quarta-feira, 31 de Agosto de 2005

Rentrée na ZDB com... Ana Da Silva!

O regresso às aulas promete na ZDB. Já foram avançadas algumas das datas que irão acontecer na galeria, no que diz respeito a concertos. Aparentemente, o regresso acontece a 15 de Setembro, ficando na dúvida a realização do concerto dos conimbricences D3Ö no dia 10, com a dupla norte-americana Gold Chains & Sue Cie (Kitty Yo/Kill Rock Stars). No dia seguinte, os dois antigos GNR Vítor Rua e Alexandre Soares reencontram-se em palco, auxiliados por Zé Miguel, o baterista dos Loosers. Uma semana depois, a 23, mais nomes vindos dos EUA: Neptune (frequentemente comparados a The Ex ou a Lightning Bolt, diz a ZDB), Jessica Rylan (ruído) e a dupla de Patrick Brennan com o holandês Peter Bastiaan (jazz). No dia seguinte, volta a electrónica e a experimentação sonora com os holandeses Freiband e Boca Raton. Lá mais para o fim do mês, a 29, duas mulheres partilham o palco da ZDB: Large Number, o projecto da libidinosa Ann Shenton, dos add n to (x) e, destaque óbvio da programação, a portuguesa Ana Da Silva, antiga guitarrista e vocalista das Raincoats (curiosamente, no ano passado, o César Laia juntou Ana e Ann num mesmo artigo para a Mondo Bizarre -- estaria já a prever isto?). O mês acaba com os portugueses Vicious 5.
Outubro, por sua vez, e pelo que começa a ser divulgado, ameaça ser o mês dos Animal Collective. A 18 ou 19, deverão iniciar a digressão europeia no palco da ZDB, apresentando o magnífico "Feels", cuja edição se prevê para essa altura. Mas outros ramificações do grupo, editadas pela Paw Tracks, atacam a galeria. Logo ao dia quatro, numa data que prevê um cartaz mais alargado de comememoração do 11º aniversário da ZDB, estará o projecto Jane (Panda Bear + Scotty). E a 14, será a vez do rock "trashado" dos Peppermints. E mais ainda está para vir.
Venha o Outono!

O Mercado encontrou novo poiso

O bar Mercado, cujas anteriores instalações nas Janelas Verdes tinham sido encerradas há poucos meses, vai voltar a abrir, agora num novo local. Vai ser na rua das Taipas, na cercania do Bairro Alto, e a abertura está marcada para o dia 6 de Setembro. Hip hop, reggae, funk e até mesmo rock prometem voltar em força nas noites do Mercado. Já há um concerto, pelo menos, marcado: The Vicous 5, a 10 de Setembro.

segunda-feira, 29 de Agosto de 2005

Young Gods de volta

Já há algum tempo que não havia um concerto de Young Gods por estas terras. Vai deixar de ser assim, porque eles voltam em Novembro, a celebrar os 20 anos. E até podiam voltar a vir para os 21º, 22º, 23º e outros aniversários por adiante. Nunca cansam.

4 de Novembro - Hard Club (23 euros)
6 de Novembro - Aula Magna (30 euros - doutorais; 24 - geral)

Heavy Trash

O amigo leitor é da opinião que os discos da Blues Explosion andavam a ficar cada vez mais aborrecidos? Então faça o favor de pôr os ouvidos neste disco. Jon Spencer juntou-se a Matt Verta-Ray, que entre outras coisas é guitarrista nos Speedball Baby, e , zás-pás, saíram dali os Heavy Trash, rock'n'roll com brilhantina a rodos para o prezado leitor abanar a cabeça e as ancas como melhor lhe aprouver. Fica a dica.


HEAVY TRASH, s/t (Yep Roc Records, 2005)

Mapa-música

A consultar:
www.music-map.com
www.gnoosic.com

Primeiras impressões retiradas das primeiras audições do novo de Animal Collective


Animal Collective "Feels" (FatCat, Outubro de 2005)

Impressão #1: não perderam a demência.
Impressão #2: estão mais pop (corolários: ganharão novo público, perderão as alas mais radicais de admiradores)
Impressão #3: chegam de uma forma soberba -- tal como vinha a prometer o Panda Bear, um dos dos elementos que constituem o duo nuclear dos AC -- a... África.
Impressão #4: temos disco.

A Fanfare está de volta!

