibal, cabalmente sublinhada na música dos restantes Mão Morta, nos encadeamentos dramáticos encenados por António Durães e no desempenho de toda a equipa envolvida na produção (os figurinos é que podiam ser menos neo-gótico-industriais, convenhamos).

75. WRAYGUNN @ ZDB
1 de Julho de 2004
Sem coros de gospel, sem grandes produções, Wraygunn em versão rock'n'roll pura, numa sala feita para se suar.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #76-80

76. UXU KALHUS @ MERC. RIBEIRA
13 de Março de 2004
Ah, as saudades dos bailes promovidos pelos Uxu Kalhus no Mercado da Ribeira. E a surpresa de ver tanta, tanta gente, a seguir ao pormenor as mazurcas, jigas e várias outras danças de tradição europeia. Bailarico sempre até às tantas da noite.

77. JACKY MOLLARD ACOUSTIC QUARTET @ FMM SINES
24 de Julho de 2007
Escrevi, na altura: "Foi, para mim, o primeiro grande estrondo do FMM deste ano. É certo que, em Porto Covo, os Etran Finatawa e o Darko Rundek já tinham rendido bastante, mas na segunda-feira, no Centro de Artes de Sines, o Acoustic Quartet do bretão Jacky Mollard produziu a primeira das grandes maravilhas ao vivo do festival. A canção irlandesa tem andado um pouco arredada dos festivais de música do mundo, se exceptuarmos naturalmente os intercélticos que se vão realizando pelo Norte do país. Quando se encontra um "fiddler" como o Jacky Mollard (parecido com o Fausto como qualquer outro bretão) é motivo de grande regozijo. Já para não falar do encontro de novo com ele na companhia do seu acordeonista na esplanada do bar do Salão Musical, para uma jam até às tantas da manhã..."

78. VIRGÍNIA RODRIGUES @ COLISEU DOS RECREIOS
22 de Abril de 2000
Raramente se ouve falar de Virgínia Rodrigues, pelo menos por cá. Já sabemos que a grande massa de público português está mais interessado noutros andamentos da música brasileira, mas a baiana nem tão pouco surge como tema nos meios mais atentos ou mais exigentes. Virgínia Rodrigues tinha sido descoberta por Caetano Veloso pouco tempo antes deste concerto em Lisboa, o que lhe terá provavelmente aberto as portas para concertos em salas como o nosso Coliseu dos Recreios. Não me consigo recordar se estaria cheio, se o público aderiu. Mas tenho a certeza que fui dominado, in loco, por aquela impressionante voz de cantora erudita a visitar temas escritos e popularizados por outros, tal como conhecia do magnífico disco de estreia, "Sol Negro", lançado pela Natasha, editora de Caetano.

79. OQUESTRADA @ INCRÍVEL TASCA MÓVEL (no CCB)
10 de Agosto de 2007
Escrevi, na altura, que era a festa do ano. "Esta é uma noite de e para gente alegre que se senta à volta das mesas, que bebe um copo, dois, três e por aí fora, enquanto sorri à candura de Miranda, à viagem estética dos Oquestrada (....)". Há mais do que Oquestrada na "Incrível Tasca Móvel", o espaço que os velhos não esquecem e os jovens adoram, mas o grupo de Miranda e Jean Pablo surge como o principal impulsionador. E mesmo quando não é no âmbito da Incrível Tasca Móvel, são uma das melhores opção para uma noite bem passada que por cá temos (enquanto não saltarem de vez a fronteira e porem-se a mostrar aos outros o que é esta maneira divertida de se ser português).

80. HARRY MANX @ FMM SINES
26 de Julho de 2007
À medida que o sol ia ameaçando desaparecer até ao dia seguinte, o manês (espécie de gentílico inventado à pressa para quem provém da Ilha de Man) Harry Manx cativou o público junto à praia, com o seu blues impregnado de raga, com uma mohan veena (uma guitarra adaptada à música clássica indiana. Aprendi a cortar na palavra sublime como quem corta no açúcar para o café, mas aqui vou ter que dar uma facadinha e usar o termo. Sublime.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #81-85

81. ANONIMA NUVOLARI @ CATACUMBAS
19 de Setembro de 2007
Em pouco mais de dois anos, já vi por mais de dez vezes os Anonima Nuvolari, pandilha absolutamente chanfrada de italianos a viverem em Lisboa. O alinhamento não tem mudado muito -- excepção feita a uma memorável véspera de 25 de Abril na ZDB, em que, sob o nome de Anarchica Nuvolari, se puserem a tocar temas revolucionários -- mas, por mais que já se conheça de trás para a frente aquelas canções napolitanas de meio do século passado, tocadas de uma maneira muito especial, a festa está sempre garantida. E neste concerto nas Catacumbas, cometeu-se a proeza -- arriscaria, inédita -- de se tirar as mesas e cadeiras da sala principal, para que toda a gente pudesse dançar. E dançaram que se fartaram. E ouviram a bela voz de Chiara, que nem sempre aparece no meio dos outros italianos.