A Fanfare Ciocarlia está de volta a Portugal, agora pelas mãos da SET - Sons Em Trânsito, que preparou uma digressão por Portugal. São os seguintes os palcos onde vai subir uma das mais interessantes brass bands ciganas (eles próprios gabam-se de ser a brass band mais rápida do mundo):

22 de Setembro - Bragança - Teatro Municipal
23 de Setembro - Alcobaça - Cine-Teatro Municipal
24 de Setembro - Famalicão - Casa das Artes
30 de Setembro - Coimbra - TAGV
1 de Outubro - Porto - Casa da Música
2 de Outubro - Lisboa - Forum Lisboa

Lisboa Soundz: relatório telegráfico

Bunnyranch
Devia ser instituída a presença obrigatória dos Bunnyranch em todos os eventos deste tipo. Ainda com a presença de um Sol que teimava em pôr-se lá para os lados de Cascais, Kaló e companhia abriram o apetite rock'n'rolleiro para o que iria acontecer pelo resto da noite. Fosse o que fosse que viesse a acontecer, a abertura estava já ganha. (7/10)

Jimmy Chamberlin Complex
Se já não é comum ter-se um baterista como frontman de uma banda, mais improvável é assistir-se a dois concertos consecutivos em que os homens das baquetas são o pivot de palco. Mas aconteceu e esta segunda proposta foi muito boa... quando acabou. Enquanto durou, a espécie de workshop de bateria de Jimmy Chamberlin provou que o domínio técnico do instrumento é elevado, com certeza, mas a paciência para os arremedos progressivos e mal acompanhados pelos dois outros membros do grupo não durou mais do que alguns minutos. (3/10)

Mogwai
Podiam ter ficado a tocar até ao sol reaparecer. É certo que não trouxeram grandes novidades em termos sonoros, apesar do basto número de novos temas que foram apresentados, mas continuam a protagonizar uma experiência única para os ouvidos que os acompanham. Entre os jogos de silêncios e as descargas sónicas de uma Cahora Bassa cheia de distorção até ao limite, fecha-se os olhos e é-se transportado para uma qualquer outra dimensão. Os dois maiores pecados: foi demasiado curto e não teve "My Father My King". (8,5/10)

Franz Ferdinand
Já se sabia que eles tinham a noite ganha, mesmo antes de porem os pés em palco. Palminhas, letras cantadas de uma ponta à outra pela multidão e mais palminhas ainda, vieram provar que a maioria dos presentes estava ali pelos Franz Ferdinand. O que aconteceria se o público não os conhecesse previamente? Provavelmente, aquela amálgama sonora que era servida por um PA a dar sinais de esforço, ao ponto de tornar a música indistinguível por diversas vezes, não seria suficiente para arrancar um bater de pé, quanto mais uma palminha fora de ritmo. Mas também estarei a exagerar, certamente. Seja como for, venha o disco, que em palco não me convencem. (5/10)

sexta-feira, 26 de Agosto de 2005

1. Começa hoje no Porto mais uma edição das Noites Ritual Rock. Conseguir manter uma mostra de música portuguesa desde o já longíquo ano de 1992 é obra. A Xinfrim está de parabéns. Este ano sobem ao palco, ou melhor, aos palcos: Wordsong, Plaza, Cool Hipnoise, Ölga, Complicado e Alla Polaca (hoje); Supernada, Bunnyranch, Wraygunn (que aproveitarão a oportunidade para gravar alguns temas ao vivo a incluir na edição inglesa do mais recente álbum do grupo), Gajos Baixos, Housandbass e Alex Fx (amanhã). Mais informações em www.noitesritual.com/nrr2005.

2. No domingo, a romaria é a Algés, ao palco do Lisboa Soundz. Franz Ferdinand, Mogwai, Jimmy Chamberlin Complex e Bunnyranch fazem a primeira edição deste novo (mini-)festival. E ao contrário do que se tem dito por aí, nem as Noites Ritual Rock, nem este novo Lisboa Soundz vão encerrar os festivais de Verão. É a Festa do Avante, o festival português com maior número de edições (desde 1976... façam as contas).

3. Continuando na senda dos cartazes de grandes dimensões, já há um nome para a segunda edição do Festival para Gente Sentada: Patrick Wolf. A celebração do alt-country, americana, neo-folk e outras propostas intimistas que tais acontece lá para o final de Setembro.

4. Avançou hoje o DN e o tasco já confirmou: Jorge Mourinha vai deixar a edição do Blitz, cadeira que passa a ser ocupada pelo Gonçalo Frota.

quinta-feira, 25 de Agosto de 2005

A fotografia!



Martin Bulloch, o baterista dos Mogwai, num concerto em Atlanta, no ano passado.

Reacções à primeira postagem, dois anos depois

Depois de meses a dizer para mim próprio que não iria fazer um blogue, eis que dou por mim a escrever a primeira posta do "Juramento sem Bandeira", aproveitando uma pausa na cansativa tarefa que tem sido, nestes últimos meses, a biografia dos Mão Morta.

E não pregava olho a olhar para o monitor do computador... Parece que já foi há anos.

Esta mudança repentina deve muito ao interesse com que fui descobrindo todos estes gadgets, do design do template às funcionalidades do blogger.com, dos comentários do enetation.co.uk a todos os outros add-ons que por aí circulam e que eventualmente virei a experimentar. Mas deve também ao entusiasmo que sinto neste momento por poder vir a encher este espaço de assuntos, ideias, questões, desabafos, etc.

Vero.

Não pretendo que isto seja mais um blogue como muitos outros que nestes últimos dois anos vieram a rebentar, quais diários íntimos dos Adrian Moles do século XXI. Não interpretem isto como uma crítica. Afinal, os blogues existem para isso mesmo e para muitas outras coisas, isto é, para se fazer deles o que cada um entender. No "Juramento sem Bandeira", a filosofia de partida é -- e também me reservo a esse direito -- diferente, ainda que não inédita, naturalmente. Mesmo que isto possa ser lido como um diário, não será um diário exclusivamente meu. A curto prazo vou convidar outras pessoas, com quem partilho de alguns pontos de vista (ou não) para também irem participando.

Não vero! Nada mesmo, nada vero.

Não tenho grande prazer em definir regras, mas acho que convém, aqui já à partida, balizar o universo de opções que pretendo seguir neste blogue. Quando há quinze anos ouvia o "Juramento sem Bandeira", dos Pop Dell'Arte, de cuja letra citei um excerto que ficará patente na divisa deste blogue, havia ali algo de utópico que me fazia acreditar que o mundo não tinha de sucumbir por inteiro à avalanche da uniformização, dos gostos iguais por todo o lado, dos pontos de vista universais. Decorrido este tempo, talvez seja mesmo verdade que "todos os fascistas no poder se transformaram em balas perdidas na multidão", sendo, daí, mais do que altura de "sairmos à rua, sermos mais fortes" e de "nada nos calar, nada nada nos debelar".

Os anos passam, mas a convicção perdura.

Esta é, talvez, uma via tímida e bastante modesta (mas talvez das poucas ao alcance de cada um de nós, nos dias que correm), de fazer cumprir esse juramento. É pouco visível? Certamente! Quem mais do que eu e dos amigos que eu convidar irá visitar este blogue? :)
Mais concretamente, vou aproveitar este blogue para falar da música (e provavelmente de outras artes) que vai acontecendo por cá (e possivelmente também lá por fora -- ainda não me decidi). Falar de concertos nas nossas salas. Falar de novas e velhas bandas portuguesas. Deixar questões sobre a forma como as coisas vão acontecendo. Lançar ideias.


Que raio de mania essa, a de lançar ideias.

E hoje é dia de... aniversário!

Foi há dois anos que o tasco abriu!

Três dias mais e...

terça-feira, 23 de Agosto de 2005

A capa

Já há capa para o novo de Lightning Bolt. Obrigado, Zé.

Do they know it's hallowe'en?

Beck, Sum 41, The Arcade Fire, Sonic Youth, Yeah Yeah Yeahs, Sloan, Peaches, Feist, Devendra Banhart, Wolf Parade, Postal Service, Buck 65, David Cross, Malcolm McLaren, Elvira Mistress of the Dark, Gino Washington, Roky Erickson, Sparks e Tagaq. Todos estes nomes juntaram-se para gravar um single de beneficiência para a UNICEF. Podem saber mais no Cotonete.
(Não me deixa de me fazer uma certa confusão ver o Roky Erickson, antigo elemento dos psicadélicos 13th Floor Elevators, cuja vida de desgraças só encontra paralelo na de Syd Barrett, envolvido no projecto...)