82. SIX ORGANS OF ADMITTANCE @ ZDB
10 de Junho de 2004
Era capaz de ficar horas a ver Ben Chasny a dedilhar a guitarra. Este os vários espectáculos a que assisti, destaco o primeiro de todos. Três meses depois, viria novamente a Lisboa, desta vez com os Current 93. Se fosse futebol, dir-se-ia que Chasny trazia a magia que o esoterismo da equipa de Tibet precisava.

83. HIPNÓTICA @ ZDB
4 de Abril de 2003
Já perdi a conta ao número de vezes que vi Hipnótica ao vivo. E ao número das que gostei do que vi e ouvi, que é quase sensivelmente o mesmo. Destaco este, em que o grupo fez, ao vivo, a banda sonora de um filme, o qual me escapa neste momento.

84. DAVID THOMAS BROUGHTON @ ZDB
5 de Março de 2008
Quando um gajo já estava farto de artistas a abusarem dos loopers para recriarem camadas sonoras de suporte ao vivo, ora porque lhes saía mais barato do que andar com outros músicos a acompanhá-los, ora porque se achavam especialistas na inovação artística (ei, o Matt Elliott não entra nestas contas), surge este inglês, com uma abordagem ao processo, absoluta e hilariantemente criativa.

85. THE GO! TEAM @ ALIVE
9 de Junho de 2007
Eles pulam, trocam de instrumentos a toda a hora (já aqui disse que gosto de ver bandas em que os músicos trocam de instrumentos, desde que nisso se mostrem competentes?), puxam pelo público. Festa, festa!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Os 100 mais de uma década de concertos, #86-90

86. IVA BITTOVÁ @ FMM SINES
22 de Julho de 2008
Uns assustavam-se com esta mulher checa nas suas explorações de carácter mais dramático. Outros arrepiavam-se com as suas capacidades vocais. Ou no violino. Mais um postal de Sines bem guardado na memória.

87. MÉCANOSPHÈRE @ INSTITUTO FRANCO-PORTUGUÊS
Data desconhecida
Vi Mécanosphère por oito vezes. Destaco esta actuação no Franco-Português, cuja data não registei (já agora, quem souber...), com Adolfo Luxúria Canibal a ler a partir de folhas rasgadas e atiradas ao ar do "Atrocity Exhibition" de J.G. Ballard, ou seja, baralhando o que já estava baralhado.

88. TIMBILA MUZIMBA @ ZDB
26 de Junho de 2008
Foi há pouco mais de um ano, mas já é altura de os ter de volta, por favor. As timbila (plural de m'bila, nome que os moçambicanos dão aos xilofones com cabaças como ressonadores) do grupo formado em Maputo há meia dúzia de anos, por músicos e dançarinos, arrastou toda a gente presente na ZDB para uma grande festa de ritmo e dança.

89. FLAT EARTH SOCIETY MEETS JIMI TENOR @ FMM SINES
19 de Julho de 2008
Será porventura exagero, mas talvez houvesse mais músicos em palco do que pessoas no público a conhecerem a obra de Jimi Tenor. Mas isso, aqui, neste festival, não só não é novidade, como até potencia a criação de momentos de descoberta que são de aplaudir. Mas nem tão pouco parece que este interessante encontro da big band com o génio excêntrico do finlandês, outrora do mundo das electrónicas e afins, tenha aguçado por aí além a curiosidade do povo. Mas, para quem prestou atenção, todo o espectáculo foi percorrido por grandes ideias.

90. ERIKA STUCKY @ FMM SINES
28 de Julho de 2007
Escrevi isto na altura: "A suíça Erika Stucky foi uma das maiores surpresas deste festival. O uso que faz da voz, seja no formato spoken word (magnífica a versão para "These Boots Are Made for Walking"), seja na canção, seja nos yodelays, aliado à boa disposição que atravessou toda a actuação, ajudou a que este espectáculo possa ficar retido na memória por bastante tempo." Foi pena que no ano seguinte não tenha conseguido deixar as mesmas impressões.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Jandek em Lisboa

Depois da actuação em Serralves, no início deste ano, Jandek vai voltar cá, e desta vez a Lisboa. Até 2004, numa história que faz lembrar a dos Residents e de tanta outra gente estranha, poucos sabiam quem era, de facto, a pessoa com o nome artístico Jandek, mesmo que já lançasse discos há quase 30 anos. O mistério começou a ser revelado em 2004, a partir do festival Instal, na Escócia, onde se realizou aquele que terá sido o primeiro concerto que se conhece de Jandek. Desde então, ganhou-lhe o gosto e é o que se vê. Qualquer dia, até a minha mãe o conhece. A actuação em Lisboa dá-se no Teatro Maria Matos, a 23 de Janeiro próximo. A pedido do próprio Jandek, diz a Filho Único, que é a organizadora do evento com o TMM, Jandek terá a companhia de Sei Miguel, no trompete piccolo, Peter Bastien, no saxofone alto, e André Abel, no piano.