A Festa

Aproxima-se mais uma Festa do Avante. Eis alguns dos nomes que pisarão os palcos, no que diz respeito à música:

Sexta Feira, dia 2 de Setembro de 2005

- Carlos Bica
- The Act Ups
- Vera Mantero e Gabriel Godói interpretam Caetano Veloso

Sábado, dia 3 de Setembro de 2005

- Brigada Victor Jara
- Bunnyranch
- Clã
- Coro Lopes-Graça da Academia de Amadores de Música
- Cristina Branco
- Janita Salomé
- Linda Martini
- Ljiljana Buttler & Mostar Sevdah Reunion
- Lupanar
- Primitive Reason
- Realejo
- Refilon
- Skareta
- Skàrnio
- Telectu
- Tomás Pimentel
- Xutos & Pontapés

Domingo, 4 de Setembro

- Blasted Mechanism
- Da Weasel
- Dazkarieh
- Galandum Galundaina
- Gandaia
- Terrakota

Mas há muitos mais nomes e muito mais que fazer na Quinta da Atalaia do que ouvir música, conforme se pode ver aqui.

segunda-feira, 22 de Agosto de 2005

35 anos depois



Em breve.

Faleceu Bob Moog


Acabo de o saber através do HdB.
O que seria da música de hoje sem os extraordinários inventos de Robert Moog, em especial a família de pequenos sintetizadores que marcaram estas últimas quatro décadas de música popular, os moogs?
O senhor Moog morreu ontem, domingo, aos 71 anos, vítima de cancro. A música está de luto.
Para mais informações, envio de condolências, etc., é favor visitar o site da Moog Music.

Preciso da vossa ajuda (actualização: esqueçam!)

Já não é a primeira vez que isto acontece. Uma vez mais, fiquei com o template "truncado". Quer isto dizer que parte do template (mais ou menos do meio até ao fim) foi à vida, talvez apanhar uma praia, talvez viajar por essa europa fora em busca de festivais de rock.
Os browsers continuam a ler o essencial do blogue porque o código dos posts se mantém intacto. O que desapareceu quase totalmente foi a barra preta do lado esquerdo e todos os outros pormenores de html que só apareciam depois, como a drop-down com algumas rubricas habituais aqui do tasco.
Se estão a ler este post, não pertencerão ao grupo dos que ainda têm a versão antiga na memória cache do computador, mas talvez ainda me possam ajudar se, por alguma razão, tiverem gravado esta página recentemente. Se assim for, agradeço que me enviem a mesma para o mail com que assino estes posts.
Obrigado.

ACTUALIZAÇÃO:
Esqueçam. Ainda tenho o cérebro a funcionar a dois tempos. Uma alma caridosa fez o favor de me lembrar para usar o mês de arquivo mais recente, expediente que eu próprio tinha utilizado nas vezes anteriores em que o problema surgiu... Ah, memória de amiba.

quinta-feira, 18 de Agosto de 2005

Jaguar & Jazzmaster #10


Blixa Bargeld, quando ainda fazia parte dos Bad Seeds, com uma jaguar. Nick Cave & Bad Seeds tocam hoje em Paredes de Coura.

Novo de Lightning Bolt

Diz a Pitchfork que o novo álbum se vai chamar "Hypermagic Mountain" -- e não "Scribblemania 2" como foi antes anunciado --, que sai a 18 de Outubro e que terá o seguinte alinhamento:

01 2 Morro Morro Land
02 Captain Caveman
03 Birdy
04 Riffwraith
05 Megaghost
06 Magic Mountain
07 Dead Cowboy
08 Bizarro Zarro Land
09 Mohawkwindmill
10 Bizarro Bike
11 Infinity Farm
12 No Rest for the Obsessed

Agora o ideal era mesmo tê-los por cá em concerto. Isso é que era uma notícia daquelas...

5 razões para preferir a rádio à tv na transmissão dos concertos de Coura

1. O som da rádio é melhor.
Possivelmente, a equipa da SIC recebe o sinal sonoro directamente a partir da mesa, com equalizações próprias para o anfiteatro natural de Coura, não para o conforto do lar. E sem público.

2. Há mais transmissões na rádio.
Pelo menos, assim foi na terça-feira.

3. Os planos da tv são pobres.
Naturalmente, o realizador não pode conhecer as dinâmicas implícitas a todas as canções de todos os grupos presentes e, por isso, limita-se a fazer mudanças de planos quase aleatórias, que nem sempre se encaixam com aquilo que o grupo e a sua música transmitem a partir do palco. Na rádio, é apenas música que comanda a nossa atenção.

4. Os strobes não jogam com a tv.
Fazer "talking heads" ao vocalista ou a outro músico quando as luzes strobe estão ligadas é oferecer ao espectador uma experiência psicadélica para o qual ele não estava preparado. É mau vê-lo a seguir ao jantar. É provavelmente perigoso para quem sofre de epilepsia.