Visita semanal ao Central Musical, nº 6


Tiguana Bibles @ MusicBox (30 de Outubro de 2009)

Há uma maneira boa de começar o ano e outra de o encerrar. E ambas têm o nome Animal Collective.

"Fall Be Kind" sai na segunda-feira. Pré-encomendas na Domino.

Os 100 mais de uma década de concertos, #91-95

91. HURTMOLD @ ZDB
23 de Junho de 2005
Pós-rock de São Paulo? Pois bem. E funcionou para carai. Não admira que o Rob Mazurek, trompetista e cornetista nos Tortoise, Isotope 217º, Chicago Underground Duo/Trio/Quartet, se tenha fixado neles, desde que foi viver para aquela cidade brasileira.

92. THE VICIOUS FIVE @ ALIVE
10 de Junho de 2007
Outros, por comparação com os Loosers que vêm mais abaixo, que se habituaram a dar excelentes concertos um pouco por todo o lado. Mas aqui, vá-se lá perceber porquê, foi onde se suou mais. Pena que não possa voltar a ser.

93. LOOSERS @ ZDB
22 de Outubro de 2004
Não é tanto a fixação por lugares estranhos onde se dar concertos, mas esta noite dos Loosers na entrada da ZDB, com boa parte do público a vê-los das escadas e com a árvore que então havia naquele átrio a servir de amparo ao mosh, ajudou muito a tornar este concerto inesquecível. E eles nem precisam assim tanto de motivos exteriores à banda para que isso aconteça.

94. KAP BAMBINO @ LOUNGE
19 de Outubro de 2007
Quem já privou com Caroline Martial, metade deste duo de Bordéus que vem a ganhar cada vez mais seguidores por cá, não imagina que aquela meia-leca de rapariga extremamente afável é capaz de ser a mesma que não pára quieta nos palcos que pisa, cospe para o público, faz crowd-surfing com maior frequência do que o Elton John troca de óculos ou sobe para o balcão do Lounge numa pose cheia de libido. É pena que o som do parque de estacionamento do Marquês de Pombal, neste último regresso a Lisboa, não tenha ajudado àquela avassaladora máquina de ritmo, mas a loucura instalou-se à mesma.

95. JAMES BLACKSHAW @ ZDB
26 de Março de 2005
Josephine Foster, quando a trouxe cá, disse-me que vinha acompanhada de um tal de Jim Blakcshaw. Não o conhecia, mas não só aderi rapidamente ao estilo com que dedilhava a guitarra, como simpatizei com o moço, absolutamente calmo e recatado, demasiado até para este meio, ao longo das viagens entre Lisboa, Porto e Famalicão, onde ambos deram espectáculos. E ensinou-me a dizer correctamente o nome da Siouxsie (dos Banshees), ele que mora no bairro dela.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Na próxima sexta-feira...

Os 100 mais de uma década de concertos, #96-100

96. L'ENFANCE ROUGE @ FMM SINES
22 de Julho de 2009
É por isto que eu gosto do FMM. Abertura na programação, para pessoas com mentes abertas, passe a tentativa de recorrer a um slogan gasto. Junto à praia, num festival que muitos ainda pensam tratar-se daquela coisa fechada da world music, que em tempos marcou tudo o que era evento do género por cá, apareciam uns franceses contagiados pela raiva sónica dos Sonic Youth, dos Shellac ou dos This Heat, com algum sabor magrebino.

97. LIGHTNING BOLT @ PARQUE DE ESTACIONAMENTO DO LARGO CAMÕES
23 de Novembro de 2008
Por falar em sítios estranhos para os To Rococo Rot tocarem, o parque de estacionamento não ajudou a que as más profecias de abalo estrutural e tragédia humana resultante do terrorismo sonoro dos Bolt se cumprisse, mas, da parte deste que vos escreve, chegou-se a sentir falta de oxigénio (e o tinittus nos ouvidos por vários dias). Foi um concerto para se sentir e não para se ver (a não ser para quem estivesse na primeira fila que rodeava o combo do ruído). Destaco este relativamente a outro espectáculo a que assisti em 2009, no Primavera Sound, onde o duo tocou, imagine-se, em palco, e em que o som estava muito abaixo do desejável.