5. A rádio dá para ouvir no carro.
Mas cuidado com os acidentes, dependendo da música do grupo que está em palco.

quarta-feira, 17 de Agosto de 2005

terça-feira, 16 de Agosto de 2005

Bah!

Há uma parede aqui em casa (a chamada "Parede de Coura") que já tem um buraco de tanto receber as minhas cabeçadas. Que faço eu em casa? Porque não estou eu no belíssimo anfiteatro onde todos os anos decorre o festival de Paredes de Coura? O que a rádio e a televisão (prefiro a rádio: o som é imensuravelmente melhor e não tem strobes) têm estado a transmitir deixa perceber que há um grande ambiente de festa a decorrer para aqueles lados. Queria ter suado com os !!!, ter batido o pé (sem o torcer) com os Kaiser Chiefs e ter gritado que nem um maluco quando os Bravery se puseram a tocar uma versão do... An Cat Dubh (do primeiro álbum dos U2). Bah.

Actualização de concertos

É sempre assim nesta altura. Ainda o Verão está no pino e já começam a ser anunciados concertos que nunca mais acabam para o chamado "regresso às aulas", bem como para todo o Outono. Aqui vai um pequeno apanhado das últimas revelações:

18 de Setembro - Diamanda Galás @ Porto, Casa da Música
24 de Setembro - Boyd Rice @ Sintra, Quinta da Regaleira
26 de Setembro - Sigur Rós @ Lisboa, Coliseu dos Recreios
26 de Setembro - (Smog) @ Lisboa, Clube Lua (e não, não é a primeira vez que o Bill Calahan pisa um palco português, conforme diz o Blitz de hoje)
31 de Outubro - Antony & The Johnsons @ Lisboa, Coliseu dos Recreios
20 de Novembro - Sigur Rós @ Lisboa, Coliseu dos Recreios
15 de Dezembro - Turbo Negro @ Lisboa, Paradise Garage
16 de Dezembro - Turbo Negro @ Gaia, Hard Club

Passam hoje 28 anos da morte de...

Regresso, em modo "breves"

1. Acabo de ler no Blitz que o segundo tema dos U2 no domingo foi justamente o "Electric Co.", uma das canções, entre muitas outras do reportório inicial, que melhores recordações me trazem. Alguém gravou o concerto?

2. Senti, na verdade, algum arrependimento por não ter feito nada por ir ao concerto de Alvalade, embora soubesse que todas aquelas palminhas a tudo e a nada me fossem irritar desde cedo. Mas pior ainda é que começa hoje mais outro desconsolo, o de não ir a Paredes de Coura. Valha-me, mais logo, a transmissão radiofónica.

3. Já que se fala em Paredes de Coura (e em U2), porque é que se insiste no Blitz em dizer que os Kaiser Chiefs foram buscar o nome à selecção de futebol da África do Sul? O nome da banda vem dos Kaizer Chiefs, clube da primeira linha do futebol sul-africano, não da selecção. Uma vez passa, duas já é mais difícil...

4. Mais duas bandas se juntam aos cabeças-de-cartaz escoceses do Lisboa Soundz, que decorre na Doca Pesca a 28 de Agosto: Jimmy Chamberlin Complex (hmm... coisa vinda dos Smashing Pumpkins não deve ser boa coisa... :>) e os portugueses Bunnyranch. Os bilhetes já estão à venda.

domingo, 7 de Agosto de 2005

Dimanche a Bamako



Amadou et Mariam "Dimanche a Bamako" (2004)

Desde que entrou no leitor de CDs, há coisa de dias, ainda não saiu. E vai ser uma excelente companhia para a semana de férias que se aproxima.

sexta-feira, 5 de Agosto de 2005

De volta ao Alentejo

Daqui a duas semanas, mais concretamente a 19 e 20 de Agosto, os Dazkarieh e o Legendary Tigerman, respectivamente, vão tocar para o povo de Sines, no largo Bocage, mesmo junto à entrada do castelo. No giradiscanço, antes e depois dos espectáculos, vai estar o gerente aqui do tasco. Fica o aviso (para o bem e para o mal).
ACTUALIZAÇÃO: Um dos camaradas do Bailarico Sofisticado, Bruno Barros, vai substituir o gerente no sábado, após o concerto do Tigerman.