98. TOUMANI DIABATÉ @ CCB
2 de Agosto de 2008
Das várias vezes que o maliano e "dieu de la kora" Toumani Diabaté por cá passou e eu estive lá a assistir, destaco este, não só porque terá sido aquele que a tranquilidade do evento me permitiu desfrutar quase em pleno do seu génio, particularmente visível no álbum que trazia consigo nesta altura ("The Mandé Variations"), como também guardo para mim o registo de ter sido o primeiro concerto a sério na vida do meu filho. E, ainda por cima, gostou e lembra-se dele sempre que vê um africano a pegar numa kora. (Já agora, uma das regras desta listagem dos 100 melhores concertos da década prende-se com a não repetição de nomes, mesmo quando até se justificasse incluir mais do que um concerto).

99. TO ROCOCO ROT @ ESTAÇÃO BAIXA-CHIADO
16 de Janeiro de 2004
Mas quem é que se lembrou de fazer um concerto na longa descida de escadas-rolantes da estação de Metro da Baixa-Chiado? Também por isso destaco esta actuação deles, quatro anos depois da participação no Número Festival, numa magnífica estrutura montada ao início do Parque Eduardo VII ("estes portugueses só nos arranjam concertos em sítios estranhos", pensarão ainda hoje os alemães).

100. IGGY & THE STOOGES @ SBSR
29 de Maio de 2005
Formação original quase completa, já que o irrequieto Mike Watt tomava conta do baixo de Dave Alexander (falecido em 2003), mas onde não faltou o saxofonista Steve Mackay (já no início do presente ano, outra baixa viria a acontecer nos Stooges regressados, com a morte do guitarrista Ron Asheton). Houve direito a "I Wanna Be Your Dog" e muitos outros hits, pela voz de um Iggy Pop endiabrado como sempre.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Jack Rose (1971-2009)

Não é propriamente a notícia que mais se goste de receber numa noite de copos, depois de uma boa prestação dos barcelenses Glockenwise no Lounge e da companhia dos amigos. Jack Rose morreu no sábado passado. Tive ocasião de o ver no seu projecto a solo em 2004 e, mais tarde, em 2006, com os Pelt, que não me deixaram, terei que o confessar, grande memória. Ainda assim, a recordação daquela noite de Novembro de 2004 e de álbuns como "Raag Manifestos", o álbum que ali trazia naquele concerto na ZDB, ou do posterior "Kensington Blues", uma obra prima do tratamento da guitarra dedilhada, em versão pós-takomiana dos ragas indianos, deixam-me com enormes saudades de alguém que deixou este mundo cedo demais. Tinha, dizia-me esta noite o Nélson, 38 anos (faltam-me dois). É muito cedo para se ter um ataque cardíaco, ainda que saibamos que eles acontecem em todas as idades, tanto mais quanto se entra em comportamentos de risco, como parecia ser o caso. Fica aqui um pequeno tributo à sua memória. Se há casos em que nos sentimos obrigados a evocar a memória e prestar luto por alguém que nunca conhecemos pessoalmente, mas cujo trabalho nos deixou marcas profundas, este é um deles.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

As primeiras partes do Jello Biafra

A Xuxa Jurássica informa que o aquecimento para o concerto de Jello Biafra Guantanamo School of Medicine vai estar a cargo dos Anti-Clockwise (curiosamente, também fizeram a primeira parte dos Dead Kennedys reformados, sem Biafra, quando cá vieram, já lá vão alguns anos, ao Paradise Garage) e dos Gazua.

Para quem ainda não tem a data memorizada, aqui vai: dia 11, sexta-feira da próxima semana. As portas do Cine-Teatro de Corroios (Rua Ginásio Clube de Corroios, para quem use GPS mas ainda seja punk de coração) abrem às 21h. Os bilhetes custam 20 euros e estão à venda um pouco por todo o lado.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O MusicBox faz três anos!

É sempre bonito ver os anos passarem pelas salas de concertos que frequentamos. Muitos de nós já vimos inúmeras salas a abrirem e a fecharem pouco tempo depois. Vimos também, alguns de nós, diversos projectos de novos espaços que não saíram sequer da gaveta. E, felizmente, aquele tempo em que não havia sequer uma única sala em Lisboa com programação regular parece já fazer parte do passado.

O MusicBox, por exemplo, comemora neste próximo fim-de-semana a passagem do seu 3º aniversário. E vai fazê-lo com muitos espectáculos de entrada livre (até às 2h da manhã, pelo menos). Na sexta-feira, o destaque vai para a presença de Quantic, o produtor inglês que se apaixonou pelas cumbias e chichas colombianas. Antes, o palco é tomado por revivalismos mod dos portugueses The Poppers e Corsage. No sábado, a Filho Único ajuda à festa, trazendo ao MusicBox Sei Miguel, Aquaparque e Tigrala, o novo projecto de Norberto Lobo.

Parabéns, MusicBox. Parabéns, Lisboa.