Afinal, é em Algés e junta o arquiduque

A sobreposição de datas fazia prever algo do género. O concerto de Mogwai aqui anunciado ontem faz parte de um mini-festival que decorrerá no dia 28 de Agosto e que junta outros escoceses ao cartaz, precisamente os Franz Ferdinand. O evento, que decorrerá na Doca Pesca, em Algés (no mesmo local onde este ano aconteceu o Hype, por exemplo), aguarda ainda mais dois nomes, segundo avança o Disco Digital.

quinta-feira, 4 de Agosto de 2005

Jaguar & Jazzmaster #8

Image hosted by Photobucket.com
Alguém dos Mogwai, provavelmente John Cummings, com uma jaguar.

Já saiu a Mondo Bizarre #23

Image hosted by Photobucket.comMONDO BIZARRE # 23 - Julho de 2005
Guided By Voices / Robert Pollard - Kubik - Oneida - Sleater-Kinney - Dr. Frankenstein - Gang Gang Dance - AGF/Delay - The Ponys - Electrelane - d3ö - Autechre - The White Stripes - Magnolia Electric Co - William Elliot Whitmore - Stephen Malkmus - Maxïmo Park - The Rise - Loosers - Aavikko - The Tears
E muito mais...

PAREM AS ROTATIVAS!

02/08/2005 MOGWAI PLAY LISBON

Here are the details:

28th August
Lisboa Soundz,
Lisbon
Box office number: +00351 21 0036 300
Web link: www.ticketline.pt

(in www.mogwai.co.uk/news.html)

(Agora, há que descobrir o que raio é o Lisboa Soundz...)

quarta-feira, 3 de Agosto de 2005

Ainda na ressaca de Sines

Passados estes dias, não foi ainda possível recuperar por inteiro do jet lag provocado pelo regresso ao quotidiano corriqueiro, após este fim-de-semana louco que, sinceramente, já é olhado com uma enorme saudade. Até agora, após as quatro edições em que marquei presença, este foi o meu FMM favorito sendo que, por conseguinte, mantenho a ideia que este é o melhor festival do país, pese embora as reservas naturais que tenha para fazer uma afirmação desse género e ainda esperar que seja nela lida qualquer espécie de isenção. Porém, a opinião dos amigos e das pessoas que fui encontrando por Sines só o vieram confirmar. Quem foi pela primeira vez, quer voltar para o ano (e por mais dias). Quem já conhecia, não lhe poupa elogios.
O que teve a edição deste ano de tão especial? Em primeiro lugar, porque afinal é isso que mais importa, grandes concertos, dos transes hipnóticos dos Master Musicians of Jajouka e dos Konono no.1 às explosões sónicas dos KTU ou de Marc Ribot & The Young Philadelphians, da hilariante boa disposição da mexicana Astrid Hadad à imensurável beleza da música maliana trazida pelo casal Amadou & Mariam, da folia cigana dos Mostar Sevdah Reunion aos delírios jazzísticos da trupe de Hermeto Pascoal. Em segundo lugar, porque não houve, à semelhança do que vinha já a acontecer noutras edições, maus concertos. Em qualquer outro festival, daqueles que os telejornais gostam de falar, encontramos sempre razões para ir beber uma cerveja bem longe do palco ou para ir dormir mais cedo, não porque estejamos cansados, mas porque os nossos ouvidos não suportam a música daquele nome que a organização decidiu enfiar no cartaz. Em Sines, a fasquia é outra e isso não acontece. Em terceiro lugar, porque todo o ambiente que envolve esta festa é único. É a confraternização, é aquela bela zona central de Sines, é aquele castelo acolhedor que domina sobre uma espécie de baía onde se espoja a praia Vasco da Gama, é as conversas com os músicos na capela, é isto e muito mais. O grande mal do FMM é ter-se que esperar mais doze meses para se poder voltar a sentir tudo isto.
Fica aqui um pequeno top dos concertos que mais gostei:
1. KTU
2. Marc Ribot & The Young Philadelphians
3. Amadou & Mariam
4. Konono no.1
5. Astrid Hadad

terça-feira, 2 de Agosto de 2005

Ops.

Esqueci-me de legendar as fotografias. Assim sendo, e pela ordem das mesmas: 34 Puñaladas em Porto Covo; Praia Vasco da Gama, com o palco secundário montado na avenida; parte do palco dos Samurai 4; Kimmo Pohjonen a descer do palco principal, depois de ver um pouco do sound check dos Master Musicians of Jajouka; elemento dos Konono no.1 a montar um dos dois altifalantes utilizados para a pré-amplificação das mbiras; Master Musicians of Jajouka ao vivo; Konono no.1 ao vivo; frente do palco secundário por volta das cinco da manhã; frente do palco secundário no final da festa, lá para as oito e tal da manhã.